sábado, 9 de maio de 2015

Mãe te admiro!

Dia 10 de maio, dia das mães. 
Sempre achei esse negócio de “dia de” um pouco complicado. Tudo bem que se convencionou homenagear uma pessoa num dia do calendário (com a ajudinha do mercado tudo fica muito mais fácil...). 
Não acho que o “dia de” seja algo para serem comemoradas em conjunto, afinal datas importantes são muito pessoais, mas tudo bem. Vou fazer minha parte nesta convenção.
Tenho uma mãe incrível. Ela é forte e eu a admiro! E, devo acrescentar que tem suas fraquezas também, afinal apesar de ser uma super mulher, não é uma personagem de HQ. 
Aliás, eu acho que mãe é uma criação tão extraordinária de um Deus extraordinário! A mulher pode ser a mais fraquinha que se possa imaginar, mas a partir do momento em que o resultado de sangue dá positivo para gravidez, de mulher fraquinha passa a ser mulher de uma força espetacular. 
Mães sabem tirar força da fraqueza... (Hebreus 11:34)
Elas podem estar totalmente desencorajadas e ainda assim encontram palavras para encorajar seus filhos.
Elas podem estar próximas à exaustão e ainda assim encontram ânimo para acalentar seus filhos.
Elas dormem pouco, trabalham muito (e na maioria das vezes não têm retorno nenhum), têm um coração enorme e um amor inigualável.
Elas são feras na defesa de seus filhos mesmo quando eles não merecem. Sempre acreditam...
Elas corrigem, repreendem com veemência mesmo que depois corram para longe para que seus filhos não as vejam chorando.
A minha mãe é assim. Minha irmã é assim e minha cunhada também... (minhas tias, primas e por aí vai – sabem como é...)
Um dia destes passei mal. Tive uma crise aguda de enxaqueca. Vomitei muito de dor. Meus pais me levaram para um posto de saúde para tomar medicamento na veia. Sabia que seria difícil, pois tenho problemas com agulha (se você é leitor antigo já leu algo sobre isso por aqui). Pedi para que minha mãe me acompanhasse, mas devido a minha idade não era permitido (eles não sabiam do que eu estava falando). Foi só colocar a agulha no meu braço para minha pressão despencar, minhas vistas começaram escurecer e eu ficar completamente pálida. Pedi que chamassem a minha mãe e fui atendida de pronto! 
Minha mãe chegou e eu pude sentir um pouco melhor. Não cheguei a desmaiar, graças a Deus, mas se acontecesse ela estava lá e eu podia confiar que tudo correria bem.
Minha mãe tem problema nos braços decorrente de uma cirurgia de emergência de longa data. Ela não consegue levantar os braços por muito tempo, mas ela segurou o soro no alto para me ajudar naquela ocasião... 
Sabe o que é isso? MÃE! Isso é mãe e é tudo. Não precisa explicação.
Minha irmã é outra mãe que admiro. Pensa numa mulher que nasceu para ser mãe. Ela é incrível. De todas as suas conquistas a maior foi gerar filhos. Ela me deu o primeiro sobrinho, e a primeira sobrinha. Ela está sempre me mostrando que apesar de todos os desafios de mãe, nada superara a grandeza do “ofício”. 
Minhas cunhadas também me mostram como é a transformação de uma simples mulher para uma mulher mãe, se derretem por seus filhos.
Aliás, preciso acrescentar que estas mães sempre encontram espaço para mais um (e outro, e outro e se pudessem... não teriam limite para filhos) kkkk
Com isso quero dizer que todas as mães, e em especial a minha, merecem os parabéns. Vocês são mulheres incríveis!
Mãe a senhora sabe que a admiro muito. Eu a amo e sei que a senhora me amou primeiro. Apesar de que eu não estava nos planos kkkk. Sou a rapa do tacho e sou feliz por tê-la como mãe. A senhora é 10! Dez é pouco. É 1000... Amo a senhora!
Parabéns minha maninha Miriam, te amo e te admiro como mãe. Parabéns cunhadas! 
Parabéns para todas as mamães!

