Pular para o conteúdo principal

Bon Voyage!

Fazemos diversas comparações na intenção de compreender idéias semelhantes e usualmente recorremos a ‘viagens’ para falar de vida.
É uma boa comparação e nos leva a questões como: objetivos, planejamento, referências, intenções e claro, bagagem.
Não é comum sairmos de casa para uma viagem sem estabelecer estas coisas. Qual o objetivo da viagem? Para onde desejamos ir? Qual será o nosso trajeto? De que maneira faremos a viagem? Com que tipo de transporte? Com quem iremos? Quais são os pontos de referência? A que sinalizações precisamos nos atentar? Quanto tempo ficaremos fora? E... O que levaremos na bagagem?
Essas perguntas podem ser aplicadas à vida em todo o tempo.
-  Se não temos a compreensão de nossos objetivos não sairemos do lugar.
- Somos expostos a vários caminhos, muitos deles são atalhos. Compreendendo nossos objetivos poderemos seguir sem distrações, ainda que seja de difícil acesso nos levará ao destino.
- Alguns optam por serem conduzidos, outros optam por conduzir. Existe uma grande diferença. Na condição de condutores temos que nos certificar que nada atrapalhe nossa visão. Precisamos estar em boas condições físicas e mentais para seguir nossa viagem e para isso precisaremos ora abrir mão de alguma coisa ora não abrir mão de outras coisas.
- Nada é tão frustrante para um viajante do que não ter referências. Saber o destino é importante e as referências nos posicionam quanto ao caminho. Elas nos ajudarão compreender se estamos atingindo os nossos objetivos.
- As vias por onde trafegamos dão indicações importantes. Precisamos nos atentar para o que elas estão indicando. É ruim ser pego de surpresa. Curvas sinuosas podem estar logo à frente.
- Viajar acompanhado é muitas vezes melhor que sozinho. Mas, alguns conseguem fazer a viagem ser um verdadeiro martírio. Quem você vai levar consigo? A companhia é importante, se não fosse talvez nunca tivéssemos o conhecimento daquele ditado: “Antes só que mal acompanhado”. Não tem que ser assim, só precisamos saber escolher nossas companhias.
- “O tempo é ouro” e claro ninguém é tolo de jogar ouro aos porcos. Nossa viagem sempre demanda tempo e precisamos saber aproveitá-lo.
- Finalmente, não se sai para uma viagem sem uma bagagem. O que vamos colocar nela? O que precisaremos usar? O que se tornará peso e nos impedirá de aproveitar 100% nossa viagem? Já dizia certo autor: “precisamos aliviar a bagagem”. Alguém discorda?
Que tal tirar um tempo para pensar no que este texto nos diz?
Enfim teremos uma pergunta para responder: O que mais gostamos na viagem?
A resposta pode ser muito positiva se todos esses aspectos forem observados.

Então: Bon Voyage!
_________________
Caro leitor, 
resolvi vasculhar meus arquivos de reflexões e postar novamente alguns textos. Certamente você vai ser edificado com as palavras aqui expostas mesmo que em algum momento você já as tenha lido.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O que aprendo com a gazela?

Convidada para pregar no culto de encerramento das atividades (2013) do grupo Dorcas (grupo de mulheres da AIDB-Uberlândia), me senti motivada a estudar a história desta personagem bíblica que inspirou o nome do grupo. Quem foi Dorcas? O que seu nome significa? Quais seus valores? Porque sua história motiva outras mulheres que trabalham na obra do Senhor?
O nome apresentado na história bíblica é Tabita e sua história é apresentada no contexto de sua morte. Estranho, não?
A narrativa se encontra no livro de Atos, cap.9 à partir do verso 36. E assim começa a descrição dos fatos: “E havia em Jope uma discípula chamada Tabita, que traduzido se diz Dorcas. Esta estava cheia de boas obras e esmolas que fazia. E aconteceu naqueles dias que, enfermando ela, morreu; e, tendo-a lavado, a depositaram num quarto alto”.
Para um “leitor dinâmico” estes dois versos resume toda a história. A mulher existiu, era uma mulher de boas obras, ficou doente e morreu (ponto!). Porém estes dois versos mostram ape…

Encontre a resposta!

Palavras e imagens sempre foram objetos da minha curiosidade. Talvez esta seja a razão porque gosto de fazer palavras cruzadas, montar quebra-cabeça e resolver exercícios de lógica.  Recentemente me vi num entrave com um exercício de lógica. Quatro imagens propunham uma palavra com seis letras. A primeira imagem era de um ovo, a segunda de um bolo de aniversário, a terceira de um cachorro e a última de uma prateleira de sapatos. Fiquei por muito tempo tentando achar a lógica daquele exercício. O que tem em comum um ovo, um bolo, um cachorro e sapatos?  Tentei várias palavras e nada. Deixei o exercício de lado por algumas vezes na esperança de voltar com uma solução. ‘Quebrei a cabeça’ com aquele enigma. Estava procurando uma ligação das imagens até perceber que a lógica estava na cor e não nas imagens em si. Mudei o foco para a cor e facilmente preenchi os espaços com as letras. Interessante como fixamos os olhos no problema e deixamos de perceber a solução bem diante dos nossos olhos. Nã…

Falando sobre "Lagar"

O que Gideão fazia no lagar? Se sua resposta foi diferente de "malhando trigo" acho que não está familiarizado com a história deste homem, pois, era exatamente isso que ele estava fazendo. Mas... para que serve um lagar? Afinal de contas... onde é que se malha o trigo? Bem, não me incomodo se essas perguntas nunca lhe passaram pela cabeça. Porém, desde minha última postagem no blog tenho meditado sobre essa passagem bíblica. O lugar correto para se malhar trigo chama-se Eira que segundo o dicionário quer dizer: extensão de terreno limpo e batido, ou lajeado, onde se secam, malham, trilham e limpam cereais e legumes; Sabe porque Gideão preferiu malhar o trigo num lagar? Ele não estava disposto a perder o seu sustento para os Midianitas. Por algum tempo os midianitas consumiam todo o alimento produzido pelos israelitas. Não somente as suas plantações eram destruídas mas também o seu rebanho. Muito bem, vamos voltar ao lagar... Segundo o dicionário lagar é: tanque onde se espremem ou p…