Pular para o conteúdo principal

Simples assim!

Sábado passado, dia 19 de maio, foi aniversário de casamento dos meus pais. Eles completaram 39 anos de união. É uma boa caminhada, não é mesmo? Pelo percurso enfrentam temporadas boas e temporadas ruins e seguem unidos com a ajuda de Deus e comunhão familiar. Eles são um exemplo para mim. Não são super-heróis; são reais. Sou grata a Deus pelo privilégio de ser fruto desta união. 
Enquanto isso na Inglaterra o príncipe Harry e agora duquesa Megan contraíam matrimonio. As atenções de milhares de pessoas estavam voltadas para eles. Um casamento real, muitas expectativas e especulações. E como sempre, a chegada da noiva foi o momento mais aguardado por todos. Como seria seu vestido? Muito brilho? Apliques, rendas, pedrarias? E o modelo? Evidenciaria suas curvas, deixaria seu colo à mostra? Ou seria volumoso? A indústria da moda aguardava ansiosa para lançar as novas tendências. Momento ideal já que maio é o mês das noivas. 
Após a reverencia à rainha, o carro com a noiva se aproxima da capela. Contagem regressiva! A porta do carro se abre e dele salta a noiva. E... um estrondoso “Ahhhh!!!” se escuta pelo mundo. O vestido não é nada daquilo que muitos aguardavam. Simples! Nada de brilho, aplicações, rendas ou volume. Os detalhes ficaram por conta do véu e tiara usada pela noiva. O vestido com decote canoa, brilho opaco e levemente estruturado revelou uma noiva muito elegante. Eu particularmente amei, apesar de obviamente a minha opinião não fazer a mínima diferença.  
Sempre defendi a ideia de que a beleza do vestido da noiva não está no brilho, nas pedrarias, rendas, fendas, decotes. A beleza da noiva está em revelar a sua beleza própria. Nunca entendi por que as noivas se maquiam com uma maquiagem tão pesada, deixam seus olhos escuros, se cobrem com uma aparência tão distante daquilo que são num dia tão especial de suas vidas. Com o passar do tempo tenho percebido que os casamentos se tornaram cerimonias de ostentação. Todo o simbolismo da união se tornou um grande comercio como qualquer outra celebração importante na vida social. Gasta-se tanto para celebrar um dia especial com a intenção de agradar, de atender expectativas alheias... 
Sei que o casamento real teve um gasto exorbitante. E tudo bem. Afinal é um casamento da realeza. Mas, venhamos e convenhamos, o belo é simples. Não é necessário ostentar. Não é necessário parecer. É necessário ser. Ser fiel ao que se é. Fiel à sua essência. Ser verdadeiro. Custa menos ser simples. É menos complicado. Quando eu vi aquele vestido eu fiquei muito feliz porque eu pude perceber o quanto minha teoria é válida. Ali estava uma noiva autentica. Ela escolheu o vestido. Tinha um conceito ali e ela não abriu mão. Todas as câmeras fotografaram sua escolha por mais simples que pudesse parecer. Simples assim.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O que aprendo com a gazela?

Convidada para pregar no culto de encerramento das atividades (2013) do grupo Dorcas (grupo de mulheres da AIDB-Uberlândia), me senti motivada a estudar a história desta personagem bíblica que inspirou o nome do grupo. Quem foi Dorcas? O que seu nome significa? Quais seus valores? Porque sua história motiva outras mulheres que trabalham na obra do Senhor?
O nome apresentado na história bíblica é Tabita e sua história é apresentada no contexto de sua morte. Estranho, não?
A narrativa se encontra no livro de Atos, cap.9 à partir do verso 36. E assim começa a descrição dos fatos: “E havia em Jope uma discípula chamada Tabita, que traduzido se diz Dorcas. Esta estava cheia de boas obras e esmolas que fazia. E aconteceu naqueles dias que, enfermando ela, morreu; e, tendo-a lavado, a depositaram num quarto alto”.
Para um “leitor dinâmico” estes dois versos resume toda a história. A mulher existiu, era uma mulher de boas obras, ficou doente e morreu (ponto!). Porém estes dois versos mostram ape…

Falando sobre "Lagar"

O que Gideão fazia no lagar? Se sua resposta foi diferente de "malhando trigo" acho que não está familiarizado com a história deste homem, pois, era exatamente isso que ele estava fazendo. Mas... para que serve um lagar? Afinal de contas... onde é que se malha o trigo? Bem, não me incomodo se essas perguntas nunca lhe passaram pela cabeça. Porém, desde minha última postagem no blog tenho meditado sobre essa passagem bíblica. O lugar correto para se malhar trigo chama-se Eira que segundo o dicionário quer dizer: extensão de terreno limpo e batido, ou lajeado, onde se secam, malham, trilham e limpam cereais e legumes; Sabe porque Gideão preferiu malhar o trigo num lagar? Ele não estava disposto a perder o seu sustento para os Midianitas. Por algum tempo os midianitas consumiam todo o alimento produzido pelos israelitas. Não somente as suas plantações eram destruídas mas também o seu rebanho. Muito bem, vamos voltar ao lagar... Segundo o dicionário lagar é: tanque onde se espremem ou p…

Encontre a resposta!

Palavras e imagens sempre foram objetos da minha curiosidade. Talvez esta seja a razão porque gosto de fazer palavras cruzadas, montar quebra-cabeça e resolver exercícios de lógica.  Recentemente me vi num entrave com um exercício de lógica. Quatro imagens propunham uma palavra com seis letras. A primeira imagem era de um ovo, a segunda de um bolo de aniversário, a terceira de um cachorro e a última de uma prateleira de sapatos. Fiquei por muito tempo tentando achar a lógica daquele exercício. O que tem em comum um ovo, um bolo, um cachorro e sapatos?  Tentei várias palavras e nada. Deixei o exercício de lado por algumas vezes na esperança de voltar com uma solução. ‘Quebrei a cabeça’ com aquele enigma. Estava procurando uma ligação das imagens até perceber que a lógica estava na cor e não nas imagens em si. Mudei o foco para a cor e facilmente preenchi os espaços com as letras. Interessante como fixamos os olhos no problema e deixamos de perceber a solução bem diante dos nossos olhos. Nã…