segunda-feira, 4 de maio de 2015

Hospitalidade

Ontem conversando com uma tia comentava sobre como esta nova geração de casais são pouco receptivos... Falávamos sobre receber visitas em casa para uma visita cordial com um café, almoço ou jantar. São poucos os casais, recém-casados, que tem esta prática. Geralmente os que têm são aqueles que vieram de famílias que recebem visitas com alguma frequência.  Famílias que praticam a hospitalidade.  
Minha família sempre recebeu muitas visitas. Aprendi desde cedo a prática da hospitalidade. Reconheço que não sou nota 10 no assunto, mas não pretendo desistir de tentar. Meus irmãos são bons em “fazer sala”, bons de conversa, enquanto eu me dou melhor em cozinhar para as visitas. Gosto de servir a mesa. Cada um tem o seu papel. 
Muitas das visitas que recebemos são “visitas pastorais”. Algumas delas não estão em casa para um tempo de comunhão, mas para a gestão de conflitos. Outras estão em busca de conselhos e outros tipos de ajuda. Mas, quando a visita é para um tempo de comunhão é muito bom. Comemos, conversamos e nos divertimos ao redor da mesa. 
Pouco tempo atrás recebemos um primo em casa. Ele veio nos visitar com sua esposa. Almoçamos juntos naquele dia. O almoço acabou e a conversa fluiu. Trocamos muitas experiências cristãs. Ele nos contou as suas e nos contamos a ele as nossas. Foi um tempo muito gostoso de comunhão. Fomos edificados com os testemunhos e no compartilhar a nossa fé. 
Até hoje contamos o prazer daquela comunhão, este foi o resultado daquela visita. Somos edificados ao nos lembrarmos dos testemunhos de fé e com certeza, temos o desejo de repetir o convite para o almoço.
Como é bom sair de um lugar com a sensação de bem estar. Se pudermos oferecer isto a uma visita, faremos uma boa coisa!
Lembro-me de um homem que meu pai costumava visitar. Depois de uma enfermidade, ele ficou debilitado numa cama. Sempre minha família acompanhava meu pai naquelas visitas. Íamos para confortá-lo com oração, palavra da Deus e cânticos. As visitas ao “Anibrão”, como era chamado, não se encerravam enquanto ele não orava por nós. Ele dizia sempre: agora sou eu quem vai orar por vocês. Nós nos ajoelhávamos ao redor da cama dele e então recebíamos sua oração. Era confortante e me impactou.
Quando meu “tio Zé” ficou hospitalizado ele sempre recebia suas visitas com um largo sorriso. Mesmo com dores e muito debilitado, não lhe faltava forças e disposição para fazer alguém se sentir bem.
Que bom e agradável é que os irmãos vivam em união (Salmos 133:1). É um exercício que vale a pena. Se alguma vez não der certo, não anulará a possibilidade de gerar bem estar, comunhão e uma boa hospitalidade.
Faça um teste!

domingo, 3 de maio de 2015

Thank you!

Muito a agradecer ao meu Senhor Jesus! 

Thank You 
Just a little while longer I wanna pray
Can't get You off my soul came to say
Thank You Lord, just for loving me, alright
Many times I do forget
Every need that You have met
Oh thank You Lord, I know You're showing me
You are there when I am down and out
You're holding me, Your love is so amazing
Oh it changed me

CHORUS

Here I am with all I have
Raise my hands to worship You
I wanna say thank you, oh thank you
For everything, for who You are
You cover me, You touch my heart
I wanna say thank you

I could have died in my sin but You saved me
Didn't have any hope at all
You gave me peace divine, strength to carry on
I should have been the one to pay
But instead You took my place
Amazing grace, it's more than just a song
Even though I don't deserve Your love for me
You look beyond my flaws and You showed me mercy

CHORUS

PRE-CHORUS
I wanna say thank you for the sun
I wanna say thank you for the rain
Thank you is all that I can say
Thank you for the love You gave