sexta-feira, 25 de novembro de 2011

Leitura do mês

De agosto a outubro vi minha meta de leitura do mês concorrendo com o processo de publicação do meu primeiro livro. Apesar disso cumpri meu objetivo. Ainda que não seja um grande feito, posso dizer que realizei algo que propus para este ano e isso me traz satisfação.
E você? Tem resultados dos planejamentos para este ano?
Você pôde ler nas postagens anteriores as dicas de leitura referente a esses meses e aqui estão os dois livros que li neste mês:

Dias melhores virão – Max Lucado
(me surpreendi por ter lido mais livros desse autor do que de John Maxwell neste ano.)
Nesse livro o autor tenta responder aquelas perguntas chave que sempre aparecem nas horas impróprias da vida. Perguntas que nos deixam sem respostas imediatas, mas que sempre foram simples de responder da perspectiva divina. Deus sempre esteve está e estará no controle ainda que aos nossos olhos limitados ele deixe algo a desejar. Dias melhores virão é um livro que aponta para um caminho de esperança e fé. Vale a leitura.

O clamor de Mordecai – Robert Stearns
Nesse livro o autor faz uma análise da história de Ester e compara a situação do povo judeu daquela época com a atual situação dos judeus e cristãos pelo mundo afora.
Um livro muito interessante. Tem como objetivo alertar a igreja para que saia do comodismo moderno a favor das nações que sofrem perseguições.
O livro passaria despercebido por qualquer que não demonstra um interesse especial pela história judaica, porém é uma ótima opção de leitura para os apaixonados por essa nação tão especial. (obrigada Sabrina e Lucas pelo presente!)

Então é isso caro leitor.
Chego ao penúltimo mês de 2011 tendo batido minha meta de leitura para este ano (mas não paro por aqui) e alem disso... Com meu primeiro livro publicado.
Já adquiriu o seu exemplar? Envie-me um e-mail e peça o seu. O valor do livro é R$20,00.
Boa leitura!

quarta-feira, 23 de novembro de 2011

Contos modernos


No inicio do ano questionei a um grupo de jovens: “- Quem é você?”
Obviamente essa pergunta não é do tipo que se obtém uma resposta rápida.
Aproximando o final do ano julgo que ainda muitos daquele grupo não conseguiram responder a minha indagação.
Infelizmente o mundo virtual nos deixou ainda mais distantes de quem somos de fato.
Muitos jovens preenchem perfis na internet constantemente e neles existem várias questões de múltiplas escolhas sobre personalidade e outros temas.
Não é necessário pensar para responder, muito menos a veracidade das informações serão verificadas.
No antigo conto de fadas a personagem perguntava-se diante de um espelho: - Espelho, espelho meu... há alguém mais bela do que eu? (Pergunta de quem está segura de sua estima...)
Porém no mundo virtual cujos jovens são maioria, as perguntas que se fazem são outras.
Como preencher o meu perfil? O que vou dizer que sou? Qual será a minha aparência aqui? Qual idade vou dizer que tenho? Qual a atividade que chamará a atenção? Qual foto “photoshopada” dá noção meu melhor ângulo?
Um conto moderno em que muitos perdem suas identidades. Não conseguem se descrever. Não amadurecem. Não têm opiniões próprias...
Quem é você?
Felizmente não é regra. Alguns percebem esse dualismo de mundos e conseguem se desvincular da virtualidade e responder a pergunta de maneira que chegam ao amadurecimento, realizam grandes feitos e projetam com inteligência o futuro. Espero que você seja um destes.