quinta-feira, 6 de junho de 2013

Falta alguém na fotografia!

Com o avanço tecnológico ficou muito mais fácil fotografar. É possível ter uma câmera na mão em qualquer lugar que se vá e registrar qualquer coisa que se queira.
Uma das razões que fazemos estes registros é para compartilhar com outros nossas emoções, nossas conquistas e fazemos isto por meio de vários canais.
Posso dizer que as fotografias tornaram as redes sociais muito atrativas. São milhares de publicações de fotos todos os dias. Milhões de pessoas contam detalhadamente suas vidas por meio destes registros.
Hoje nem podemos mensurar a velocidade em que as pessoas compartilham seus momentos especiais através de fotografias publicadas nas redes sociais. 
Antes, porém, as fotos mais especiais eram penduradas em molduras num lugar de visibilidade nas casas. Dificilmente encontraremos uma casa em que não tenha uma fotografia em destaque. Elas ainda servem para “eternizar” momentos especiais. 
No início o registro de uma imagem era praticamente uma cerimônia. Tirar uma foto era oportunidade única de reunir a família inteira e gastar tempo para poses. (e torcer para que todos saíssem bem na foto).
Pense num tempo remoto, bem antes da fotografia...
Volte para os tempos bíblicos, para o livro de I Samuel cap. 16.
Deus havia rejeitado Saul como rei para Israel. Ele havia ordenado a Samuel que fosse à casa de Jessé porque de lá sairia o novo rei para a nação, um homem segundo o coração de Deus.
IMAGINO Jessé recebendo Samuel e conduzindo o profeta por um passeio por sua casa e o encaminhando para o lugar de maior visibilidade e apontando uma moldura... Na fotografia estão seus filhos em pose de bravos guerreiros. 
Sete homens bonitos, fortes e elegantes, sorridentes e bem vestidos. Aquele momento de registro havia sido especial. Uma preparação para a vinda do profeta àquela casa.
O profeta fica admirado e frustrado ao mesmo tempo. Ele nota a aparência dos belos filhos de Jessé, mas não identifica um homem segundo o coração de Deus.
Bem, a história não é bem assim, esta é a minha imaginação...
Não há nada de errado na fotografia se não pelo fato que faltava alguém ali. 
Jessé havia “emoldurado” seus filhos e deixado um de fora. No entanto Deus não olha para a “moldura” Ele vê o todo.
Os olhos de Deus contemplavam Davi, no campo. 
Você vê algo familiar aqui? 
Nós emolduramos diversas situações. Não enxergamos o todo e por esta razão falhamos em não confiar em Deus o tempo todo.
Se tirarmos os olhos da moldura, da janela em que debruçamos, das situações que limitamos... Veríamos a provisão de Deus! Somos chamados a ampliar a nossa visão. Alargar a nossa confiança em Deus.
Se Jessé tivesse se apercebido, teria uma fotografia com seus oito filhos e o foco ajustado especialmente num deles, justamente naquele que ele havia deixado de fora. 

domingo, 2 de junho de 2013

Não são as jumentas!

Bíblia aberta. I Samuel cap. 9. O que temos? Uma história sobre jumentas? 
Aparentemente sim.
A história aponta um homem, sua riqueza e suas jumentas que se extraviaram. Ele envia seu filho e um servo para procurar por seus animais. Os homens saem na expectativa de encontrar as jumentas. Porém, vai-se o tempo e nada de encontra-las. O filho se preocupa com o pai e em não deixa-lo mais preocupado do que já estava. 
É uma descrição minuciosa sobre os animais perdidos e a busca até que o servo menciona um “vidente”. (Os profetas eram chamados de videntes anteriormente). Este homem de Deus poderia ser a solução no caso das jumentas perdidas.
O filho ouve o servo e se dispõe a ir de encontro com o vidente (profeta). 
Tudo até aquele encontro entre Saul (o filho) e Samuel (o vidente) parecia se tratar das jumentas perdidas. 
A partir do verso 14 a história tira o foco das jumentas... Não são elas as protagonistas. O principal personagem é Saul e seu chamado a rei de Israel. 
Parece uma história de humor. Por que esta história tinha que ser assim? Quem foi que colocou as jumentas nesta narração? Parece algo sem lógica. Parece “sem noção”. 
É. Pode ser. E quem disse que tem que ter lógica? 
Deus usou este caminho para levar Saul à presença do profeta Samuel para ser ungido rei. Ele poderia ter feito diferente, mas não fez. 
Sabe o que eu percebo?
Muitas vezes pensamos que a história tem a ver com o caminho que percebemos. Estamos olhando para as jumentas e pensamos que tudo tem a ver com elas, quando na verdade não são as jumentas.
Deus tem seus caminhos. Ele tem seus métodos e eles não coincidem com os nossos meios e métodos.
Isaias registrou esta informação no cap. 55 verso 8: "Pois os meus pensamentos não são os pensamentos de vocês, nem os seus caminhos são os meus caminhos", declara o Senhor”. 
Queremos entender os porquês. Queremos entender os caminhos que parecem tortuosos e incompreensíveis. 
Não precisamos!
Deus levou Saul a Samuel exatamente como tinha previamente avisado o profeta. Saul ainda não sabia, mas Samuel já estava esperando. Estava tudo certo. As jumentas já tinham sido devolvidas a Quis, pai de Saul. O plano de Deus aconteceu exatamente como ele projetou. 
E da mesma forma será com nossa vida. 
O caminho parece estranho? Olha para Jesus, Ele está no controle.
Nada pode frustrar os planos dele. Pode parecer inteligível para nós e mesmo assim estará em total concordância com os propósitos dele.
Confiemos em Deus e nos seus caminhos!