domingo, 4 de dezembro de 2016

Esperança por favor, não morra!

Dezembro está aí anunciando o fim de mais um ano. Passou rápido? Foi bom ou ruim? Coisas boas para recordar ou ruins para esquecer?
Começo a ficar mais reflexiva a partir do final de setembro. A introspecção é mais acentuada pela aproximação do meu aniversário que se dá em novembro. Novembro é mês festivo para mim. Comemoro sempre que posso, mas, ao final, chega dezembro e aí a mente se torna novamente reflexiva. É um turbilhão de pensamentos que ocupa a minha mente. 
Talvez com você aconteça o mesmo. O que fiz ou deixei de fazer? O que alcancei e o que deixei passar? O que fiz de bom ou útil para o próximo ou deixei de fazer? Quais foram meus ganhos e o que perdi? 
O que é certo é que eu tento renovar minhas esperanças. Sei que é difícil ter esperança num momento tão crítico que temos vivido aqui no Brasil (e fora do país não é diferente). Quantas atrocidades acontecendo. Que momento politico econômico e moral temos vivido! É possível ter esperança de um tempo melhor? É possível esperar que o ano seguinte nos traga boas novas? 
Estas incertezas podem nos fazer adoecer e entristecer. Como está escrito em Provérbios 13:12 “A esperança que se retarda deixa o coração doente”. Mas, é possível renovar a esperança. Como? Recordando! Trazendo à memoria o que pode trazer esperança como fez o profeta Jeremias em Lamentações 3,21 “Torno a trazer isso à mente, portanto tenho esperança.” E o que renovava a esperança do profeta? O fato de saber que as misericórdias do Senhor são novas a cada manhã. Quer coisa melhor que isso?
Você pode se sentir como que numa embarcação em alto mar indo a pique, com desesperança. Se você se sente assim ao final de 2016, tenho uma boa palavra para você. Sua embarcação pode ser sustentada com uma âncora firme e segura. Sabe de qual âncora estou dizendo? Estou dizendo a respeito da âncora da alma que é a esperança na palavra de Deus conforme Hebreus 6. Ele tem nos assegurado vida eterna e sua palavra é fiel e não falha! Ele prometeu e fez juramento por si mesmo tornando ainda mais valiosa a sua promessa. Ele é imutável. 
Sei que se eu colocar minha esperança nos homens, na politica, na economia, na educação, na moral com certeza minha esperança me fará adoecer. Ela deixará triste o meu coração. Mas, eu posso lançar âncora, assegurar que minha vida não irá a pique, firmando minha esperança em Deus. Ele não deixará minha esperança morrer! 
“Porque sou eu que conheço os planos que tenho para vocês", diz o Senhor, "planos de fazê-los prosperar e não de lhes causar dano, planos de dar-lhes esperança e um futuro.” 
Jeremias 29:11

sexta-feira, 2 de dezembro de 2016

Bon Voyage!

