Pular para o conteúdo principal

Atreva-se!

Faz algum tempo que tenho tentado esboçar uma reflexão a respeito de Abraão; de quando Deus o comunicou que destruiria Sodoma e Gomorra. Maravilho-me com a liberdade que este homem tinha com Deus, sua ousadia, temor e confiança.

O pecado de Sodoma e Gomorra havia se agravado de tal maneira que Deus estava decidido a destruí-la, mas não faria sem antes comunicar seu amigo a quem escolheu para ser pai de uma grande nação. O relacionamento de Deus com Abraão foi tão especial que em nenhum lugar na bíblia se vê outro igual.

Após ser comunicado, Abraão aproximou-se de Deus e disse:

“Destruirás também o justo com o ímpio?”

Esta primeira indagação demonstra o conhecimento e intimidade que este homem tinha com Deus. Ele sabia que Deus era clemente e misericordioso, tardio em irar-se e grande em amor. Sua ousadia em questionar a vontade de Deus foi baseada no seu relacionamento e confiança para com Ele. Estava seguro de que Ele se agradava dos justos. E continuou Abraão dizendo:

“Se houver cinqüenta justos na cidade, destruirás e não pouparás o lugar por causa dos cinqüenta justos que ali estão? Longe de ti que faças tal coisa, que mates o justo com o ímpio; que o justo seja como o ímpio, longe de ti esteja. Não fará justiça o juiz de toda a terra?

Este questionamento me soou aos ouvidos como um baita atrevimento e corri para pesquisar no dicionário a definição exata para a palavra “ousadia”. Aprendi que ser ousado é ter bastante coragem para atrever-se.

Abraão teve coragem para fazer algo: clamar a Deus por misericórdia!

Deus então respondeu:

“Se eu em Sodoma achar cinqüenta justos dentro da cidade, pouparei o lugar por causa deles.”

Ok! Talvez se fosse eu a corajosa para questionar e houvesse recebido a resposta possivelmente pararia por aí e esperaria para ver Sodoma sendo salva da destruição por causa dos cinqüenta, afinal esse numero é até razoável. Entenderia que Deus fazia questão de 50 justos.

Mas, Abraão continuou: “Agora que me atrevi a falar ao Senhor, ainda que sou pó e cinza, ...” (reduziu o número para 45 justos). Depois: “Se porventura se acharem ali 40?”. E ainda: “Ora, não se ire o Senhor, se eu ainda falar: Se porventura...” (reduziu o número para 30 justos). Outra vez insistiu: “Agora que me atrevi a falar ao Senhor...” (reduziu o número para 20 justos). E por fim (Abraão parecia disposto a ver onde chegaria) disse: “Ora, não se ire o Senhor, pois só mais dessa vez falarei. Se por ventura se acharem ali 10?”

A resposta de Deus foi uma só para Abraão. A questão não era a quantidade de justos, mas a existência deles na cidade. Deus se disponibilizou a salvar uma cidade inteira por causa de 10 ou de qualquer justo que houvesse lá. Tanto é que ele passou pela cidade. E procurou.

No fim da história Deus retirou de Sodoma a Ló, sobrinho de Abraão, juntamente com sua esposa e filhas e então destruiu a cidade toda. Acredito que esse livramento Deus deu por causa de Abraão, seu amigo.

Essa história ficou em minha cabeça nessas últimas duas semanas.

Temos como igreja, clamado por um avivamento. Queremos a manifestação de Deus em nosso meio e pensamos o que de fato nos distancia de viver esse tempo? Alguns tem se questionado sobre os números. Será que o avivamento vai acontecer quando a igreja estiver cheia de pessoas? Outros estão abrindo suas portas a fim de deixar entrar todos quantos estiverem interessados pelo movimento, pela música, pela palavra ou qualquer outra coisa relacionada com o “movimento evangélico”, mas isso não vai resultar em avivamento.

Creio que Deus não mudou seu posicionamento. Ele ainda está olhando para ver se encontra justos no meio de nós. Recentemente escrevi sobre a palavra de Jesus em Mateus 18:20 que disse: “Onde estiverem dois ou três reunidos em meu nome, ali estou eu no meio deles.”. É uma quantidade muito pequena, mas a razão da reunião é “Jesus”. Quando entendermos isso finalmente poderemos como Abraão, “atrevidamente”, ou se prefere a palavra ousadamente, entrar na sala do trono (Hebreus 4-16) e clamar por avivamento.

Se tiver 50 pessoas nesse mesmo sentimento, com coração sedento por Deus e disposto a se consagrar, acaso Deus não derramará do seu Espírito Santo? Se 40, 30, 20 ou 10 estiverem dispostos, o avivamento não virá?

Pense nisso!

