sábado, 16 de março de 2013

Para impressionar a sogrinha!

Risotto - Pollo
Minha mãe é uma cozinheira e tanto! Ela sempre atiçou o meu apetite, dos meus irmãos e do meu pai com suas receitas deliciosas. A história veio lá da minha avó. Sabe aquele encanto de cheiro, formas e sabor? Sempre tive em casa...
Ah, se você está pensando que sou filha de uma chef de cozinha, se enganou. Ela não tem formação profissional, mas aquela coisa de mãe mesmo. Apaixonei-me cedo pela culinária. Gosto de cozinhar, salvo a exceção (claro!), aquela que quase toda mulher sabe qual é, quando se é obrigada.
Bem, um tempo atrás eu e minha mãe fizemos um curso de Culinária e Gastronomia para Executivos, um curso rápido oferecido pelo Senac de Uberlândia. Foi um tempo maravilhoso. Alimentos bonitos e deliciosos. Saímos com receitas saborosas e a vontade de testar todas elas na primeira oportunidade. Claro que no dia a dia de casa a coisa é bem diferente...
Aos poucos surgiram as oportunidades e as receitas mais fáceis e “baratas” é que foram testadas primeiro. Foi dando certo. A torta de limão com ganache de chocolate, as bruschettas, o petit gateau, a salada Caesar enfim... Estava ansiosa por testar a receita dos risotos.
Finalmente surgiu a oportunidade! Bem no comecinho do mês foi a vez do risoto de gorgonzola. E... ficou muito bom! Hummm delícia, nem uma sobrinha para mais tarde. O que fazer com o arroz arbóreo cru que sobrou? Guardar para outra receita, oras! Então, hoje foi o dia de cozinhar de novo (sem a obrigação de fazê-lo) adivinha... Risoto de novo! Só que agora de frango. Claro que ficou uma delícia (risos).
Enquanto preparava o meu prato comentei com minha irmã: agora já posso impressionar a sogrinha. Ha ha ha ha... Uma piadinha que só entende quem me conhece ha muito tempo...

sexta-feira, 15 de março de 2013

Não temerei


"Se você conhece o inimigo e conhece a si mesmo, não precisa temer o resultado de 100 batalhas." Sun Tzu - estrategista militar chinês.

"Mesmo quando eu andar por um vale de trevas e morte, não temerei perigo algum, pois tu estás comigo; a tua vara e o teu cajado me protegem." Salmos 23:4 (NVI) Davi - guerreiro, rei e acima de tudo um coração segundo o coração de Deus. Precisa mais?

segunda-feira, 11 de março de 2013

Graças a Deus pelas orações não respondidas!

Será quantas vezes ouvi esta expressão? Não faço a mínima ideia! Tenho escutado de pastores, obreiros, missionários, membros, homens e mulheres. Pessoas que já viveram muitas experiências com Deus, porque só quem tem história com Ele pode reconhecer suas misericórdias nas orações não respondidas.
Nesta semana me peguei exclamando muitas vezes esta expressão. Meu Deus! Nunca senti tanta paz e segurança nas orações não respondidas como tenho sentido agora. Sei que quando oramos temos algumas opções de respostas: SIM (a que mais gostamos de ouvir e pela qual estamos dispostos muitas vezes a orar...) NÃO (esta resposta nos “frustra” e incrivelmente sentimos quando a ouviremos o que muitas vezes não deveria, mas nos desanima de orar) e ESPERA! (ai! Esta tira o sono em muitas situações). Acredito que muitas orações não respondidas tem esse tom de espera.
Quem me conhece sabe que não herdei do DNA do meu pai a habilidade de esperar... Bem que gostaria! Mas, tenho escutado de Deus muitas vezes esta resposta: ESPERA. E, voltando a expressão título desta postagem, posso ver a importância de esperar. Deus nos mostra coisas através do tempo que nos faz entender suas razões e provisões! Ele é soberano, conhece o nosso fim antes do começo, tem propósitos e planos a nosso respeito e trabalha em nossas vidas através do tempo... Como disse o pr. Marcus Gregório: para nós é tempo, para Deus é tratamento.
Que verdade maravilhosa! Obrigada Jesus pelas orações não respondidas e por suas muitas misericórdias liberada sobre nós.