sexta-feira, 3 de setembro de 2010

9a Etapa do Meu Desafio de Leitura

Você provavelmente assistiu o filme "Desafiando os Gigantes".
Este foi um filme de muita visibilidade no meio cristão que me despertou a curiosidade.
Quem são as pessoas responsáveis por trás da produção?
Como pode um filme cristão se tornar internacionalmente conhecido e admirado em um tempo tão curto? (a estreia do filme se deu no dia 29 de setembro de 2006 nos Estados Unidos)
Como pode um filme cristão impactar pessoas de diversas culturas e meios sociais?
A história do filme instiga o espectador a sair do comodismo da fé, a buscar ser melhor em suas funções, a acreditar no impossível e a buscar honrar a Deus acima de qualquer circunstância.
O que estava por trás de toda essa reação provocada com o enredo?
Com todas estas curiosidades em mente me deparei com o livro:
"Prepare-se para a chuva" de Michael Catt.
O livro distribuído pela BV Books disponibiliza "a história de uma igreja que creu no Deus do impossível" (como diz o subtítulo da obra).
A frase que deu o título ao livro faz parte do filme e trata-se uma pequena história contada pelo personagem "Sr. Bridges" ao treinador de futebol, "Grand Taylor".
Assim como o filme o livro é uma boa indicação.

Quer participar desse meu desafio de leitura?
Faça como meu amigo Juan Alvear, deixe seu comentário e sua indicação.

quinta-feira, 2 de setembro de 2010

Uma Breve Oração de Sr. Fracis Drake

Incomoda-nos, ó Senhor,
quando estivermos satisfeitos com nós mesmos;
quando os nossos sonhos se realizarem porque
sonhamos muito pequeno,
quando chegamos em segurança porque navegamos
muito próximos à costa.
Incomoda-nos, ó Senhor,
quando com a abundância das coisas que possuímos,
perdemos a sede pelas Águas da Vida;
nos apaixonamos pela vida, paramos de
sonhar com a eternidade.
E em nosso esforço de construir uma nova terra,
temos permitido que a nossa visão do novo céu
desapareça.
Incomoda-nos, ó Senhor,
a desafiarmos mais corajosamente, a nos
aventurar em mares mais profundos,
onde as tempestades mostrarão o Seu domínio;
onde perdendo a vista da terra, encontraremos
as estrelas.
Pedimos para recusar o horizonte da nossa esperança,
e para nos inserir no futuro com força,
coragem, esperança e amor.

*extraído do livro "Prepare-se para a chuva".

quarta-feira, 1 de setembro de 2010

Por Causa do "Mailing"

[telefone toca]

- Alô!?

- Sra. (…)?

- Sou eu, pois não?

- Aqui quem fala é...

Ah, não! Tinha que ser uma ligação de Call Center?

Escuto com impaciência a pessoa do outro lado lendo apressadamente o script fornecido pela empresa.

- (Sra. ...)Devido ao seu bom relacionamento comercial a sra. ...

De onde surgiu essa idéia de “bom relacionamento comercial” e porque essa insistência de manter um script tão mecânico?

Imagino aqui com meus botões que um bom relacionamento comercial é aquele em que o cliente se torna “fiel” às empresas de seu interesse. Cria um vínculo comercial através de compras por crédito. Compra com muita freqüência e paga em dias suas faturas.

Dificilmente um cliente que não possui um crediário conseguirá estabelecer algum vínculo com empresas. Além do mais, compras à vista têm o respaldo de descontos, o que não agrada o empreendedor.

A leitura atropelada do script continua até que para meu alívio surge uma pausa.

Escuto a respiração ofegante da pessoa do outro lado da linha seguida de uma pergunta atrevida:

- (Sra. ...) O endereço de entrega do cartão é...

Epa! Espere aí! Agora vem o pior...

Tenho que vencer todos os argumentos descritos no script para me livrar de um produto que eu não quero e de uma ligação que eu não quis receber, tudo isso claro com muita educação afinal sou uma pessoa civilizada.

Pergunto pelo nome do funcionário (a essas alturas só conseguiria chamá-lo de senhor) e faço minha primeira tentativa de descartar a “extraordinária oferta”.

Dou minhas razões e novamente escuto argumentos lidos. Pareço ouvir um robô repetindo frases prontas.

Sei que do outro lado está um funcionário cumprindo com sua obrigação; tentando colocar o lema da empresa em atividade transformando suas ligações numa central de relacionamentos com clientes embora a única coisa que ele consegue fazer é me irritar.

Escuto. É a única coisa educada que posso fazer.

Ao final da leitura vem a pergunta:

- Alguma dúvida?

(- Sim! Quem foi que te passou meu telefone?)

Penso nessa opção de resposta, mas seria muita grosseria da minha parte.

Respiro fundo, respondo com educação e finalmente os argumentos acabam.

Despedimos-nos cordialmente na certeza de que em breve voltaremos a nos falar afinal meu nome e telefone consta no mailing da empresa.

terça-feira, 31 de agosto de 2010

Feriado em Uberlândia...


A cidade faz aniversário enquanto a gente tenta uns "strikes"...

segunda-feira, 30 de agosto de 2010

Oportunidade

"As oportunidades normalmente se apresentam disfarçadas de trabalho árduo e é por isso que muitos não as reconhecem." Ann Landers

Tenham todos uma boa semana!