- Bom Encontro Apostólico de Fogo e Santidade para todos que estarão nesse fim de semana em Araçariguama – SP no Vale da Bênção -

Comentários

Dc Gilmarcio disse…
Paz Daphnne,boa essa reflexão,estou com mesmo pensamento dessa mensagem.
Na segunda-feira , no culto de oração eu falei algo sobre isso e se tivermos o mesmo pensamento em conjunto, vamos obter resultados significativos com Deus.
Como Abrão teve a ousadia de questionar com Deus para salvar a cidade, foi simplismente por amor ao proximo , seu sobrinho.
A lei se resume nesse mandamento , amar ao proximo com a si mesmo, e se amassemos ao ponto de chegar diante de Deus e questionar como Abrão questionou, teriamos avivamento em nosso meio, vamos nos unir para que o Senhor possa nos abençoar com esse avivamento.
Que Deus nos ajude, Amém.
O titúlo de sua postagem ficou ecoando dentro de mim... degustei cada palavra com ferocidade de espírito (nem sei se é correto se expressar assim).Deus sonda e conhece o meu clamor a cada dia e cada lágrima que tenho derramado. Daphnne fico observando você a cada culto, nas orações, no sacudir do seu corpo e parece que tem um gigante lá dentro querendo mover tudo... Está claro que grandes coisas vão acontecer... assim como tudo o que virá não será através da multidão, mas por um pequeno número e eu também quero estar entre eles .
Bjs.

Postagens mais visitadas deste blog

O que aprendo com a gazela?

Convidada para pregar no culto de encerramento das atividades (2013) do grupo Dorcas (grupo de mulheres da AIDB-Uberlândia), me senti motivada a estudar a história desta personagem bíblica que inspirou o nome do grupo. Quem foi Dorcas? O que seu nome significa? Quais seus valores? Porque sua história motiva outras mulheres que trabalham na obra do Senhor?
O nome apresentado na história bíblica é Tabita e sua história é apresentada no contexto de sua morte. Estranho, não?
A narrativa se encontra no livro de Atos, cap.9 à partir do verso 36. E assim começa a descrição dos fatos: “E havia em Jope uma discípula chamada Tabita, que traduzido se diz Dorcas. Esta estava cheia de boas obras e esmolas que fazia. E aconteceu naqueles dias que, enfermando ela, morreu; e, tendo-a lavado, a depositaram num quarto alto”.
Para um “leitor dinâmico” estes dois versos resume toda a história. A mulher existiu, era uma mulher de boas obras, ficou doente e morreu (ponto!). Porém estes dois versos mostram ape…

Encontre a resposta!

Palavras e imagens sempre foram objetos da minha curiosidade. Talvez esta seja a razão porque gosto de fazer palavras cruzadas, montar quebra-cabeça e resolver exercícios de lógica.  Recentemente me vi num entrave com um exercício de lógica. Quatro imagens propunham uma palavra com seis letras. A primeira imagem era de um ovo, a segunda de um bolo de aniversário, a terceira de um cachorro e a última de uma prateleira de sapatos. Fiquei por muito tempo tentando achar a lógica daquele exercício. O que tem em comum um ovo, um bolo, um cachorro e sapatos?  Tentei várias palavras e nada. Deixei o exercício de lado por algumas vezes na esperança de voltar com uma solução. ‘Quebrei a cabeça’ com aquele enigma. Estava procurando uma ligação das imagens até perceber que a lógica estava na cor e não nas imagens em si. Mudei o foco para a cor e facilmente preenchi os espaços com as letras. Interessante como fixamos os olhos no problema e deixamos de perceber a solução bem diante dos nossos olhos. Nã…

Falando sobre "Lagar"

O que Gideão fazia no lagar? Se sua resposta foi diferente de "malhando trigo" acho que não está familiarizado com a história deste homem, pois, era exatamente isso que ele estava fazendo. Mas... para que serve um lagar? Afinal de contas... onde é que se malha o trigo? Bem, não me incomodo se essas perguntas nunca lhe passaram pela cabeça. Porém, desde minha última postagem no blog tenho meditado sobre essa passagem bíblica. O lugar correto para se malhar trigo chama-se Eira que segundo o dicionário quer dizer: extensão de terreno limpo e batido, ou lajeado, onde se secam, malham, trilham e limpam cereais e legumes; Sabe porque Gideão preferiu malhar o trigo num lagar? Ele não estava disposto a perder o seu sustento para os Midianitas. Por algum tempo os midianitas consumiam todo o alimento produzido pelos israelitas. Não somente as suas plantações eram destruídas mas também o seu rebanho. Muito bem, vamos voltar ao lagar... Segundo o dicionário lagar é: tanque onde se espremem ou p…