quinta-feira, 28 de fevereiro de 2013

Graças a Deus pelos pastores

Há uma passagem interessante na bíblia sagrada a respeito do assunto: ocupação / profissão. Refiro-me ao cap. 46 de Gênesis quando Jacó é instruído por José a apresentar-se à Faraó dizendo sua profissão sem titubear. Jacó e seus filhos eram pastores que se ocupavam em apascentar gado e esta profissão era abominação para os egípcios. Interessante que José sabendo disso não quis que Jacó seu pai negasse sua profissão para obter vantagem, mas enfatizasse e tivesse honra confirmando ser o que sempre foi: um pastor. José tinha o favor de faraó e assim seu pai e irmãos se instalaram em Gósen, o melhor da terra do Egito.
Fiquei muito emocionada quando o bispo Jonathan Alvear ao homenagear minha irmã Miriam no culto de ação de graça pela formatura, mencionou sua observação sobre a cerimonia de formatura realizada na noite anterior. Ele disse que ao olhar para o salão onde acontecia o evento o que chamou sua atenção foi que nas mesas reservadas para os convidados da minha irmã havia seis pastores (Bp. Jonathan Alvear, bp. Adan Alvear, pr. Gerson Alvear, pr. Baltazar de Souza, pr. Jefferson de Souza e pr. Adan Alvear). Apesar de mais de 90% dos formandos serem evangélicos não havia outro que fosse tão prestigiado com a presença de tantos pastores como ela.
Meu bisavô e avô materno foram pastores, meu pai, irmão e cunhado são pastores, sou sobrinha de pastor, estou no meio de pastores desde o nascimento e para mim é uma honra estar neste meio, embora para muitos esta ocupação não seja digna de respeito. Muitos ao ouvirem os escândalos que envolvem religião generalizam esta ocupação como corrupta, imoral e usurpadora. Porém eu sei que existem pastores que se dedicam a Deus, que se humilham diante dEle para serem instrumentos em suas mãos. São homens sinceros e dispostos ao trabalho na obra do Senhor. São “terapeutas”, são conselheiros, são mediadores, são “médicos”, “advogados”, são homens para toda a hora (principalmente dos dias ruins).
E... Pensando nesta ocupação me alegrei muito por todos os pastores que não o são apenas no nome, mas na honra, na verdade e na dedicação a Deus.
Quando estávamos nos despedindo do bispo Jonathan Alvear depois do jantar na segunda-feira oramos ao Senhor Jesus. Mais uma vez havia naquela reunião alguns pastores, quatro. Foram apresentados pedidos de oração. Foi um momento emocionante, havia uma unção de Deus naquele lugar. Embora houvesse problemas em nossa meio, necessidade de socorro do Senhor para nossas vidas, havia pastores! Homens de Deus que estão andando em obediência a Ele e a certeza de que nossa oração estava sendo recolhida por anjos...
Como é bom ter pastores em nossas vidas! Homens que não negam sua ocupação. Homens que não se deixam vencer pelas tribulações, mas perseveram na fé. E como disse Tiago no cap. 1 e verso 4 de seu livro, a perseverança deve ter ação completa a fim de que sejamos maduros e íntegros sem nos faltar coisa alguma.

segunda-feira, 25 de fevereiro de 2013