Pular para o conteúdo principal

Basta!


José foi um personagem de muita visibilidade na história cristã. Ele inspira e instiga a muitos. Conhecido como sonhador é muito citado em mensagens motivacionais. Ele pertencia a uma família muito numerosa e seu pai era ninguém menos que Jacó, o homem que deu nome a uma grande nação, Israel. O desenrolar de sua história revela muitos detalhes que chamam a atenção. E um deles especificamente tem se acendido diante dos meus olhos que é a reação de Jacó ao saber da “morte de José”. (Gênesis 37).
Jacó recebeu a noticia de morte do seu filho José como uma verdade. A túnica de várias cores lhe foi entregue toda manchada de sangue. Aquilo para Jacó representava a veracidade da situação apresentada. Ele chorou e se cobriu de luto. Jacó não podia suportar a ideia que seu filho amado, fruto da sua velhice, estava morto. José representava algo muito bom na vida de seu pai. Era seu troféu. Porém, naquele momento todo o bom e melhor havia acabado. Jacó não foi mais o mesmo. Sua alma estava cheia de angustia e dor.
Depois de José nasceu a Jacó seu filho Benjamim. E o interessante é que Jacó não colocou Benjamim no lugar de José. Aquela túnica manchada de sangue ainda o lembrava da dor e da perda irreparável. Por mais que o filho mais novo recebesse proteção e cuidado as feridas da alma de Jacó não foram curadas. Jacó era um homem amortecido. E quantas pessoas não estão levando a vida como Jacó? Amortecidos na alma, entristecidos, feridos, machucados. A tristeza adoece o coração.
Seguindo a história, lá na frente, depois que os irmãos de José descem ao Egito em busca de alimento para a família, Jacó fica sabendo que José não está morto. (Gênesis 45). A principio ele não acredita. Afinal, ele tinha a túnica manchada de sangue. Ele a via constantemente... Quão difícil é sair do luto não é mesmo? Quão demorada pode ser a cura da alma! Mas, Jacó olha para tudo que está diante de seus olhos e alguma coisa acontece dentro dele. A esperança demorada havia o entristecido, mas agora ela retorna e a bíblia diz que ao crer que seu filho está vivo o espírito de Jacó reaviva e ele solta um brado: Basta! Meu filho vive!
Uau! Eu posso imaginar Jacó recebendo uma boa dose de ânimo. Posso sentir a alegria entrando em seu coração e tomando posse de todo o espaço que a tristeza havia ocupado. Houve uma reintegração de posse! Tristeza pode ir embora. Meu filho vive e eu vou vê-lo antes que eu morra. Luto tristeza, angustia, amargura isto é um adeus definitivo. Eu estou indo encontrar meu filho José.
Sabe, eu creio em Deus e creio que ele vivifica. (Efésios 2). Você não precisa viver como Jacó. Entregue o seu coração a Jesus. Deposite toda sua dor aos pés da cruz. E sim, você receberá vida abundante em Cristo. Diga hoje mesmo para seu sofrimento: basta! Eu recebo vida em Jesus!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O que aprendo com a gazela?

Convidada para pregar no culto de encerramento das atividades (2013) do grupo Dorcas (grupo de mulheres da AIDB-Uberlândia), me senti motivada a estudar a história desta personagem bíblica que inspirou o nome do grupo. Quem foi Dorcas? O que seu nome significa? Quais seus valores? Porque sua história motiva outras mulheres que trabalham na obra do Senhor?
O nome apresentado na história bíblica é Tabita e sua história é apresentada no contexto de sua morte. Estranho, não?
A narrativa se encontra no livro de Atos, cap.9 à partir do verso 36. E assim começa a descrição dos fatos: “E havia em Jope uma discípula chamada Tabita, que traduzido se diz Dorcas. Esta estava cheia de boas obras e esmolas que fazia. E aconteceu naqueles dias que, enfermando ela, morreu; e, tendo-a lavado, a depositaram num quarto alto”.
Para um “leitor dinâmico” estes dois versos resume toda a história. A mulher existiu, era uma mulher de boas obras, ficou doente e morreu (ponto!). Porém estes dois versos mostram ape…

Falando sobre "Lagar"

O que Gideão fazia no lagar? Se sua resposta foi diferente de "malhando trigo" acho que não está familiarizado com a história deste homem, pois, era exatamente isso que ele estava fazendo. Mas... para que serve um lagar? Afinal de contas... onde é que se malha o trigo? Bem, não me incomodo se essas perguntas nunca lhe passaram pela cabeça. Porém, desde minha última postagem no blog tenho meditado sobre essa passagem bíblica. O lugar correto para se malhar trigo chama-se Eira que segundo o dicionário quer dizer: extensão de terreno limpo e batido, ou lajeado, onde se secam, malham, trilham e limpam cereais e legumes; Sabe porque Gideão preferiu malhar o trigo num lagar? Ele não estava disposto a perder o seu sustento para os Midianitas. Por algum tempo os midianitas consumiam todo o alimento produzido pelos israelitas. Não somente as suas plantações eram destruídas mas também o seu rebanho. Muito bem, vamos voltar ao lagar... Segundo o dicionário lagar é: tanque onde se espremem ou p…

Encontre a resposta!

Palavras e imagens sempre foram objetos da minha curiosidade. Talvez esta seja a razão porque gosto de fazer palavras cruzadas, montar quebra-cabeça e resolver exercícios de lógica.  Recentemente me vi num entrave com um exercício de lógica. Quatro imagens propunham uma palavra com seis letras. A primeira imagem era de um ovo, a segunda de um bolo de aniversário, a terceira de um cachorro e a última de uma prateleira de sapatos. Fiquei por muito tempo tentando achar a lógica daquele exercício. O que tem em comum um ovo, um bolo, um cachorro e sapatos?  Tentei várias palavras e nada. Deixei o exercício de lado por algumas vezes na esperança de voltar com uma solução. ‘Quebrei a cabeça’ com aquele enigma. Estava procurando uma ligação das imagens até perceber que a lógica estava na cor e não nas imagens em si. Mudei o foco para a cor e facilmente preenchi os espaços com as letras. Interessante como fixamos os olhos no problema e deixamos de perceber a solução bem diante dos nossos olhos. Nã…