quinta-feira, 25 de abril de 2013

Azeite, farinha, água e sal

Alguns dias atrás eu estive lendo e estudando sobre o ministério do profeta Eliseu. Ele foi aprendiz do profeta Elias e, assim como deve ser com cada um de nós, precisou ter suas próprias experiências com Deus. Sua história foi acompanhada de muitos acontecimentos miraculosos.
Enquanto estudava reparei que alguns elementos simbólicos sempre estiveram presentes em seus milagres. O Azeite, a farinha, água e sal.
Logo no cap. 2 do livro de 2Rs., depois que o profeta Elias já havia subido aos céus e Eliseu atravessado de volta o Jordão, surge uma situação interessante. Alguns homens comentam com o profeta a respeito da cidade onde habitavam. A cidade era boa, porém suas águas eram más e a terra estéril. Então Eliseu pede que lhe trouxessem sal, derrama o sal sobre as águas e profere palavras de bênçãos. As águas ficam sãs conforme a palavra do profeta.
Mais à frente outras situações acontecem em que o profeta precisa agir com fé e ousadia. No cap. 4, a viúva endividada precisa de socorro. Interrogada pelo profeta, a única coisa que encontra em casa é um pouco de azeite. É daquele azeite que vem o milagre conforme a palavra de Eliseu.
Depois disso, houve uma reunião na escola de profetas. Para alimentar aqueles homens Eliseu pede que seja feita um ensopado. Uma das pessoas responsáveis pelo alimento colocou um ingrediente desconhecido no caldo. Quando provaram o ensopado perceberam do que se tratava o ingrediente desconhecido e gritaram ao profeta dizendo: há morte na panela! Eliseu pede um pouco de farinha e acrescenta ao caldo o abençoando e todos puderam comer sem perigo algum.
O que se pode fazer com azeite, farinha, água e sal? Não acrescente outro ingrediente! Ora, se não é o pão sem fermento? O pão ázimo.
Veja, quando a água era má e estéril, foi acrescentado sal. O sal é usado como condimento; tempero. A bíblia diz que nós somos o sal da terra. O sal que não tempera para nada serve. Como podemos ser sal? Ou como podemos ser o tempero? O que nos difere dos demais? Cristo em nós é quem faz a diferença.
O azeite diz respeito à unção. Um pouco de azeite foi o suficiente para suprir as necessidades da mulher endividada. Podem faltar os bens materiais, podem vir as tribulações, o dia mal pode bater à sua porta, só não pode faltar o óleo da unção sobre sua vida. O Espírito de Deus não pode ir embora!
A farinha é o principal elemento do pão. O pão é um elemento muito simbólico em toda a bíblia. Sem fermento, aponta para Cristo. Ele é o pão vivo que desceu do céu. Há morte na panela? A morte anda a espreita em sua família? Acrescente Cristo e a vida dissipará a morte!
Eliseu não poderia ter feito nenhum sinal miraculoso se Deus não estivesse com ele. Da mesma maneira eu e você somos completamente dependentes de Cristo. Ele é o nosso azeite, ele é a água que refrigera e purifica, ele é o pão vivo que nos alimenta e é o que dá sabor à nossa vida.

quarta-feira, 24 de abril de 2013

Retratos da real beleza


Tenho trabalhado no meu TCC (Trabalho de Conclusão de Curso) sobre a co-criação de valor baseada na troca de experiências.
É um assunto muito interessante, muitas vezes abordado por áreas de negócios e marketing. 
Hoje recebi este vídeo (clique aqui) que mostra uma experiência desenvolvida pela empresa Dove. 
É uma abordagem interessante, não tem um apelo puramente comercial. A experiência comprova como a mulher se vê geralmente menos bonita do que realmente é.  
É interessante perceber como a ditadura da beleza, que propõe um padrão inatingível, altera a nossa percepção de beleza própria.
Será que esta ditadura não tem alterado também a maneira como a mulher cristã se vê?
Acho importante que cada um de nós, seja você homem ou mulher, tenha maior e melhor conceito de si mesmo.
Aprendamos com Jó: "O Espírito de Deus me fez; e a inspiração do Todo-Poderoso me deu vida". Jó 33:4.
Se somos resultado da inspiração de Deus, por que não nos enxergarmos assim?
Você é mais bonito (a) do que pensa! (Conclusão da Dove em relação à experiência)