domingo, 8 de agosto de 2010

E o Fogo Lambeu a Água

Gosto de observar a multiforme graça de Deus.

Em toda a bíblia podemos ler a respeito de estratégias pouco convencionais que Ele usou para livrar seu povo.

Em uma batalha o sol e a lua pararam para que Israel pudesse lutar com vantagem sobre seu inimigo, em outra o grito e assombro foram as estratégias para conquista, outra Israel precisou apenas se colocar de pé para ver o livramento do Senhor e assim por diante. Cada batalha uma nova estratégia vinda da parte de Deus para livramento de seu povo.

Aprecio a inspiração divina. Ele confunde os sábios com sua sabedoria e desarma os poderes das trevas com o simples sopro de sua boca. Quem é Deus como o nosso Deus?

O interessante nessas histórias é perceber a sintonia que os homens e mulheres tinham com Deus. Eles sabiam que de Deus não se zomba e que cada peleja que enfrentavam estavam amparados por sua palavra.

Sendo assim quando leio a história de Elias me maravilho. Ele desafiou os profetas de Baal a colocar a prova de quem era Deus, se Baal ou o Senhor de Israel. Elias conhecia a Deus e seu mandamento. No seu coração ecoava a lei: “Ouve ó Israel: o Senhor nosso Deus é o único Senhor.”

Então no monte Carmelo foi travado este duelo. Quem sairia vencendo? Baal? Ou o Senhor de Israel? Quem era o Deus que podia responder com fogo? Houve ali no monte o primeiro culto. Cheio de grito e desespero da parte dos profetas de Baal. O novilho estava sobre a lenha esperando a resposta de Deus. As horas se passaram e nada de fogo sobre o altar. Os profetas saltavam se retalhavam com facas, derramavam sangue, profetizavam e ofereciam à Baal um culto como de costume. Eles deram tudo de si, mas o fogo não veio.

A tarde se aproximou e Elias se cansou daquele espetáculo horrendo. Chegara o seu momento de clamar ao seu Deus.

Conhecemos a história. Sabemos que ele consertou o altar do Senhor que estava em ruínas.

Mas, o que mais chama a minha atenção é que ele esperava uma resposta com fogo, no entanto fez um rego em redor do altar e o encheu de água. A água correu ao redor do altar e encheu o rego também. E até uma criança sabe que por mais forte que o fogo seja ele se apagará em contato com a água. Elias, porém estava convicto que Deus responderia sua oração para provar a Israel que ainda era Deus e aos profetas de Baal que somente ele poderia responder àquele desafio.

Elias orou e caiu fogo do Senhor, e consumiu o holocausto, a lenha, as pedras, e o pó. Legal! Aquele fogo realmente veio de Deus. O seu calor era impressionante. Sua luz possivelmente tenha sido maravilhosa, mas... O que aconteceu com o fogo ao entrar em contato com a água? Deveria se apagar em qualquer outra circunstância, mas não diante de Deus. Diante do Deus de Israel o fogo lambeu a água.

Imagino o espanto de todos ao ver o confronto destes elementos naturais. O fogo consumindo a água quando naturalmente (em outra situação) a água apagaria o fogo.

Água e fogo. Dois elementos que representam grandes verdades bíblicas. O caminho da salvação de todos os homens passa por eles. O batismo em água... E o batismo no fogo.

João Batista disse: Eu vos batizo com água, para arrependimento. Mas após mim vem aquele que é mais poderoso do que eu, cujas sandálias não sou digno de levar. Ele vos batizará com o Espírito Santo e com fogo.

Temos passado pelo batismo das águas? Muito bom!

Precisamos passar também pelo batismo no fogo do Espírito Santo!Esse é o poder de Deus.

Muitas igrejas e denominações estão aí oferecendo todo tipo de culto para todos os gostos e tribos. Tem igreja e religião de diferentes filosofias para todos.

Mas, só tem um Deus que responde com fogo e consome a água.

Ele é o mesmo ontem, hoje e será eternamente.

Seu nome é Jesus!

Nenhum comentário: