Pular para o conteúdo principal

Postagens

Um recurso superior

Lembro-me de uma noite quando estávamos para dormir e minha irmã mais velha, que dividia o quarto comigo, começou a chorar de medo. Morávamos rodeados por terrenos baldios. Ela dizia ter ouvido barulhos e se recusava a dormir. Então meu pai se levantou, foi até ao nosso quarto, pegou minha irmã pela mão e a levou para fora de casa na direção de onde ela supostamente havia escutado o barulho. Meu pai sabia que não tinha nada de errado lá fora e queria provar para minha irmã que aquele medo era sem razão. Era sempre assim, ele nos incentivava a encarar o medo, num parque de diversões a encarar uma ‘montanha russa’ ou no mar a encarar as ondas ou numa mureta a pular nos braços dele. Crescemos desafiados a encarar o medo e a não nos rendermos à primeira dificuldade. Minha mãe nos ensinou a encarar os desafios emocionais. Ela literalmente nos ensinou como “engolir o choro”. E quando a situação ultrapassava os recursos humanos ele e minha mãe não deixavam de nos incentivar. Eles nos apresentaram um recu…
Postagens recentes

Ponderações necessárias

Um dos primeiros textos ‘reflexivos’ que escrevi, espontaneamente, teve como título “Castelos
de areia”. Lembro-me de ter sentado na calçada da minha casa com um caderno na mão e
muito pensamento fluindo pela minha mente.
Eu havia passado por uma grande desilusão. Lembrei-me de quando brincava em montes de
areia e das minhas primeiras vezes visitando o mar. Estava emocionalmente abalada, porém,
minhas ideias estavam amadurecendo. Comparei minha situação a um castelo de areia. (Por
algum tempo, meus pais trabalharam com material de construção e mantiveram um deposito
de areia). Quando tinha a oportunidade de ir ao deposito eu não perdia a chance de brincar.
Passava horas acrescentando detalhes ao meu ‘castelo’ e por fim tudo o que eu havia
construído se desfazia. Da mesma forma acontecia quando brincava na areia da praia, com o
acréscimo das ondas do mar a derrubar minha construção.
Eu associei minha desilusão a esta imagem. Um castelo de areia se desfazendo. Havia sonhado
com uma situ…

Não tenho o sino como opção

Havia chegado novamente a ocasião de passar minhas roupas. Não gosto muito desta atividade e para amenizar o tédio sempre coloco mensagens ou músicas para ouvir. E naquele dia fiz o mesmo processo. Armei a banca de passar e programei uma pregação no computador. Escolhi ouvir o pregador Elias Limones. Ele é pastor de uma igreja na Califórnia nos EUA e ministra cultos em espanhol e inglês. Amo espanhol e a ‘predicacion’ escolhida tinha como tema: ‘Eliminando la opción de retroceder’. A ilustração usada para o desenvolvimento da mensagem foi a história contada no livro “O único sobrevivente” de Marcus Luttrell. Ele tem uma narrativa bastante intensa sobre os SEALs (são os soldados mais bem treinados dos EUA). Eu já tive a oportunidade de ler o livro e também já tinha escutado outra mensagem com base na sua narrativa.  Segui passando minhas roupas enquanto o pregador desenvolvia sua mensagem. Estava ficando interessante e eu sabia onde ia chegar. Não é preciso dizer que meu tédio passou ra…

Mensagem de fim de ano - Especial para você!

Enfim, dezembro chegou e já se passaram vinte e tantos dias. Mais um ano chega ao seu fim trazendo a retrospectiva de nossas ações. O que fizemos de bom que ficará em nossa memória e o que preferiremos esquecer? Atingimos nossas metas e quais delas estarão outra vez em nossa lista para o próximo ano? É inevitável! Esses questionamentos sempre nos acompanharão. Faz parte da vida. E por falar em vida quantos “adeus” tivemos que dar? Quantas despedidas fizeram parte deste ano? Choro, sorrisos, tristezas e alegrias dor e afagos... Passou. Afinal, você conhece o dizer. Até a uva... Tudo passa! Agora é hora. Hora de recomeçar. Novo ano novas ações. Novos objetivos. O passado não volta (nem para o bem nem para o mal). É tempo de reescrever nossa história. Há muito para se fazer. Tudo bem fazer lista, estabelecer metas, traçar objetivos. Por que não despertar sonhos adormecidos? Façamos isso! Descobriremos que a vida fica muito mais interessante quando há desafios para se transpor. Que não nos …

Um breve recado

Olá!  É sua primeira visita a este blog? Seja bem-vindo(a)! Aqui você encontrará várias mensagens reflexivas.  Espero que de alguma forma você seja tocado(a) com as palavras que ler.  Para facilitar sua leitura, digite uma palavra no campo de pesquisa e encontre um texto com o assunto de seu interesse. Boa leitura!

Quando nos faltam recursos

Nossas necessidades enquanto humanos são classificadas em categorias: fisiológicas, segurança, sociais, auto-estima e autorealização. Abraham Maslow, psicólogo que estudou as necessidades do ser humano, as classificou como necessidades básicas.  Dependemos de vários recursos ao longo do caminho para suprir estas necessidades: alimentação, proteção, talento, habilidades, finanças, sentimentos, fé e outros. No decorrer da vida muito provavelmente, em algum momento, nos faltará algum destes recursos. Precisaremos de milagres, uma ação sobrenatural que venha ao nosso socorro. Isto porque quando o recurso humano falta só mesmo um efeito que escapa a razão humana pode nos ajudar! Se olharmos para bíblia sagrada, o livro que é nossa base de fé, encontraremos várias circunstancias em que faltaram os recursos humanos e entraram os recursos sobrenaturais provenientes de Deus.  Quando homens como Gideão e Jeremias foram chamados para uma missão, eles reconheceram que lhes faltavam recursos para cump…

Uma Breve Reflexão Sobre Padrão de Beleza

Frequentemente, ao abrir alguns sites, leio manchetes como: “Fulana” é vista de cara lavada e impressiona fãs ou “Beotrana” se diz feliz com novo corpo após engordar 10 kg e ainda “Sicrana” exibe celulites em dia de praia. Certamente as manchetes atrairão muitos para a leitura da “notícia” como se fosse algo muito fora do normal, mas qual é a importância destas manchetes?  Cresci ouvindo questionamentos a respeito da minha aparência e do meu modo de vestir. Ouvi centenas de vezes pessoas me perguntando se a igreja me obrigava a me vestir como me visto. Para muitos a igreja me aprisiona com usos e costumes. Fico me perguntando o que é o padrão de beleza imposto pela sociedade? Por que uma mulher que se apresenta sem maquiagem vira notícia?  Ou por que uma celebridade que de repente muda sua maneira de vestir para uma forma mais modesta vai parar numa seção específica de jornal? E ainda, por que uma mulher que abandonou o corpo sarado precisa se auto afirmar, fazer um ensaio fotográfico e se …