Pular para o conteúdo principal

Estímulos

Quando alcancei a “maior idade” comecei a sonhar com a minha CNH.

Sonhava com a autorização para dirigir e sentia o meu sonho pulsar dentro de mim com maior intensidade cada vez que entrava em um ônibus.

Ah! Não é nada agradável ter que depender desse meio de transporte todos os dias, principalmente em horários de pico.

Utilizar o transporte público no percurso casa – faculdade - trabalho fez com que eu saísse da minha comodidade para a auto-escola. Finalmente consegui o que queria meu sonho se tornara uma realidade.

Porém ter uma CNH não significa ter um carro e o meu sonho precisava de uma continuidade.

Comecei a sonhar em ter um carro. Queria muito que 2010 fosse o ano em que este sonho se realizaria.

Fiquei algum tempo em casa desempregada e, portanto sem precisar utilizar o transporte público. Não me lembrei hora nenhuma do desconforto de “andar de ônibus”. Cada vez que precisava pegava o carro do meu pai emprestado e estava tudo tranqüilo.

Finalmente comecei a trabalhar. Levantei cedo, caminhei para o ponto para garantir o horário e entrei no ônibus e... Lembrei do meu sonho! Quero um carro!

Incrível como foi automático!

Enquanto estive no meu conforto descansei em relação ao meu sonho. Mas, sair da comodidade me fez lembrar os anseios do coração.

É assim em qualquer área da vida. Conforto não é estimulante. Ele produz alívio, consolo e diminui o trabalho.

Todo ser humano precisa ser estimulado, ou seja, impelido à ação, incitado à algo a fim de que alcance resultados.

Ainda ontem estive lendo a história da Pax, a maior fornecedora de brinquedos da Rússia e dos países integrantes do ex-bloco soviético. Com a Perestroika, em 1988, a então grande fábrica de bombas e armamentos paralisou suas operações. Enquanto muitas empresas permaneceram sem atividade no período de mudanças econômicas o russo Vladimir Gnezdilov se viu fora da zona de conforto e foi estimulado a pensar em algo que pudesse fazer para aproveitar suas instalações e matérias-primas. Foi então que surgiu a idéia de produzir equipamentos para parque de diversões: carrosséis, roda gigante e montanhas-russas.

Alem de conseguir um bom resultado financeiro este russo conseguiu transformar material bélico em diversão. Não é fantástico?

Grandes marcas surgiram em tempos de desconforto.

Embora não apreciemos estes momentos eles conseguem estimular grandes e boas ações.

Vamos pensar nisso!

Comentários

Anônimo disse…
Boa reflexão daphnne, realmente devemos sair da zona de conforto e produzir meios para alcançar nossos sonhos e objetivos, e que os desafios da vida possa servir para nos fazer crescer sempre.
LORRAINE
É foi ontem que vc ganhou a maioridade, e agora já chegou seu niver novamente, a idade não para mais hehehehe. Este é o seu mês, que O Senhor Jesus continue a derramar da graça dele sobre a sua vida. Boa sua reflexão, Te amo. Pr. Jefferson Souza

Postagens mais visitadas deste blog

O que aprendo com a gazela?

Convidada para pregar no culto de encerramento das atividades (2013) do grupo Dorcas (grupo de mulheres da AIDB-Uberlândia), me senti motivada a estudar a história desta personagem bíblica que inspirou o nome do grupo. Quem foi Dorcas? O que seu nome significa? Quais seus valores? Porque sua história motiva outras mulheres que trabalham na obra do Senhor?
O nome apresentado na história bíblica é Tabita e sua história é apresentada no contexto de sua morte. Estranho, não?
A narrativa se encontra no livro de Atos, cap.9 à partir do verso 36. E assim começa a descrição dos fatos: “E havia em Jope uma discípula chamada Tabita, que traduzido se diz Dorcas. Esta estava cheia de boas obras e esmolas que fazia. E aconteceu naqueles dias que, enfermando ela, morreu; e, tendo-a lavado, a depositaram num quarto alto”.
Para um “leitor dinâmico” estes dois versos resume toda a história. A mulher existiu, era uma mulher de boas obras, ficou doente e morreu (ponto!). Porém estes dois versos mostram ape…

Encontre a resposta!

Palavras e imagens sempre foram objetos da minha curiosidade. Talvez esta seja a razão porque gosto de fazer palavras cruzadas, montar quebra-cabeça e resolver exercícios de lógica.  Recentemente me vi num entrave com um exercício de lógica. Quatro imagens propunham uma palavra com seis letras. A primeira imagem era de um ovo, a segunda de um bolo de aniversário, a terceira de um cachorro e a última de uma prateleira de sapatos. Fiquei por muito tempo tentando achar a lógica daquele exercício. O que tem em comum um ovo, um bolo, um cachorro e sapatos?  Tentei várias palavras e nada. Deixei o exercício de lado por algumas vezes na esperança de voltar com uma solução. ‘Quebrei a cabeça’ com aquele enigma. Estava procurando uma ligação das imagens até perceber que a lógica estava na cor e não nas imagens em si. Mudei o foco para a cor e facilmente preenchi os espaços com as letras. Interessante como fixamos os olhos no problema e deixamos de perceber a solução bem diante dos nossos olhos. Nã…

Falando sobre "Lagar"

O que Gideão fazia no lagar? Se sua resposta foi diferente de "malhando trigo" acho que não está familiarizado com a história deste homem, pois, era exatamente isso que ele estava fazendo. Mas... para que serve um lagar? Afinal de contas... onde é que se malha o trigo? Bem, não me incomodo se essas perguntas nunca lhe passaram pela cabeça. Porém, desde minha última postagem no blog tenho meditado sobre essa passagem bíblica. O lugar correto para se malhar trigo chama-se Eira que segundo o dicionário quer dizer: extensão de terreno limpo e batido, ou lajeado, onde se secam, malham, trilham e limpam cereais e legumes; Sabe porque Gideão preferiu malhar o trigo num lagar? Ele não estava disposto a perder o seu sustento para os Midianitas. Por algum tempo os midianitas consumiam todo o alimento produzido pelos israelitas. Não somente as suas plantações eram destruídas mas também o seu rebanho. Muito bem, vamos voltar ao lagar... Segundo o dicionário lagar é: tanque onde se espremem ou p…