sexta-feira, 17 de junho de 2011

Leitura do Mês - Junho


Caro leitor este é o livro que tenho lido nesse mês.

Invictus foi uma agradável surpresa para mim.
É bom ler histórias de heróis do passado e acompanhar suas trajetórias de vida, mas ler sobre heróis em vida é ainda mais surpreendente.
Estava interessada em ler um pouco sobre Nelson Mandela por isso escolhi esse livro para a minha leitura do mês. Emocionei-me com a história desse homem e do que ele fez num contexto político, esportivo e humanitário. A pergunta que não sai de minha mente desde então é: Se um homem pôde fazer tudo isso com seu carisma e perspicácia política o que um homem debaixo da unção e poder do Espírito Santo pode fazer?
Meu Deus! Emociono-me só em imaginar a resposta para essa pergunta. Eu quero ser uma dessas pessoas guiadas pelo espírito para impactar nações!
O livro é emocionante, porém, quem não tem interesse em questões sociais, políticas e esportivas dificilmente conseguirá seguir avante na leitura.

quarta-feira, 15 de junho de 2011

Shosholoza

Sou curiosa com palavras. (Não só com palavras, é verdade) Recentemente aprendi uma africana e tenho pensado nela e no contexto onde a encontrei.
Ano passado foi realizada a Copa do Mundo de futebol na África do Sul e nossos olhos se voltaram para essa nação tão peculiar. Lembro-me do texto que postei aqui falando sobre as vuvuzelas e da alegria dos sul-africanos e nesse mês tenho lido um pouco da história deles.
Entendi um pouco de onde nasceu esse jeito todo próprio de fazer barulho que só um africano tem. E diga-se de passagem, que barulho maravilhoso e contagiante!
(Acho que nós apostólicos precisamos aprender um pouco mais com eles...)
Mas, ao final de contas, a palavra que tem ecoado em minha mente é Shosholoza cuja tradução livre é seguindo adiante.
O mundo pode ouvir uma canção com esse nome no ano de 1995 na Copa do Mundo de rúgbi realizada na África do Sul e se emocionar pelo acontecimento histórico em que esteve envolvida. Não era apenas um evento esportivo mas uma união de um povo que por anos conviveu em confronto de raças.
Essa música era conhecida de muitos sul-africanos, principalmente, trabalhadores que saíam das áreas rurais para atuar nas minas de ouro. Tipicamente ritmada tentava imitar o som de um trem a vapor.
Mas, no ano da copa, toda a nação se uniu numa só voz, negros e brancos, num mesmo lugar. A pessoa que conduziu o ‘coro’ naquele estádio fez ascender a chama de uma nação e convidou todos a ‘rasgarem’ suas gargantas. Imaginemos, nós ouvimos as vuvuzelas ano passado, mas em 1995 o mundo ouviu a canção Shosholoza com a mesma vibração. Foi o momento em que brancos e negros vestiram a camisa da África do Sul e expuseram a consciência de que eram todos; um só povo lutando por um mesmo ideal.
O que mais me chama a atenção nessa palavra é sua expressão. Seguir adiante é uma decisão. O que ficou expresso naquele estádio foi a decisão de cada indivíduo de se aceitarem como sul-africanos independente da cor. A decisão de torcer por um mesmo time. A decisão de querer ver o progresso de sua nação independente de quem estivesse à frente do governo, branco ou negro.
Seguir adiante é uma decisão individual, mas pode acarretar num resultado muito mais abrangente. Naquele caso a decisão individual, gerou resultado para toda nação.
E... Pensando nisso, qual o resultado você pode obter por seguir adiante?

segunda-feira, 13 de junho de 2011

Direi a Verdade

Gostaria de dizer que sou perfeita,
Gostaria de dizer que nunca cometi falhas,
Falaria com sorriso nos lábios que nunca fui capaz de magoar alguém...
Gostaria de dizer que só cresci,
Gostaria de falar dos meus progressos,
Ah! Falaria com sorriso nos lábios!
Gostaria de olhar nos seus olhos e dizer que sempre perdoei,
Gostaria de dizer que meu coração nunca provou o amargo da frustração,
Eu falaria com sorriso nos lábios!
Sim, eu gostaria de dizer que sempre sou forte,
Que sempre me dôo,
Que sempre estendo a mão,
Eu falaria tudo isso com sorriso nos lábios, se eu ao menos pudesse.
Mas, eu não sou perfeita...
Porém, com um grande sorriso nos lábios posso afirmar que Deus é perfeito, que nele não há impiedade, ele é amor, perdão, graça, misericórdia, justiça...
Ele é o modelo a quem desejo imitar. Apesar das minhas limitações.
Posso sorrir e sei que meu sorriso não carregará uma inverdade, quando digo que Deus é Perfeito.
Posso sorrir e sei que não será vã a minha confissão.
Eu posso sorrir.
Deus, eu posso sorrir, sei que estou aprendendo...