Pular para o conteúdo principal

Crítica - Croqui ou Manequim?

No ano de 2003 eu aproveitei meu tempo ocioso para melhorar minhas habilidades de desenho. Matriculei-me num curso de estilismo. Imaginava que aquele curso poderia me ajudar com os traços humanos. Melhorei bem. Vi um progresso nos meus desenhos. Não estava preocupada com moda, não era o meu objetivo. Durante o curso falamos muito sobre a estilização da forma, um recurso muito usado nesta área. Estilizar é desenhar modificando; alongando, afinando, torcendo, achatando, mas mantendo uma ideia do original. Basta lembrar-se daquele desenho do estilista, o croqui usado como base para desenhar roupas. Geralmente é um desenho de um corpo muito alongado, com braços pernas e coluna em posições contorcidas e que marcam bem a cintura ou quadris dependendo do detalhe que se quer realçar. 
A lembrança desse assunto me veio quando passeava por um shopping em Curitiba. O empreendimento foi inaugurado em 2003. Voltado para um publico de alto padrão ele conta com lojas de grifes nacionais e internacionais. Não é a primeira vez que ando por lá. O shopping não restringe visitas (risos). Porém, desta vez olhando para as vitrinas, me deparei com uma que me deixou bem reflexiva. 
Vi manequins bastante estilizados, com pernas e braços muito alongados, colunas contorcidas, esqueléticos lembrando um croqui de moda. O problema é que não se trata de desenho. Aqueles manequins expõem roupas à venda. Não penso que a loja trabalha apenas com tamanhos pequenos. A questão nem é esta. Mas, a sensação que tive ao olhar para a vitrina é que a loja faz um culto à magreza. E nós sabemos que os excessos são prejudiciais à saúde. Tanto a magreza quanto a obesidade. Aquela vitrina me fez pensar em anorexia e bulimia, distúrbios alimentares geralmente presentes em pessoas que desejam se enquadrar num padrão de beleza não alcançável. 
Se a intenção da loja é chamar a atenção do consumidor, não é para o seu produto que está chamando a atenção, mas para sua atitude. Eu amo design. Sei apreciar uma boa ideia. Também sei que vitrinismo é uma profissão. Existem pessoas que estudam para decorar vitrinas, pensar no layout, na melhor forma de expor produtos, explorar cores e formas. Mas, esta loja extrapolou na sua criatividade e inovação passando uma imagem negativa. Os distúrbios alimentares são reais, causam graves danos à saúde. Anorexia e bulimia são assuntos que deveriam ser levados em conta na hora de montar uma vitrina. Há muitas formas de chamar a atenção do consumidor e com certeza esta não foi a melhor.
Se você conhece alguém que sofre com distúrbios alimentares incentive-o a procurar ajuda médica! Cada individuo tem um tipo físico diferente. Cuide da sua saúde e não sofra com um padrão de beleza inatingível. 

Obs.: A Loja que me chamou a atenção fica no Pátio Batel (no piso L1) em Curitiba. Não dá para não notar sua vitrina...

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O que aprendo com a gazela?

Convidada para pregar no culto de encerramento das atividades (2013) do grupo Dorcas (grupo de mulheres da AIDB-Uberlândia), me senti motivada a estudar a história desta personagem bíblica que inspirou o nome do grupo. Quem foi Dorcas? O que seu nome significa? Quais seus valores? Porque sua história motiva outras mulheres que trabalham na obra do Senhor?
O nome apresentado na história bíblica é Tabita e sua história é apresentada no contexto de sua morte. Estranho, não?
A narrativa se encontra no livro de Atos, cap.9 à partir do verso 36. E assim começa a descrição dos fatos: “E havia em Jope uma discípula chamada Tabita, que traduzido se diz Dorcas. Esta estava cheia de boas obras e esmolas que fazia. E aconteceu naqueles dias que, enfermando ela, morreu; e, tendo-a lavado, a depositaram num quarto alto”.
Para um “leitor dinâmico” estes dois versos resume toda a história. A mulher existiu, era uma mulher de boas obras, ficou doente e morreu (ponto!). Porém estes dois versos mostram ape…

Encontre a resposta!

Palavras e imagens sempre foram objetos da minha curiosidade. Talvez esta seja a razão porque gosto de fazer palavras cruzadas, montar quebra-cabeça e resolver exercícios de lógica.  Recentemente me vi num entrave com um exercício de lógica. Quatro imagens propunham uma palavra com seis letras. A primeira imagem era de um ovo, a segunda de um bolo de aniversário, a terceira de um cachorro e a última de uma prateleira de sapatos. Fiquei por muito tempo tentando achar a lógica daquele exercício. O que tem em comum um ovo, um bolo, um cachorro e sapatos?  Tentei várias palavras e nada. Deixei o exercício de lado por algumas vezes na esperança de voltar com uma solução. ‘Quebrei a cabeça’ com aquele enigma. Estava procurando uma ligação das imagens até perceber que a lógica estava na cor e não nas imagens em si. Mudei o foco para a cor e facilmente preenchi os espaços com as letras. Interessante como fixamos os olhos no problema e deixamos de perceber a solução bem diante dos nossos olhos. Nã…

Falando sobre "Lagar"

O que Gideão fazia no lagar? Se sua resposta foi diferente de "malhando trigo" acho que não está familiarizado com a história deste homem, pois, era exatamente isso que ele estava fazendo. Mas... para que serve um lagar? Afinal de contas... onde é que se malha o trigo? Bem, não me incomodo se essas perguntas nunca lhe passaram pela cabeça. Porém, desde minha última postagem no blog tenho meditado sobre essa passagem bíblica. O lugar correto para se malhar trigo chama-se Eira que segundo o dicionário quer dizer: extensão de terreno limpo e batido, ou lajeado, onde se secam, malham, trilham e limpam cereais e legumes; Sabe porque Gideão preferiu malhar o trigo num lagar? Ele não estava disposto a perder o seu sustento para os Midianitas. Por algum tempo os midianitas consumiam todo o alimento produzido pelos israelitas. Não somente as suas plantações eram destruídas mas também o seu rebanho. Muito bem, vamos voltar ao lagar... Segundo o dicionário lagar é: tanque onde se espremem ou p…