Pular para o conteúdo principal

Abaixo o Fogo de Palha!

Lembro-me dos meus dias de criança quando visitávamos minha família que mora na zona Rural de Romaria.

Era um tempo muito gostoso onde podíamos brincar com liberdade debaixo dos pés de manga, no rio, andar a cavalo e de tantas outras brincadeiras.

Normalmente o almoço se atrasava com tanta conversa para se colocar em dia e nós crianças cheias de euforia e energia logo percebíamos que estávamos famintos.

Então era uma boa oportunidade de brincar de “comidinha”.

Corríamos lá na cozinha e buscávamos os ingredientes para nosso almoço de brincadeirinha.

Arroz, sal, óleo... Enquanto uma turma se dispunha a buscar o alimento e acessórios, outra turma corria no paiol para buscar palha para o fogo.

Arrumávamos as pedras para nosso “fogão”, colocávamos as palhas e num instante tínhamos a nossa volta um monte de adultos nos vigiando.

O fogo se espalhava rápido e quase sempre podíamos provar a nossa “comidinha” antes do almoço de verdade.

Essa recordação me veio à mente quando tentava entender que tipo de “fogo” temos tido em nossas igrejas.

É uma preocupação minha e talvez seja também uma preocupação sua...

Muitas vezes parece que temos tido um “fogo de palha”. (salvo as exceções, Graças a Deus!)

O culto começa e o barulho toma conta da igreja, o som alto da música ritmada e a dança nos fazem ficar entusiasmados, mas acaba o “período” do louvor o barulho cessa. A dança e o entusiasmo parecem terminar junto com a música.

Fogo de palha se consome com rapidez e não pode preparar uma comida de verdade.

Corremos o risco de voltar para casa tendo nos alimentado da “comidinha” feita no fogo de palha, que queimou rápido, fez muita fumaça, mas que não pode saciar uma alma faminta.

Eu quero fazer parte da igreja que tem fogo vivo, cujo som de louvor pode ser escutado mesmo depois que a música cessar.

Eu quero fazer parte da igreja cuja dança não se baseia no movimento do corpo, na sensualidade e nos hits do momento, mas sai do profundo da alma.

Eu quero fazer parte da igreja que se queima de paixão e amor por Cristo e que está firmada na sã doutrina.

Não é possível se saciar com uma comidinha feita no fogo de palha.

No primeiro momento é divertido e prazeroso, mas logo o estômago ronca e a gente percebe que enquanto estávamos entretidos na brincadeira a comida de verdade está pronta e a mesa está posta.

Sabemos que o melhor a fazer é deixar o nosso “fogão” improvisado de lado e nos apressarmos em tomar um lugar à mesa onde há fartura.

Pense nisso amigo, que tipo de fogo está sendo oferecido no altar do Senhor?

Certamente Deus não se agrada de fogo de palha...

“O fogo que está sobre o altar arderá nele, não se apagará; mas o sacerdote acenderá lenha nele cada manhã, e sobre ele porá em ordem o holocausto e sobre ele queimará a gordura das ofertas pacíficas. O fogo arderá continuamente sobre o altar; não se apagará.”

Levítico 6: 12 e 13

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O que aprendo com a gazela?

Convidada para pregar no culto de encerramento das atividades (2013) do grupo Dorcas (grupo de mulheres da AIDB-Uberlândia), me senti motivada a estudar a história desta personagem bíblica que inspirou o nome do grupo. Quem foi Dorcas? O que seu nome significa? Quais seus valores? Porque sua história motiva outras mulheres que trabalham na obra do Senhor?
O nome apresentado na história bíblica é Tabita e sua história é apresentada no contexto de sua morte. Estranho, não?
A narrativa se encontra no livro de Atos, cap.9 à partir do verso 36. E assim começa a descrição dos fatos: “E havia em Jope uma discípula chamada Tabita, que traduzido se diz Dorcas. Esta estava cheia de boas obras e esmolas que fazia. E aconteceu naqueles dias que, enfermando ela, morreu; e, tendo-a lavado, a depositaram num quarto alto”.
Para um “leitor dinâmico” estes dois versos resume toda a história. A mulher existiu, era uma mulher de boas obras, ficou doente e morreu (ponto!). Porém estes dois versos mostram ape…

Encontre a resposta!

Palavras e imagens sempre foram objetos da minha curiosidade. Talvez esta seja a razão porque gosto de fazer palavras cruzadas, montar quebra-cabeça e resolver exercícios de lógica.  Recentemente me vi num entrave com um exercício de lógica. Quatro imagens propunham uma palavra com seis letras. A primeira imagem era de um ovo, a segunda de um bolo de aniversário, a terceira de um cachorro e a última de uma prateleira de sapatos. Fiquei por muito tempo tentando achar a lógica daquele exercício. O que tem em comum um ovo, um bolo, um cachorro e sapatos?  Tentei várias palavras e nada. Deixei o exercício de lado por algumas vezes na esperança de voltar com uma solução. ‘Quebrei a cabeça’ com aquele enigma. Estava procurando uma ligação das imagens até perceber que a lógica estava na cor e não nas imagens em si. Mudei o foco para a cor e facilmente preenchi os espaços com as letras. Interessante como fixamos os olhos no problema e deixamos de perceber a solução bem diante dos nossos olhos. Nã…

Falando sobre "Lagar"

O que Gideão fazia no lagar? Se sua resposta foi diferente de "malhando trigo" acho que não está familiarizado com a história deste homem, pois, era exatamente isso que ele estava fazendo. Mas... para que serve um lagar? Afinal de contas... onde é que se malha o trigo? Bem, não me incomodo se essas perguntas nunca lhe passaram pela cabeça. Porém, desde minha última postagem no blog tenho meditado sobre essa passagem bíblica. O lugar correto para se malhar trigo chama-se Eira que segundo o dicionário quer dizer: extensão de terreno limpo e batido, ou lajeado, onde se secam, malham, trilham e limpam cereais e legumes; Sabe porque Gideão preferiu malhar o trigo num lagar? Ele não estava disposto a perder o seu sustento para os Midianitas. Por algum tempo os midianitas consumiam todo o alimento produzido pelos israelitas. Não somente as suas plantações eram destruídas mas também o seu rebanho. Muito bem, vamos voltar ao lagar... Segundo o dicionário lagar é: tanque onde se espremem ou p…