Pular para o conteúdo principal

A urgência de um clamor

Apresentamos a tendência de nos desesperarmos diante de dificuldades. Alguns se tornam tagarelas e iniciam uma corrida em círculos. Outros entram em seus casulos esperando que a tempestade passe e que tudo volte ao normal. Porém, diante de desafios precisamos tomar atitudes certeiras que nos conduzirão ao sucesso.
Houve uma mulher rica em Suném, cidade de Issacar, que demonstrou atitudes muito relevantes em tempo de crise. Ela viveu nos tempos bíblicos e ofereceu repouso em sua casa ao profeta Eliseu. Alcançou o favor de Deus e concebeu um filho sendo o seu marido homem idoso. 
Certo dia seu filho já crescido apresentou-se doente e dentro de um curto período faleceu. Ela o levou para o quarto e o deitou sobre a cama do profeta, fechou a porta e saiu. Encontrou-se com seu marido que havia estado com o menino no momento em que ele apresentou-se doente. Pediu para que ele chamasse um servo com uma jumenta para que pudesse ser conduzida ao profeta Eliseu. Interrogada sobre a razão de sua intenção, respondeu: Tudo vai bem. Ao seu servo deu a ordem para que andasse rápido sem se deter no caminho. Aproximando-se de monte Carmelo foi vista por Eliseu que deu ordem a Geazi, o seu moço, para que fosse ao encontro dela e perguntasse se ia tudo bem com ela, o marido e o filho ao que a sunamita respondeu: Vai bem. Chegando-se a Eleiseu, prostrou-se diante dele e apresentou seu clamor. O profeta mandou que Geazi fosse ao encontro do menino e intercedesse por ele ordenando que não se detivesse no caminho nem sequer para cumprimentar ou responder ao cumprimento de alguém. Porém, a sunamita não se contentou, resistiu ao profeta até que ele aceitou segui-la até sua casa ao encontro de seu filho, resultado de oração do profeta. 
Pela oração dele o menino tornou a viver e foi entregue a ela.
A primeira atitude que vejo de relevante nessa história é que a sanamita levou o menino para o quarto e fechou a porta. Deixou o problema do lado de dentro fechando a porta para especulações. Ninguém que chegasse à sua casa naquele momento teria acesso ao que estava acontecendo, pelo menos ninguém que não pudesse fazer o problema ser revertido. Precisamos aprender a ter essa atitude. Se uma pessoa não pode ajudar a resolver o problema é melhor não deixá-la ter acesso a ele.
Seguido disso, ela não se deteve em seu caminho. Agiu com urgência, sem perder tempo com conversa fiada. Quanto mais explicações ela desse mais tempo perderia até obter a ajuda certa. Com isso manteve o foco e agilizou a chegada da solução.
Por fim ela se mostrou perseverante. Não aceitou deixar o profeta para trás. Precisava garantir que sua busca teria mesmo o resultado desejado. Encontrá-lo já havia lhe custado uma jornada, deixá-lo acarretaria trabalho a mais. Eliseu havia orado a Deus para que ela tivesse um filho. O profeta teria que continuar o que havia começado e a sunamita queria ter certeza disso.
Diante da urgência do clamor, precisamos aprender agir eficientemente.
Deus te abençoe! 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O que aprendo com a gazela?

Convidada para pregar no culto de encerramento das atividades (2013) do grupo Dorcas (grupo de mulheres da AIDB-Uberlândia), me senti motivada a estudar a história desta personagem bíblica que inspirou o nome do grupo. Quem foi Dorcas? O que seu nome significa? Quais seus valores? Porque sua história motiva outras mulheres que trabalham na obra do Senhor?
O nome apresentado na história bíblica é Tabita e sua história é apresentada no contexto de sua morte. Estranho, não?
A narrativa se encontra no livro de Atos, cap.9 à partir do verso 36. E assim começa a descrição dos fatos: “E havia em Jope uma discípula chamada Tabita, que traduzido se diz Dorcas. Esta estava cheia de boas obras e esmolas que fazia. E aconteceu naqueles dias que, enfermando ela, morreu; e, tendo-a lavado, a depositaram num quarto alto”.
Para um “leitor dinâmico” estes dois versos resume toda a história. A mulher existiu, era uma mulher de boas obras, ficou doente e morreu (ponto!). Porém estes dois versos mostram ape…

Encontre a resposta!

Palavras e imagens sempre foram objetos da minha curiosidade. Talvez esta seja a razão porque gosto de fazer palavras cruzadas, montar quebra-cabeça e resolver exercícios de lógica.  Recentemente me vi num entrave com um exercício de lógica. Quatro imagens propunham uma palavra com seis letras. A primeira imagem era de um ovo, a segunda de um bolo de aniversário, a terceira de um cachorro e a última de uma prateleira de sapatos. Fiquei por muito tempo tentando achar a lógica daquele exercício. O que tem em comum um ovo, um bolo, um cachorro e sapatos?  Tentei várias palavras e nada. Deixei o exercício de lado por algumas vezes na esperança de voltar com uma solução. ‘Quebrei a cabeça’ com aquele enigma. Estava procurando uma ligação das imagens até perceber que a lógica estava na cor e não nas imagens em si. Mudei o foco para a cor e facilmente preenchi os espaços com as letras. Interessante como fixamos os olhos no problema e deixamos de perceber a solução bem diante dos nossos olhos. Nã…

Falando sobre "Lagar"

O que Gideão fazia no lagar? Se sua resposta foi diferente de "malhando trigo" acho que não está familiarizado com a história deste homem, pois, era exatamente isso que ele estava fazendo. Mas... para que serve um lagar? Afinal de contas... onde é que se malha o trigo? Bem, não me incomodo se essas perguntas nunca lhe passaram pela cabeça. Porém, desde minha última postagem no blog tenho meditado sobre essa passagem bíblica. O lugar correto para se malhar trigo chama-se Eira que segundo o dicionário quer dizer: extensão de terreno limpo e batido, ou lajeado, onde se secam, malham, trilham e limpam cereais e legumes; Sabe porque Gideão preferiu malhar o trigo num lagar? Ele não estava disposto a perder o seu sustento para os Midianitas. Por algum tempo os midianitas consumiam todo o alimento produzido pelos israelitas. Não somente as suas plantações eram destruídas mas também o seu rebanho. Muito bem, vamos voltar ao lagar... Segundo o dicionário lagar é: tanque onde se espremem ou p…