Pular para o conteúdo principal

Daniel - O decidido

Tenho me exercitado bastante na observação e confesso que dia após dia fico mais surpresa com o comportamento humano. Sei que não sou perfeita e estou longe de alcançar a perfeição. Quem dera estivesse mais à frente neste quesito! Fico admirada com a falta de decisão da sociedade atual, salvo as exceções. 
O que dá a entender é que as “decisões” que se tomam se sustentam numa pequena conjunção condicional: “se”. Eu faço assim, mas se não der certo, faço assado... Eu vou, mas se eu tiver um plano B... E por aí vai. Tudo depende tudo é relativo e o SIM e o NÃO são cada vez mais “flexíveis”. Exemplo disto se pode ver nos casamentos atuais. São compromissos assumidos diante da possibilidade de um divórcio “se” não der certo. Tem sempre um “jeitinho brasileiro” para driblar as decisões. 
Aprendi desde criança que nossa palavra deve ser sim ou não. Uma vez que se toma uma decisão, não se deve voltar atrás. Aprendi que toda decisão tem a sua consequência. 
Particularmente preciso de tempo para pensar para então tomar uma decisão. Esse negócio de “pense rápido” geralmente não funciona comigo. Opto muito pela cautela e responsabilidade e certamente farei o possível para cumprir minha palavra. Aprendi assim e acredito que é o certo. Não digo que é fácil, pois não é. Mas, impossível não é.
Vejo muitas pessoas fracas de caráter, muitas vezes dependentes de uma ajudinha para viver. Não se responsabilizam por suas decisões, aliás, precisam se apoiar na opinião de terceiros para dar uma palavra e que nem sempre se manterá firme. São rápidas nas “decisões” tão rápidas que voltam atrás constantemente. Suas decisões são como gangorras apoiadas no eixo da dúvida: “se”.
Eu oro a Deus que me ajude. Não quero ser como estes. Prefiro ser como Daniel, uma pessoa decidida! O livro de Daniel está cheio de lições sobre decisão; determinação; coragem. Tanto o personagem central como outros personagens como Hananias, Azarias e Misael. Homens que deram a sua palavra defenderam sua postura, assumiram os riscos, sofreram as consequências, mas não voltaram atrás nas suas decisões. Foram provados mais de uma vez e foram persistentes. Suas palavras tiveram peso.
O que precisamos neste tempo é de pessoas que assumam suas responsabilidades... Pessoas que têm a coragem para dizer um SIM ou um NÃO e assumir as consequências... Pessoas que se decidam de verdade, que deixem a gangorra da indecisão de lado e assumam uma postura diante dos fatos.
Decisão é algo sério!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O que aprendo com a gazela?

Convidada para pregar no culto de encerramento das atividades (2013) do grupo Dorcas (grupo de mulheres da AIDB-Uberlândia), me senti motivada a estudar a história desta personagem bíblica que inspirou o nome do grupo. Quem foi Dorcas? O que seu nome significa? Quais seus valores? Porque sua história motiva outras mulheres que trabalham na obra do Senhor?
O nome apresentado na história bíblica é Tabita e sua história é apresentada no contexto de sua morte. Estranho, não?
A narrativa se encontra no livro de Atos, cap.9 à partir do verso 36. E assim começa a descrição dos fatos: “E havia em Jope uma discípula chamada Tabita, que traduzido se diz Dorcas. Esta estava cheia de boas obras e esmolas que fazia. E aconteceu naqueles dias que, enfermando ela, morreu; e, tendo-a lavado, a depositaram num quarto alto”.
Para um “leitor dinâmico” estes dois versos resume toda a história. A mulher existiu, era uma mulher de boas obras, ficou doente e morreu (ponto!). Porém estes dois versos mostram ape…

Encontre a resposta!

Palavras e imagens sempre foram objetos da minha curiosidade. Talvez esta seja a razão porque gosto de fazer palavras cruzadas, montar quebra-cabeça e resolver exercícios de lógica.  Recentemente me vi num entrave com um exercício de lógica. Quatro imagens propunham uma palavra com seis letras. A primeira imagem era de um ovo, a segunda de um bolo de aniversário, a terceira de um cachorro e a última de uma prateleira de sapatos. Fiquei por muito tempo tentando achar a lógica daquele exercício. O que tem em comum um ovo, um bolo, um cachorro e sapatos?  Tentei várias palavras e nada. Deixei o exercício de lado por algumas vezes na esperança de voltar com uma solução. ‘Quebrei a cabeça’ com aquele enigma. Estava procurando uma ligação das imagens até perceber que a lógica estava na cor e não nas imagens em si. Mudei o foco para a cor e facilmente preenchi os espaços com as letras. Interessante como fixamos os olhos no problema e deixamos de perceber a solução bem diante dos nossos olhos. Nã…

Falando sobre "Lagar"

O que Gideão fazia no lagar? Se sua resposta foi diferente de "malhando trigo" acho que não está familiarizado com a história deste homem, pois, era exatamente isso que ele estava fazendo. Mas... para que serve um lagar? Afinal de contas... onde é que se malha o trigo? Bem, não me incomodo se essas perguntas nunca lhe passaram pela cabeça. Porém, desde minha última postagem no blog tenho meditado sobre essa passagem bíblica. O lugar correto para se malhar trigo chama-se Eira que segundo o dicionário quer dizer: extensão de terreno limpo e batido, ou lajeado, onde se secam, malham, trilham e limpam cereais e legumes; Sabe porque Gideão preferiu malhar o trigo num lagar? Ele não estava disposto a perder o seu sustento para os Midianitas. Por algum tempo os midianitas consumiam todo o alimento produzido pelos israelitas. Não somente as suas plantações eram destruídas mas também o seu rebanho. Muito bem, vamos voltar ao lagar... Segundo o dicionário lagar é: tanque onde se espremem ou p…