Fazemos diversas comparações na intenção de compreender idéias semelhantes e usualmente recorremos a ‘viagens’ para falar de vida.
É uma boa comparação e nos leva a questões como: objetivos, planejamento, referências, intenções e claro, bagagem.
Não é comum sairmos de casa para uma viagem sem estabelecer estas coisas. Qual o objetivo da viagem? Para onde desejamos ir? Qual será o nosso trajeto? De que maneira faremos a viagem? Com que tipo de transporte? Com quem iremos? Quais são os pontos de referência? A que sinalizações precisamos nos atentar? Quanto tempo ficaremos fora? E... O que levaremos na bagagem?
Essas perguntas podem ser aplicadas à vida em todo o tempo.
-  Se não temos a compreensão de nossos objetivos não sairemos do lugar.
- Somos expostos a vários caminhos, muitos deles são atalhos. Compreendendo nossos objetivos poderemos seguir sem distrações, ainda que seja de difícil acesso nos levará ao destino.
- Alguns optam por serem conduzidos, outros optam por conduzir. Existe uma grande diferença. Na condição de condutores temos que nos certificar que nada atrapalhe nossa visão. Precisamos estar em boas condições físicas e mentais para seguir nossa viagem e para isso precisaremos ora abrir mão de alguma coisa ora não abrir mão de outras coisas.
- Nada é tão frustrante para um viajante do que não ter referências. Saber o destino é importante e as referências nos posicionam quanto ao caminho. Elas nos ajudarão compreender se estamos atingindo os nossos objetivos.
- As vias por onde trafegamos dão indicações importantes. Precisamos nos atentar para o que elas estão indicando. É ruim ser pego de surpresa. Curvas sinuosas podem estar logo à frente.
- Viajar acompanhado é muitas vezes melhor que sozinho. Mas, alguns conseguem fazer a viagem ser um verdadeiro martírio. Quem você vai levar consigo? A companhia é importante, se não fosse talvez nunca tivéssemos o conhecimento daquele ditado: “Antes só que mal acompanhado”. Não tem que ser assim, só precisamos saber escolher nossas companhias.
- “O tempo é ouro” e claro ninguém é tolo de jogar ouro aos porcos. Nossa viagem sempre demanda tempo e precisamos saber aproveitá-lo.
- Finalmente, não se sai para uma viagem sem uma bagagem. O que vamos colocar nela? O que precisaremos usar? O que se tornará peso e nos impedirá de aproveitar 100% nossa viagem? Já dizia certo autor: “precisamos aliviar a bagagem”. Alguém discorda?
Que tal tirar um tempo para pensar no que este texto nos diz?
Enfim teremos uma pergunta para responder: O que mais gostamos na viagem?
A resposta pode ser muito positiva se todos esses aspectos forem observados.

Então: Bon Voyage!
_________________
Caro leitor, 
resolvi vasculhar meus arquivos de reflexões e postar novamente alguns textos. Certamente você vai ser edificado com as palavras aqui expostas mesmo que em algum momento você já as tenha lido.

terça-feira, 29 de novembro de 2016

Vasculhando os arquivos

José e Neemias - Sonhador ou Empreendedor?

José é referência de um sonhador e Neemias de um líder.
A razão de pensar nesses homens é que tenho estudado sobre empreendedorismo.
Limitar José a um sonhador é anular suas características de empreendedor e falar apenas das características de líder de Neemias é deixar passar batido os sonhos impressionantes que esse homem teve.
José não se deixou abater pelos desafios. Ele aproveitou as oportunidades que teve para explorar seu talento administrativo. Ele foi um homem apaixonado por sua visão e mesmo em prisão conseguiu impactar as pessoas ao seu redor mantendo abertas as portas das oportunidades. Ele tinha um plano de ação muito antes de chegar à altura de usá-lo e não teve medo de assumir riscos. Acreditava em si mesmo e em Deus para encarar os desafios proposto.
E Neemias?
O cara foi demais!
Ele tinha compreensão do que se propôs fazer. Energia para agir. Paixão pela visão. Era bem resolvido. Seu plano de ação foi totalmente ousado, resistente e abrangente.
Ele sonhou com uma cidade protegida. Sonhou com a restauração do culto. 
O mais importante de tudo que ele intentou fazer é que ele fez. Encarou desafios e não se deixou vencer pelos importunos. Estendeu o benefício de sua realização a Jerusalém. Conseguiu atrair seguidores que comprometidos pela obra através da paixão por sua visão. Ele foi sensacional.
Já ouvi muitas vezes que o lugar que mais concentra sonhadores é o cemitério. Ali são enterrados vários sonhos que não se realizaram. Sonhos provavelmente com alto potencial para revolucionar o mundo. Mas, ser apenas um sonhador não muda muita coisa. É preciso ser empreendedor. É preciso se aventurar à realização de coisas difíceis ou fora do comum.
E então? Você é um sonhador ou um empreendedor?
_________________
Caro leitor, 
resolvi vasculhar meus arquivos de reflexões e postar novamente alguns textos. Certamente você vai ser edificado com as palavras aqui expostas mesmo que em algum momento você já as tenha lido.

