Pular para o conteúdo principal

O presente que ganhei

Ano passado eu escrevi um texto sobre as coisas que aprendi em 31 anos. Li recentemente aquele texto. Surpreendo-me com o quanto a vida nos ensina. Passamos por ela aprendendo coisas e no fim, o que aprendemos não é tudo. 
Toda escolha tem uma consequência, todo erro uma oportunidade de aprendizado, toda conquista uma pedida de humildade e todo sonho uma pitada de loucura e ousadia.
Quem é bom em dar desculpas não se ocupa em ser bom em outra coisa. O covarde sempre é o melhor jogador de ‘batata quente’ lançando para outro a responsabilidade de seus próprios atos.
Pai e mãe sempre têm as palavras certas nas horas mais incertas. 
A distância daqueles que amamos nos faz reconhecer o quanto o amor é ilimitado.
O bom pode ser melhor. O pior pode piorar. Tudo depende de atitude, escolhas, decisão.
Oportunidades se movem rapidamente e não permanecem para sempre. Só há duas coisas a fazer, ou se agarra ou deixa passar.
Uma bagagem sempre é mais arrumada na ida do que na volta.
Por mais que se façam anotações, sempre haverá algum detalhe que passará despercebido.
Todos, em algum momento, ‘pagarão língua’.
Emoções sempre são desafiadas. Até mesmo os mais insensíveis em algum momento romperão em lágrimas.
Esperar talvez seja um desafio grande demais, porém, quando culmina numa grande realização revela que vale a pena.
Toda escolha tem seu bônus e seu ônus. 
Cada vez mais a ditadura da beleza apaga o brilho e belezas naturais daqueles que a si se submetem.
Viver de fachada é um fardo pesado demais para se carregar.
As redes sociais são mestres em ‘superficializar’ as relações humanas. 
Podemos nos tornar reféns de um sistema quando isto depende de escolhas coletivas e nos sentir impotentes diante das desastrosas consequências destas escolhas.
Apesar de dias difíceis sempre haverá dias de deslumbramentos. 
É possível se maravilhar com as belezas naturais. Nada como o céu, o mar, as vegetações, montanhas e flores com suas formas, cores, cheiros e sons.
Um adulto pode voltar a ‘engatinhar’ quando se encontra com uma criança.
O silêncio pode ser relaxante ou completamente perturbador dependendo da ocasião.
Uma musica bem executada pode elevar a alma – a reciproca é verdadeira.
A alegria sempre pede uma canção, já a tristeza a afasta.
Sorrir é um bom exercício para a musculatura do rosto, a alegria um excelente produto de beleza.
Açúcar ou sal demais pode estragar qualquer refeição. Em dias quentes, um sorvete vai bem. Churrasco não é coisa de se dispensar.
Um bom livro te faz perdido no tempo. Um livro ruim te faz concentrar no ‘tic tac’ do relógio.
São tantos aprendizados, muitas experiências. Cada uma delas é como um grão de areia. 
Tanta coisa boa acontece na vida. Vale a pena cada segundo. 


Obrigada meu Deus por este precioso presente! 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O que aprendo com a gazela?

Convidada para pregar no culto de encerramento das atividades (2013) do grupo Dorcas (grupo de mulheres da AIDB-Uberlândia), me senti motivada a estudar a história desta personagem bíblica que inspirou o nome do grupo. Quem foi Dorcas? O que seu nome significa? Quais seus valores? Porque sua história motiva outras mulheres que trabalham na obra do Senhor?
O nome apresentado na história bíblica é Tabita e sua história é apresentada no contexto de sua morte. Estranho, não?
A narrativa se encontra no livro de Atos, cap.9 à partir do verso 36. E assim começa a descrição dos fatos: “E havia em Jope uma discípula chamada Tabita, que traduzido se diz Dorcas. Esta estava cheia de boas obras e esmolas que fazia. E aconteceu naqueles dias que, enfermando ela, morreu; e, tendo-a lavado, a depositaram num quarto alto”.
Para um “leitor dinâmico” estes dois versos resume toda a história. A mulher existiu, era uma mulher de boas obras, ficou doente e morreu (ponto!). Porém estes dois versos mostram ape…

Encontre a resposta!

Palavras e imagens sempre foram objetos da minha curiosidade. Talvez esta seja a razão porque gosto de fazer palavras cruzadas, montar quebra-cabeça e resolver exercícios de lógica.  Recentemente me vi num entrave com um exercício de lógica. Quatro imagens propunham uma palavra com seis letras. A primeira imagem era de um ovo, a segunda de um bolo de aniversário, a terceira de um cachorro e a última de uma prateleira de sapatos. Fiquei por muito tempo tentando achar a lógica daquele exercício. O que tem em comum um ovo, um bolo, um cachorro e sapatos?  Tentei várias palavras e nada. Deixei o exercício de lado por algumas vezes na esperança de voltar com uma solução. ‘Quebrei a cabeça’ com aquele enigma. Estava procurando uma ligação das imagens até perceber que a lógica estava na cor e não nas imagens em si. Mudei o foco para a cor e facilmente preenchi os espaços com as letras. Interessante como fixamos os olhos no problema e deixamos de perceber a solução bem diante dos nossos olhos. Nã…

Falando sobre "Lagar"

O que Gideão fazia no lagar? Se sua resposta foi diferente de "malhando trigo" acho que não está familiarizado com a história deste homem, pois, era exatamente isso que ele estava fazendo. Mas... para que serve um lagar? Afinal de contas... onde é que se malha o trigo? Bem, não me incomodo se essas perguntas nunca lhe passaram pela cabeça. Porém, desde minha última postagem no blog tenho meditado sobre essa passagem bíblica. O lugar correto para se malhar trigo chama-se Eira que segundo o dicionário quer dizer: extensão de terreno limpo e batido, ou lajeado, onde se secam, malham, trilham e limpam cereais e legumes; Sabe porque Gideão preferiu malhar o trigo num lagar? Ele não estava disposto a perder o seu sustento para os Midianitas. Por algum tempo os midianitas consumiam todo o alimento produzido pelos israelitas. Não somente as suas plantações eram destruídas mas também o seu rebanho. Muito bem, vamos voltar ao lagar... Segundo o dicionário lagar é: tanque onde se espremem ou p…