Pular para o conteúdo principal

Zona de turbulência

Aprendi a orar desde muito pequena (tenho que rever esta frase). Meus pais me ensinaram a importância de falar com Deus desde a minha infância, e eu aprendi. 
Sempre que íamos viajar, fazíamos uma oração a Deus apresentando a nossa viagem e clamávamos a ele por proteção. Quando chegávamos fazíamos uma oração de agradecimento. E ainda hoje é assim. Graças a Deus temos vivenciado muitos livramentos e podemos fazer coro com o profeta Samuel dizendo: Ebenézer – até aqui nos ajudou o Senhor!
Quando comecei a viajar de avião, mudei um pouco a minha oração já que é um meio de transporte bem diferente do que estava acostumada. Não demorou muito perceber as vantagens destas viagens, principalmente para trajetos longos.
Antes de entrar na aeronave faço minha oração e quando me assento percebo alguns passageiros fazendo o sinal da cruz. Há certa tensão “no ar” antes da decolagem e a mesma tensão volta antes do pouso. Graças a Deus todas as viagens que fiz até hoje foram tranquilas. Porém, nesta última viagem, provei um momento tenso quando passamos por uma breve, mas forte turbulência. 
Voltava de Campinas para Uberlândia. A aeronave era de médio porte. Eu estava sentada bem no rumo da hélice. Era noite e as nuvens estavam bem escuras e carregadas. Da janela não dava para ver nada. 
Quando entramos na zona de turbulência comecei a ver, de tempo em tempo, um reflexo vermelho e a silhueta da hélice. A sensação não era das melhores. De repente veio a turbulência mais forte. Foi numa fração de segundos. Todos se seguraram na poltrona num movimento involuntário causado pelo susto. 
Passado o temor tudo voltou ao normal e pousamos em segurança no nosso destino. 
Aquele reflexo de segurar firmemente na poltrona ficou marcado na minha memória. Mesmo confiando na segurança de voar, quando aconteceu a turbulência todos tiveram a mesma reação. É uma resposta automática da psique.  
Talvez possa dizer que na fé reagimos da mesma maneira. Confiamos em Deus e ficamos em paz quando tudo vai bem. Porém, quando atravessamos uma zona de turbulência a nossa fé é provada. Imediatamente nos “seguramos” na “poltrona”, ou seja, clamamos a Deus por socorro. É como um grito da alma, uma resposta imediata ao momento de tensão. Apesar de confiar, de nos sentirmos seguros em Cristo, temos a necessidade de pedir por socorro. E Ele vem.
Deus está conosco. Ele é o nosso lugar seguro. O nosso refugio. Em tempos bons ou em tempos ruins ele permanece o mesmo. Podemos nos deleitar nele e seguir em paz em nossa “viagem” pela vida.  

Comentários

Amém Daphnne. Amém!!!!

Postagens mais visitadas deste blog

O que aprendo com a gazela?

Convidada para pregar no culto de encerramento das atividades (2013) do grupo Dorcas (grupo de mulheres da AIDB-Uberlândia), me senti motivada a estudar a história desta personagem bíblica que inspirou o nome do grupo. Quem foi Dorcas? O que seu nome significa? Quais seus valores? Porque sua história motiva outras mulheres que trabalham na obra do Senhor?
O nome apresentado na história bíblica é Tabita e sua história é apresentada no contexto de sua morte. Estranho, não?
A narrativa se encontra no livro de Atos, cap.9 à partir do verso 36. E assim começa a descrição dos fatos: “E havia em Jope uma discípula chamada Tabita, que traduzido se diz Dorcas. Esta estava cheia de boas obras e esmolas que fazia. E aconteceu naqueles dias que, enfermando ela, morreu; e, tendo-a lavado, a depositaram num quarto alto”.
Para um “leitor dinâmico” estes dois versos resume toda a história. A mulher existiu, era uma mulher de boas obras, ficou doente e morreu (ponto!). Porém estes dois versos mostram ape…

Encontre a resposta!

Palavras e imagens sempre foram objetos da minha curiosidade. Talvez esta seja a razão porque gosto de fazer palavras cruzadas, montar quebra-cabeça e resolver exercícios de lógica.  Recentemente me vi num entrave com um exercício de lógica. Quatro imagens propunham uma palavra com seis letras. A primeira imagem era de um ovo, a segunda de um bolo de aniversário, a terceira de um cachorro e a última de uma prateleira de sapatos. Fiquei por muito tempo tentando achar a lógica daquele exercício. O que tem em comum um ovo, um bolo, um cachorro e sapatos?  Tentei várias palavras e nada. Deixei o exercício de lado por algumas vezes na esperança de voltar com uma solução. ‘Quebrei a cabeça’ com aquele enigma. Estava procurando uma ligação das imagens até perceber que a lógica estava na cor e não nas imagens em si. Mudei o foco para a cor e facilmente preenchi os espaços com as letras. Interessante como fixamos os olhos no problema e deixamos de perceber a solução bem diante dos nossos olhos. Nã…

Falando sobre "Lagar"

O que Gideão fazia no lagar? Se sua resposta foi diferente de "malhando trigo" acho que não está familiarizado com a história deste homem, pois, era exatamente isso que ele estava fazendo. Mas... para que serve um lagar? Afinal de contas... onde é que se malha o trigo? Bem, não me incomodo se essas perguntas nunca lhe passaram pela cabeça. Porém, desde minha última postagem no blog tenho meditado sobre essa passagem bíblica. O lugar correto para se malhar trigo chama-se Eira que segundo o dicionário quer dizer: extensão de terreno limpo e batido, ou lajeado, onde se secam, malham, trilham e limpam cereais e legumes; Sabe porque Gideão preferiu malhar o trigo num lagar? Ele não estava disposto a perder o seu sustento para os Midianitas. Por algum tempo os midianitas consumiam todo o alimento produzido pelos israelitas. Não somente as suas plantações eram destruídas mas também o seu rebanho. Muito bem, vamos voltar ao lagar... Segundo o dicionário lagar é: tanque onde se espremem ou p…