quarta-feira, 2 de novembro de 2016

Meus fios de cabelo branco

Alguém me disse que eu precisava pintar o cabelo. Sorri educadamente. Pintar para tampar os cabelos brancos que insistem em aparecer? Por quê? 
Não sou mais uma mocinha de 16 anos. Não. Tenho marcas de expressão. Tenho rugas nos cantos dos olhos. Não tenho um corpo escultural. Estou acima do meu peso ideal. Ah, sim... Tenho muitos fios de cabelos brancos.
Quando eu era criança e ouvia de um adulto a sua idade ficava surpresa. Como pode alguém chegar aos seus 30 e poucos anos? Credo! Que eternidade! 
Era o que eu pensava com a mentalidade de uma criança. O tempo, o envelhecimento; tudo parecia acontecer de forma muito diferente. 
O tempo passou. As mudanças chegaram para mim. Por que eu deveria fugir?
Pintar o cabelo, usar maquiagem, fazer botox, enfrentar uma lipoaspiração, que tal uma lipoescultura?  Existem muitos recursos de “beleza” para disfarçar as marcas do tempo (ou do descuido se quiser interpretar assim). 
Qual o problema de assumir a idade? Qual o problema de assumir a imagem? Quem define o que você é são os recursos que usa?
A beleza não precisa de recursos artificiais. O cabelo pode ser bonito com seus fios brancos. O rosto pode exibir um sorriso marcado e mesmo assim ser encantador, sincero. O corpo pode se mover de forma graciosa e elegante mesmo fora do padrão estético. 
A vida seria monótona se não apresentasse mudanças. 
O bebe tem a sua graça mesmo sem dentes e ninguém espera que seja diferente.
O jovem tem a sua rebeldia e suas descobertas.
O adulto vai trilhando pela vida colhendo frutos dos seus esforços.
Os velhos seguem o caminho observando a estrada e suas mudanças.
A vida é linda. Desafiadora. Encantadora. Cheia de curvas às vezes sinuosas.
O que é um fio de cabelo branco diante de tudo isso? Faz parte do ciclo. Está tudo certo!
Os fios de cabelo brancos são rebeldes. Eles insistem em aparecer. Estão lá não importa como me penteio. E estarão enquanto eu existir. Não se preocupe se você os vir. Eu estou bem. 
Não me surpreende a imagem que vejo no espelho. Eu a conheço. Eu a vi se desenvolver. Reconheço-me no reflexo que vejo. Sei quem sou. Sei onde quero chegar.
Vamos nessa, a vida é curta e cabelo branco não é nem de longe uma preocupação que valha a pena. 

segunda-feira, 24 de outubro de 2016

Apenas uma palavra!

Certa vez um centurião romano foi ter com Jesus para pedi-lo que curasse um dos seus servos. Jesus logo se dispôs a acompanha-lo até sua casa para curar o enfermo. Porém, o centurião o interrompeu dizendo: “Senhor, não sou digno de que entres debaixo do meu telhado, mas dize somente uma palavra, e o meu criado há de sarar”. (Mateus 8:8)
A fé do centurião nas palavras de Jesus rendeu-lhe elogios e obviamente a cura do seu criado.
Uma palavra. É tudo que precisamos hoje. 
Uma palavra do nosso Deus e toda a nossa vida estará segura. 
Basta uma palavra de Deus para a fé ser renovada.
Basta uma palavra de Deus para alimentar a alma.
Basta uma palavra de Deus para que tudo se aquiete dentro de nós.
Ora, a palavra de Deus é viva e eficaz! 
“Porque a palavra de Deus é viva e eficaz, e mais penetrante do que espada alguma de dois gumes, e penetra até à divisão da alma e do espírito, e das juntas e medulas, e é apta para discernir os pensamentos e intenções do coração”. (Hebreus 4:12)
Ela é viva. Está sempre em movimento desde o Gênesis, quando todas as coisas foram criadas e permanece em movimento hoje sustentando todas as coisas.
Ela é eficaz, produz efeito. “Porque assim como os céus são mais altos do que a terra, assim são os meus caminhos mais altos do que os vossos caminhos, e os meus pensamentos mais altos do que os vossos pensamentos. Porque, assim como desce a chuva e a neve dos céus, e para lá não tornam, mas regam a terra, e a fazem produzir, e brotar, e dar semente ao semeador, e pão ao que come, Assim será a minha palavra, que sair da minha boca; ela não voltará para mim vazia, antes fará o que me apraz, e prosperará naquilo para que a enviei”. (Isaías 55:9-11)
A palavra de Deus é pura. (Salmos 33:4)
A palavra de Deus é integra (Isaias 45:23)
A palavra de Deus é apta para ensinar, corrigir, instruir... (2 Timóteo 3:16)
A palavra de Deus não volta atrás (Isaias 40:8)
Sim, a palavra de Deus é tudo que você precisa. 
Ouça a palavra de Deus como alguém que aprende. Ouça a palavra de Deus como um discípulo (Isaias 50:4)
Leia a bíblia com atenção. Busque nela inspiração para seguir adiante. Ela tem efeito hoje se você se dispor a recebe-la em seu coração.
A bíblia é um dos livros mais antigos do mundo, um dos livros mais lidos em todo o mundo e que mais tem efeito sobre o ser humano. Você vai deixar de lado este livro que pode te alimentar hoje? Lá está a palavra que você precisa para ser feliz. Leia a bíblia!

