Pular para o conteúdo principal

Essência

Algumas receitas culinárias pedem que se lhe adicione essência disto ou daquilo. Muitas delas referem-se a essência de baunilha. Além de dar sabor à receita ela acrescenta um cheiro muito especifico e bom.
Acabei descobrindo, em decorrência da minha curiosidade, algo que me impressionou. As essências de baunilha que facilmente encontramos nos mercados, não contem baunilha.
Como assim? Como pode uma essência não ter aquilo que lhe é próprio?
Essência, segundo o dicionário Michaelis, quer dizer: Natureza íntima das coisas; aquilo que faz que uma coisa seja o que é, ou que lhe dá a aparência dominante; aquilo que constitui a natureza de um objeto.  
Para quem trabalha com culinária a informação acima não é um problema. O que acontece é que o produto é adquirido por meio de processos químicos e o resultado fica bem próximo do desejado. 
O que mais me chama a atenção na verdade é o termo “essência”.
É fácil perceber que muitos têm vendido uma aparência daquilo que se pretende, mas que na verdade não constitui a natureza da coisa. Complicado?
Se eu levar este texto para o contexto religioso talvez consiga lhe explicar.
Muitos vendem a aparência de religioso (e isto acontece em qualquer religião), mas na verdade a aparência não corresponde com aquilo que a religião prega, não têm a essência da religião em si mesmos. Por esta razão há tantos escândalos. Estamos vendo o resultado disto nos noticiários mundo afora. É fácil parecer caridoso, amoroso, santo, crente, paciente.
A cor, o cheiro, a textura da essência que se vende no mercado podem ser obtidos sinteticamente. Porém, algum curioso um dia descobrirá que naquela composição está faltando o produto principal. Da mesma forma conseguimos esconder a nossa natureza por um período de tempo, mas a nossa essência em algum momento se manifestará. É preciso ter muito mais que a aparência. Precisamos ter a essência: Deus!
Que Deus nos ajude a ser semelhantes a Ele, de ter em nós mesmos a natureza dele. Só assim poderemos ser essencialmente santos. 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O que aprendo com a gazela?

Convidada para pregar no culto de encerramento das atividades (2013) do grupo Dorcas (grupo de mulheres da AIDB-Uberlândia), me senti motivada a estudar a história desta personagem bíblica que inspirou o nome do grupo. Quem foi Dorcas? O que seu nome significa? Quais seus valores? Porque sua história motiva outras mulheres que trabalham na obra do Senhor?
O nome apresentado na história bíblica é Tabita e sua história é apresentada no contexto de sua morte. Estranho, não?
A narrativa se encontra no livro de Atos, cap.9 à partir do verso 36. E assim começa a descrição dos fatos: “E havia em Jope uma discípula chamada Tabita, que traduzido se diz Dorcas. Esta estava cheia de boas obras e esmolas que fazia. E aconteceu naqueles dias que, enfermando ela, morreu; e, tendo-a lavado, a depositaram num quarto alto”.
Para um “leitor dinâmico” estes dois versos resume toda a história. A mulher existiu, era uma mulher de boas obras, ficou doente e morreu (ponto!). Porém estes dois versos mostram ape…

Encontre a resposta!

Palavras e imagens sempre foram objetos da minha curiosidade. Talvez esta seja a razão porque gosto de fazer palavras cruzadas, montar quebra-cabeça e resolver exercícios de lógica.  Recentemente me vi num entrave com um exercício de lógica. Quatro imagens propunham uma palavra com seis letras. A primeira imagem era de um ovo, a segunda de um bolo de aniversário, a terceira de um cachorro e a última de uma prateleira de sapatos. Fiquei por muito tempo tentando achar a lógica daquele exercício. O que tem em comum um ovo, um bolo, um cachorro e sapatos?  Tentei várias palavras e nada. Deixei o exercício de lado por algumas vezes na esperança de voltar com uma solução. ‘Quebrei a cabeça’ com aquele enigma. Estava procurando uma ligação das imagens até perceber que a lógica estava na cor e não nas imagens em si. Mudei o foco para a cor e facilmente preenchi os espaços com as letras. Interessante como fixamos os olhos no problema e deixamos de perceber a solução bem diante dos nossos olhos. Nã…

Falando sobre "Lagar"

O que Gideão fazia no lagar? Se sua resposta foi diferente de "malhando trigo" acho que não está familiarizado com a história deste homem, pois, era exatamente isso que ele estava fazendo. Mas... para que serve um lagar? Afinal de contas... onde é que se malha o trigo? Bem, não me incomodo se essas perguntas nunca lhe passaram pela cabeça. Porém, desde minha última postagem no blog tenho meditado sobre essa passagem bíblica. O lugar correto para se malhar trigo chama-se Eira que segundo o dicionário quer dizer: extensão de terreno limpo e batido, ou lajeado, onde se secam, malham, trilham e limpam cereais e legumes; Sabe porque Gideão preferiu malhar o trigo num lagar? Ele não estava disposto a perder o seu sustento para os Midianitas. Por algum tempo os midianitas consumiam todo o alimento produzido pelos israelitas. Não somente as suas plantações eram destruídas mas também o seu rebanho. Muito bem, vamos voltar ao lagar... Segundo o dicionário lagar é: tanque onde se espremem ou p…