segunda-feira, 14 de março de 2016

Fuga para a Caverna

No inicio deste mês acompanhei um noticiário sobre o desaparecimento de um jovem. Segundo a família não havia razão para ele não ter voltado para casa. Com o processo de busca se desenrolando, descobriu-se que o rapaz havia, sem coação, sacado dinheiro num banco. Posteriormente soube-se que ele havia embarcado num ônibus para outra cidade, também sem coação. Com as pistas sobre o paradeiro do jovem, a mãe sugeriu que ele talvez estivesse fugindo da fama. O destino que ele escolheu para a fuga era lindo. Uma cidade litorânea com uma paisagem de se admirar. Infelizmente esta história teve um final triste. 
Não muitos dias depois, outra família anunciou o desaparecimento de um filho. Neste caso eles souberam em pouco tempo que o jovem estava bem, porém havia decidido fugir da realidade em que estava vivendo procurando outro lugar para morar. 
Detive-me por um momento naquela matéria para ler comentários dos leitores e para minha surpresa muitos deles comentaram que também tinham a vontade de fugir. 
Tenho que concordar com os leitores, às vezes dá vontade de fugir dos problemas dos desafios, dos embaraços... Essa vontade surge quando nos sentimos incapazes, quando vem a frustração ou quando não temos as respostas de que precisamos. Arriscaria dizer que é natural. É ruim nos sentir assim. É ruim assumir nossas fraquezas. Você concorda?
Nesse tempo tudo o que precisamos é de um refugio. Um lugar seguro, onde podemos nos sentir protegidos.
Davi, o personagem bíblico que muitos admiram, inclusive eu, fugiu. Ah sim, ele fugiu da presença de Saul e sua fuga foi para a caverna de Adulão. Ele procurou refugio naquele lugar. (I Samuel 22)
O que se segue nessa história me fascina!
Quando a família de Davi soube que ele havia se refugiado na caverna de Adulão se juntaram a ele. Aconteceu uma fuga para a Caverna. Fugiram para a caverna todos os homens que se achavam em aperto, endividado e amargurados de espírito. Você consegue imaginar que reunião mais cabulosa era aquela?
Já pensou reunir num lugar todas as pessoas que desejam fugir de suas realidades? 
Haveria resgate para essas pessoas? Qual seria o fim dessa gente? 
A bíblia menciona que eles formaram um grupo de uns quatrocentos homens. Uau! Era muita gente sem esperança reunida num lugar só. E não parou nos quatrocentos!
Davi se tornou o líder daqueles homens. Embora ele estivesse ali em busca de refugio, ele conhecia bem o seu Deus, sabia bem o que ele era e tinha total certeza do seu destino. Sua fuga era física e não emocional. 
O que mais me impressiona nessa história é o que aconteceu na caverna. Ela se tornou um centro de treinamento, um lugar de cura de emoções de encorajamento. 
Foi de lá que saíram os valentes de Davi. 
Aquele grupo que começou com quatrocentos homens desencorajados transformou-se num grupo de seiscentos homens prontos para pelejar. Davi fez um trabalho de excelência, inspirou confiança apregoou a fé e despertou o que havia de melhor naqueles homens. A fuga para a caverna de Adulão foi o inicio de uma grande virada. 
A palavra de Deus diz em Provérbios 18:10 que “Torre forte é o nome do Senhor; para ela corre o justo, e está seguro”. 
Se você é um destes que tem vontade de fugir, saiba que só existe uma fuga com êxito, a fuga para o Senhor Jesus. Ele é o único que pode aquietar a nossa alma, curar as nossas emoções e renovar a nossa esperança. Se desejar se refugiar nele terás êxito, esteja certo disto! 

Um comentário:

Miriam disse...

Menina eu te amo! Que linda mensagem. Que Deus me ajude a encontrar um refúgio e sair de lá valente. Obrigada por suas palavras.