sábado, 16 de outubro de 2010

Foi Ontem...

Ontem se comemorou o dia dos professores...

Estava visitando uma obra num condomínio aqui em Uberlândia quando me lembrei de uma aula de paisagismo que tive com o professor Ricardo.

Infelizmente soube que este professor faleceu no dia 12 de outubro em decorrência de complicações em uma cirurgia.

Mas, certamente as memórias desse professor e de suas aulas nunca morrerão em seus alunos.

Olhando para o projeto paisagístico do condomínio me lembrei do entusiasmo daquele professor nos conduzindo por um passeio no campus e nos apresentando as espécies de árvores e arbustos... Muitas delas plantadas por ele.

Ele falava com uma entonação eufórica o nome das espécies em latim depois traduzia com seu sorriso maroto como se tivesse apresentando um ente querido.

Seu amor e dedicação pela profissão foram alem do exercício de sua atividade.

É impossível não deslumbrar com a paisagem dos ipês floridos na avenida principal do bairro. Ele plantou muitos deles cuidando de escolher bem as cores e a localização: próximos às entradas da Universidade.

Bom, esse é um exemplo de um único professor, mas quantos não têm marcado as nossas vidas no decorrer do tempo?

Recentemente escrevi um e-mail de agradecimento aos meus professores da faculdade e me alegrei em receber respostas.

Eles foram parte muito importante na minha formação profissional.

São muitas vezes desvalorizados, mas sem eles como existiriam alunos!

Agradeço aos professores e mestres que contribuem para nosso crescimento pessoal e intelectual.

Eles são parte de nossas vidas na realização de sonhos e superações!

Dia 15 de outubro é apenas um dia do ano... Enquanto nossos professores merecem muito mais todos os dias.

Parabéns a todos que escolheram a profissão, vocês merecem todo o reconhecimento de seus trabalhos!

quinta-feira, 14 de outubro de 2010

Registrando...

... E todos passaram pela porta de esperança... ou devo dizer cápsula?
Acabo de acompanhar o término da operação de resgate dos mineiros do Chile.
Final feliz, graças a Deus!


terça-feira, 12 de outubro de 2010

Crianças...

Todo dia é dia

Aplica o teu coração à instrução e os teus ouvidos às palavras do conhecimento.

Não retires a disciplina da criança; pois se a fustigares com a vara, nem por isso morrerá.

Tu a fustigarás com a vara, e livrarás a sua alma do inferno.

Filho meu, se o teu coração for sábio, alegrar-se-á o meu coração, sim, o meu próprio.

E exultarão os meus rins, quando os teus lábios falarem coisas retas.

O teu coração não inveje os pecadores; antes permanece no temor do SENHOR todo dia.

Porque certamente acabará bem; não será malograda a tua esperança.

Ouve tu, filho meu, e sê sábio, e dirige no caminho o teu coração.

Provérbios 23:12-19


domingo, 10 de outubro de 2010

"Músicas e Músicas"

Hoje pela manhã estive ouvindo rádio (contra a minha vontade) e inevitavelmente observei algo muito triste em relação às músicas denominadas “evangélicas”.

Aliás, esta minha observação não começou hoje, mas é de muito tempo atrás.

A música “evangélica” tem se tornado um recurso de auto-ajuda para o “povo cristão”.

Você escuta por aí pessoas cantando sobre tudo que Deus pode fazer por você.

As músicas falam sobre ser abençoado, curado, vitorioso. Falam de conquista e de auto-estima.

Não discordo que todas estas coisas devam fazer parte da vida daqueles que buscam a Deus em primeiro lugar, mas percebo que a música mudou o foco.

Eu aprendi que a música cristã é um instrumento de louvor a Deus.

A melodia, os acordes, as harmonias são para auxílios às letras que nasciam no coração de um adorador.

Não é difícil perceber a diferença.

Tem algumas músicas que te fazem sentir “o cara”. Você se acha um herói. É isso que a letra diz. Nesse caso não vejo nenhuma manifestação de Deus. Até parece que ele ficou de fora desse seu momento.

Porém outras músicas te fazem sentir um pecador, necessitado da graça de Deus. Você percebe o quanto é pequeno e dependente do amor de Cristo.

A diferença é que nesse momento você pode sentir Deus se aproximando, te pegando pela mão e te fazendo reconhecer que ele pode te ajudar. Ele se manifesta através do louvor!

E suas lágrimas causadas pela letra penetrante da música se transformam em alegria e o fardo pesado se dissipa.

E o segundo estado do seu espírito é melhor do que o primeiro.

Como está escrito em Jó 41:22: “... diante dele até a tristeza salta de prazer.”

Tem muita música bonita, é verdade.

Tem muita música que te inspira e faz a fé crescer dentro de você, não discordo.

Porém é algo a se pensar.

Que tipo de música tem-se cantado em nossas igrejas?

Elas são para Deus? São ofertas de louvor? Exaltam ao Senhor? Falam de sua santidade? Falam do abençoador ou apenas das bênçãos?

Vamos à igreja para obter auto-ajuda ou vamos adorar a Deus?

Lembre-se que é possível adorar a Deus mesmo na sua necessidade.

Veja estes exemplos: Mt. 15:25; Mt 8:2; Mt 9:18

Estas passagens mostram pessoas necessitadas que chegaram a Jesus e o adoraram:

(a mulher Cananéia, o leproso e Jairo)

Havia uma necessidade da parte deles que não tomou o lugar da adoração. Você pode entender essas palavras?

Na primeira passagem a mulher Cananéia tinha uma filha endemoninhada,na segunda era o leproso quem precisava de cura e na terceira Jairo havia acabado de perder a sua filha.

Gosto da maneira como está descrito estes fatos.

Os três se aproximaram de Jesus e o adoraram clamando por socorro.Não faltou a adoração mesmo nos seus clamores.

Podemos cantar uma diversidade de músicas na alegria, na necessidade, na gratidão ou na aflição e em todas elas expressarmos nossa adoração a quem é digno, Jesus, o nosso Senhor!

Tenha uma bom domingo!