quinta-feira, 6 de outubro de 2016

Você também pode!

Não sei dizer quando e como aconteceu, só sei que me apaixonei. Sim, ele me conquistou de cheio. Macaron o nome dele. Doce francês! Aquela forma arredondada e aquele colorido vivo me encantaram. Teria ido à França para experimentá-lo se fosse assim tão fácil, mas não, a coisa não funciona bem assim. Procurei por ele e o encontrei. Era doce saboroso e diferente de tudo que já havia experimentado. A casquinha crocante e o recheio macio me surpreenderam e o sabor da farinha de amêndoa me deixou impressionada. Só experimenta-lo não era suficiente, eu tinha que tentar reproduzi-lo. 
Não tenho uma cozinha profissional (aliás, eu não tenho uma cozinha para chamar de minha), não sou formada em gastronomia, nunca cursei um curso de confeitaria, mas eu sempre tive muita curiosidade. Muita curiosidade talvez seja pouco para expressar meu nível de curiosidade. 
Hoje é muito fácil fazer pesquisa. Basta googlar sobre qualquer assunto e pronto. A informação está diante dos olhos. (Que facilidade a internet nos trouxe!) Após assistir vários vídeos eu fui à luta. Havia chegado o momento de colocar a mão na massa como eu gosto de fazer. 
Apesar da dificuldade de adquirir os ingredientes fiz o primeiro de muitos testes. Precisava acertar. Não sei quantas vezes repeti os processos. Com as várias tentativas adquiri alguns utensílios de cozinha como tapetes de silicone e balança digital. Pesquisei por papeis para utilizar em assadeiras. Descobri o papel antiaderente. Super funcional! Testei vários tipos de corante. Investi tempo, material e estudo para tentar reproduzir o macaron. Obsessão? 
Eu prefiro dizer que sou persistente. Encarei como desafio conseguir fazer macaron. Aliás, esta não foi a primeira vez que fui desafiada na cozinha. Sempre sou. Minha curiosidade me faz querer aprender coisas novas a todo o momento seja receitas, seja outros assuntos.  Coleciono vários erros e alguns gratificantes acertos. O macaron me desafiou e posso dizer que venci o desafio. 
O que é um docinho francês diante dos vários desafios que a vida nos revela? 
Quer saber? É só uma demonstração que eu posso superar desafios. 
Preciso responder diariamente quanto tempo, material e estudo eu estou disposta a investir para superar os desafios da vida. 
Certamente você também tem um desafio a vencer. Tome como exemplo a história que você acaba de ler. É possível superar o desafio. Levante-se! Vá à luta. Invista tempo, estudo e tudo que tiver à mão, só não fique parado. Você pode!