Pular para o conteúdo principal

Foram escoriações leves

Era fim de ano e eu estava muito animada. Ansiosa como sempre me assentei “colada” à porta do caminhão. Saímos com o horário apertado. Faltava pouco para o inicio do ensaio. O ano era 1991. Eu tinha nove anos de idade e cursava a terceira série do ensino fundamental. Meu pai era proprietário de um comercio de materiais para construção. Ele tinha um caminhão caçamba que usava para carregar areia, brita e outros materiais pesados. Eu e meus irmãos amávamos brincar no caminhão. Era uma aventura. 
A escola faria uma apresentação de fim de ano naquele dia. Uma das músicas que estavam ensaiando para a apresentação era do cantor Roberto Carlos “O Calhambeque” e "Biquíni de Bolinha Amarelinha" da banda Blitz. As meninas se vestiriam com saias rodadas e usariam luvas e óculos escuros. Os meninos jaquetas jeans e óculos escuros. Estavam todos animados. E eu apesar de não participar da dança, seria chamada ao palco para pegar o meu “diploma” de terceira série. Estava orgulhosa da minha conquista.
Eu era pequena. (Ainda sou é verdade). Sentia-me nas alturas quando subia no caminhão. Ele era grande e pesado. Suas rodas eram largas e grandes. Perto dele eu parecia um cisco. Eu e meu pai seguíamos para escola quando entramos numa rotatória. Assim que o caminhão fez a curva, a porta se abriu e eu caí. Fiquei entre as rodas dianteiras e traseiras. Meu pai ficou desesperado. Ele não sabia se parava ou se seguia um pouco a frente. Eu caí bem próxima do meio fio e por misericórdia de Deus não bati a cabeça nele. Meu pai parou o caminhão e veio me ver. Ele estava até sem cor. Milagre! Eu estava assustada, mas estava bem. Fomos para o hospital e graças a Deus só sofri escoriações leves. 
Fui para casa depois de ser medicada. Minha pele estava grudando na roupa por conta das escoriações. Levou um tempinho para me recuperar por completo, mas nem mesmo a apresentação de fim de ano eu perdi. Daquele dia em diante eu me acostumei a ouvir: Deus tem um plano na sua vida! 
Sim. Eu creio! Ele tem um plano na minha vida como tem para a sua vida também. Aliás, ele não teria permitido a minha e a sua existência se não fosse assim. Ele tem um plano bem elaborado, do começo ao fim e ele cumprirá toda a sua vontade. Não é difícil perceber isto. Basta olhar para a vida e observar cada detalhe. Há um proposito para todas as coisas debaixo do céu (Eclesiastes 3). E para que este proposito se cumpra há também um tempo determinado. Houve um tempo para começar e há um tempo para terminar. Vivamos cada dia conscientes de que aquele que planejou é suficiente poderoso para cuidar de cada detalhe para cumprir o seu plano. Pode acontecer que nesse processo soframos escoriações, mas não nos esqueçamos de que ele cuida de nós. Nos somos o seu próprio plano!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O que aprendo com a gazela?

Convidada para pregar no culto de encerramento das atividades (2013) do grupo Dorcas (grupo de mulheres da AIDB-Uberlândia), me senti motivada a estudar a história desta personagem bíblica que inspirou o nome do grupo. Quem foi Dorcas? O que seu nome significa? Quais seus valores? Porque sua história motiva outras mulheres que trabalham na obra do Senhor?
O nome apresentado na história bíblica é Tabita e sua história é apresentada no contexto de sua morte. Estranho, não?
A narrativa se encontra no livro de Atos, cap.9 à partir do verso 36. E assim começa a descrição dos fatos: “E havia em Jope uma discípula chamada Tabita, que traduzido se diz Dorcas. Esta estava cheia de boas obras e esmolas que fazia. E aconteceu naqueles dias que, enfermando ela, morreu; e, tendo-a lavado, a depositaram num quarto alto”.
Para um “leitor dinâmico” estes dois versos resume toda a história. A mulher existiu, era uma mulher de boas obras, ficou doente e morreu (ponto!). Porém estes dois versos mostram ape…

Encontre a resposta!

Palavras e imagens sempre foram objetos da minha curiosidade. Talvez esta seja a razão porque gosto de fazer palavras cruzadas, montar quebra-cabeça e resolver exercícios de lógica.  Recentemente me vi num entrave com um exercício de lógica. Quatro imagens propunham uma palavra com seis letras. A primeira imagem era de um ovo, a segunda de um bolo de aniversário, a terceira de um cachorro e a última de uma prateleira de sapatos. Fiquei por muito tempo tentando achar a lógica daquele exercício. O que tem em comum um ovo, um bolo, um cachorro e sapatos?  Tentei várias palavras e nada. Deixei o exercício de lado por algumas vezes na esperança de voltar com uma solução. ‘Quebrei a cabeça’ com aquele enigma. Estava procurando uma ligação das imagens até perceber que a lógica estava na cor e não nas imagens em si. Mudei o foco para a cor e facilmente preenchi os espaços com as letras. Interessante como fixamos os olhos no problema e deixamos de perceber a solução bem diante dos nossos olhos. Nã…

Falando sobre "Lagar"

O que Gideão fazia no lagar? Se sua resposta foi diferente de "malhando trigo" acho que não está familiarizado com a história deste homem, pois, era exatamente isso que ele estava fazendo. Mas... para que serve um lagar? Afinal de contas... onde é que se malha o trigo? Bem, não me incomodo se essas perguntas nunca lhe passaram pela cabeça. Porém, desde minha última postagem no blog tenho meditado sobre essa passagem bíblica. O lugar correto para se malhar trigo chama-se Eira que segundo o dicionário quer dizer: extensão de terreno limpo e batido, ou lajeado, onde se secam, malham, trilham e limpam cereais e legumes; Sabe porque Gideão preferiu malhar o trigo num lagar? Ele não estava disposto a perder o seu sustento para os Midianitas. Por algum tempo os midianitas consumiam todo o alimento produzido pelos israelitas. Não somente as suas plantações eram destruídas mas também o seu rebanho. Muito bem, vamos voltar ao lagar... Segundo o dicionário lagar é: tanque onde se espremem ou p…