Pular para o conteúdo principal

E se?

O primeiro voo é sempre mais tenso que os próximos. Lembro-me a primeira viagem que fiz. Fui com uma amiga de Curitiba para Campinas. Era a primeira vez que voaria e a primeira vez da minha amiga também. Claro que nos assustamos com a decolagem e com o pouso, mas no demais ficamos felizes com a experiência. Depois da estreia não queria mais viajar de ônibus. São muitas as razões para escolher avião. Menos horas de viagem, menos barulho, menos odores, enfim, bem menos incômodos.
Morei por um tempo em Curitiba e por vezes voei para Uberlândia para visitar minha família. Acostumei. As longas e intermináveis horas de viagem pela rodovia não me fazem falta.
Porém, em minha ultima viagem, me senti ansiosa. Comprei as passagens no finalzinho de novembro. Estava super feliz. Minha viagem para o sul estava garantida e se tudo corresse bem eu visitaria minha irmã e sua família e ainda aproveitaria um tempinho em Florianópolis, seria demais!
No dia seguinte, da compra da passagem, soube do trágico acidente aéreo com a equipe de futebol da Chapecoense. Uau foi uma pancada! Que notícia triste. Só se ouvia sobre este assunto nos dias seguintes, obviamente nem poderia ser diferente. Quantas famílias chorando a perda dos seus entes queridos...
Alguns dias depois a imprensa noticiou outros acidentes aéreos. Aliás, sempre está noticiando. Porem, quando você está com viagem marcada parece que fica com a atenção voltada a estas notícias. Ou só acontece comigo?
Pois é, o dia da viagem chegou. Abracei meus pais na despedida com o coração muito apertado. Eu poderia estar abraçando eles pela última vez.
Cheguei ao aeroporto, despachei a bagagem e entrei para a sala do embarque. Conferi o sinal de wi-fi e a primeira coisa que fiz foi mandar um “Oi” no grupo da família. Pois é, fiz isto sim para dizer a todos da minha família que amo cada um deles. Aquela poderia ser a última mensagem...
Não sei se é pessimismo. Talvez seja só a consciência chamando para a realidade. E se?
A pior (e a melhor) pergunta que existe é esta: E se?
E se for a última vez? E se for a última despedida? E se for o último sorriso, abraço, reconciliação, pedido de perdão?
Graças a Deus a viagem correu bem. Fui e voltei (e aproveitei a minha viagem) em segurança. Graças a Deus!
A pergunta ainda está fazendo efeito. E se?
O que posso fazer melhor? O que vale a pena? O que não vale?
Que neste restinho de ano eu e você sejamos tomados desta consciência que a vida é curta e o tempo voa.
Boas festas para você e seus queridos!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O que aprendo com a gazela?

Convidada para pregar no culto de encerramento das atividades (2013) do grupo Dorcas (grupo de mulheres da AIDB-Uberlândia), me senti motivada a estudar a história desta personagem bíblica que inspirou o nome do grupo. Quem foi Dorcas? O que seu nome significa? Quais seus valores? Porque sua história motiva outras mulheres que trabalham na obra do Senhor?
O nome apresentado na história bíblica é Tabita e sua história é apresentada no contexto de sua morte. Estranho, não?
A narrativa se encontra no livro de Atos, cap.9 à partir do verso 36. E assim começa a descrição dos fatos: “E havia em Jope uma discípula chamada Tabita, que traduzido se diz Dorcas. Esta estava cheia de boas obras e esmolas que fazia. E aconteceu naqueles dias que, enfermando ela, morreu; e, tendo-a lavado, a depositaram num quarto alto”.
Para um “leitor dinâmico” estes dois versos resume toda a história. A mulher existiu, era uma mulher de boas obras, ficou doente e morreu (ponto!). Porém estes dois versos mostram ape…

Encontre a resposta!

Palavras e imagens sempre foram objetos da minha curiosidade. Talvez esta seja a razão porque gosto de fazer palavras cruzadas, montar quebra-cabeça e resolver exercícios de lógica.  Recentemente me vi num entrave com um exercício de lógica. Quatro imagens propunham uma palavra com seis letras. A primeira imagem era de um ovo, a segunda de um bolo de aniversário, a terceira de um cachorro e a última de uma prateleira de sapatos. Fiquei por muito tempo tentando achar a lógica daquele exercício. O que tem em comum um ovo, um bolo, um cachorro e sapatos?  Tentei várias palavras e nada. Deixei o exercício de lado por algumas vezes na esperança de voltar com uma solução. ‘Quebrei a cabeça’ com aquele enigma. Estava procurando uma ligação das imagens até perceber que a lógica estava na cor e não nas imagens em si. Mudei o foco para a cor e facilmente preenchi os espaços com as letras. Interessante como fixamos os olhos no problema e deixamos de perceber a solução bem diante dos nossos olhos. Nã…

Falando sobre "Lagar"

O que Gideão fazia no lagar? Se sua resposta foi diferente de "malhando trigo" acho que não está familiarizado com a história deste homem, pois, era exatamente isso que ele estava fazendo. Mas... para que serve um lagar? Afinal de contas... onde é que se malha o trigo? Bem, não me incomodo se essas perguntas nunca lhe passaram pela cabeça. Porém, desde minha última postagem no blog tenho meditado sobre essa passagem bíblica. O lugar correto para se malhar trigo chama-se Eira que segundo o dicionário quer dizer: extensão de terreno limpo e batido, ou lajeado, onde se secam, malham, trilham e limpam cereais e legumes; Sabe porque Gideão preferiu malhar o trigo num lagar? Ele não estava disposto a perder o seu sustento para os Midianitas. Por algum tempo os midianitas consumiam todo o alimento produzido pelos israelitas. Não somente as suas plantações eram destruídas mas também o seu rebanho. Muito bem, vamos voltar ao lagar... Segundo o dicionário lagar é: tanque onde se espremem ou p…