Pular para o conteúdo principal

Curiosidade e Insistência

Se você perguntar para qualquer pessoa da minha família quem de nós é o mais insistente, eles responderão em uníssono: a Daphnne.
Eu acho que eles têm razão. Eu sou mesmo muito insistente, desde criança.
Obviamente esta minha ‘qualidade’ já me deixou em situações complicadas, mas também já me fez experimentar coisas muito boas.
Não bastasse ser insistente, sou também curiosa, assumida! Quando algo me chama a atenção sou capaz de dedicar tempo e estudo para aprender sobre o assunto. Alguns podem achar que insistência e curiosidade são péssimos defeitos. Eu interpreto como qualidades.  
Há algum tempo fui fisgada pela gastronomia. Anote isto: Ainda serei uma chef. 
(Que presunção!). 
O que na verdade acontece é que gosto de comer, comer bem. Sabe do que estou falando? Gosto de ‘comer com os olhos’, ‘comer com a boca’... Sentir os sabores, as texturas, os cheiros... 
Graças a Deus minha mãe sempre foi ótima cozinheira! Aprendi com ela muitas coisas boas na cozinha. Não me esqueço de quando ela ganhou o livro A Boa Mesa. Uau! Aquilo foi incrível, o meu primeiro contato com um livro de gastronomia. Comecei a folheá-lo e me encantei com as imagens. Não demorou muito para querer reproduzir algumas receitas.
O tempo passou e o hobby adquirido ficou meio esquecido até que em 2011 a curiosidade gastronômica se despertou. Desde então, ainda que timidamente, tenho provado algumas receitas clássicas nacionais e internacionais.
Por último me convenci de que queria experimentar uma sobremesa francesa* conhecida como Crème Brûlée (*há controvérsias! – mas não vou estragar meu texto com esta discussão). Como aconteceu com os ‘macarons’ pesquisei inúmeras receitas até encontrar uma que pudesse reproduzir. Ô curiosidade! Então começou a procura pelos ingredientes e utensílios necessários. 
Moro numa cidade do interior e isto dificulta um pouco a reprodução de receitas mais elaboradas, mas o que é isto para uma pessoa tão insistente? Um desafio? Desafio aceito!
Garantido os ingredientes, fui à busca de um utensílio - um maçarico de cozinha. Até que não foi tão difícil. Aliás, foi a parte mais fácil da minha saga. O problema ficou por conta do gás. Demorou algum tempo para que o gás butano fosse parar no maçarico, mas consegui. De novo tenho que dizer: ponto para minha insistência!
Ok! Tudo isto foi para dizer que finalmente eu comi um Crème Brûlée. Tive o prazer de quebrar o açúcar caramelizado e comer um creme de baunilha muito saboroso. A experiência foi ótima. Aí você me pergunta: A experiência de comer uma simples sobremesa? Não só isto! A experiência de comer um Crème Brûlée que eu mesma fiz isto faz diferença para mim! 
Graças à minha curiosidade e insistência “eu consegui”. Esta expressão realça qualquer sabor!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O que aprendo com a gazela?

Convidada para pregar no culto de encerramento das atividades (2013) do grupo Dorcas (grupo de mulheres da AIDB-Uberlândia), me senti motivada a estudar a história desta personagem bíblica que inspirou o nome do grupo. Quem foi Dorcas? O que seu nome significa? Quais seus valores? Porque sua história motiva outras mulheres que trabalham na obra do Senhor?
O nome apresentado na história bíblica é Tabita e sua história é apresentada no contexto de sua morte. Estranho, não?
A narrativa se encontra no livro de Atos, cap.9 à partir do verso 36. E assim começa a descrição dos fatos: “E havia em Jope uma discípula chamada Tabita, que traduzido se diz Dorcas. Esta estava cheia de boas obras e esmolas que fazia. E aconteceu naqueles dias que, enfermando ela, morreu; e, tendo-a lavado, a depositaram num quarto alto”.
Para um “leitor dinâmico” estes dois versos resume toda a história. A mulher existiu, era uma mulher de boas obras, ficou doente e morreu (ponto!). Porém estes dois versos mostram ape…

Encontre a resposta!

Palavras e imagens sempre foram objetos da minha curiosidade. Talvez esta seja a razão porque gosto de fazer palavras cruzadas, montar quebra-cabeça e resolver exercícios de lógica.  Recentemente me vi num entrave com um exercício de lógica. Quatro imagens propunham uma palavra com seis letras. A primeira imagem era de um ovo, a segunda de um bolo de aniversário, a terceira de um cachorro e a última de uma prateleira de sapatos. Fiquei por muito tempo tentando achar a lógica daquele exercício. O que tem em comum um ovo, um bolo, um cachorro e sapatos?  Tentei várias palavras e nada. Deixei o exercício de lado por algumas vezes na esperança de voltar com uma solução. ‘Quebrei a cabeça’ com aquele enigma. Estava procurando uma ligação das imagens até perceber que a lógica estava na cor e não nas imagens em si. Mudei o foco para a cor e facilmente preenchi os espaços com as letras. Interessante como fixamos os olhos no problema e deixamos de perceber a solução bem diante dos nossos olhos. Nã…

Falando sobre "Lagar"

O que Gideão fazia no lagar? Se sua resposta foi diferente de "malhando trigo" acho que não está familiarizado com a história deste homem, pois, era exatamente isso que ele estava fazendo. Mas... para que serve um lagar? Afinal de contas... onde é que se malha o trigo? Bem, não me incomodo se essas perguntas nunca lhe passaram pela cabeça. Porém, desde minha última postagem no blog tenho meditado sobre essa passagem bíblica. O lugar correto para se malhar trigo chama-se Eira que segundo o dicionário quer dizer: extensão de terreno limpo e batido, ou lajeado, onde se secam, malham, trilham e limpam cereais e legumes; Sabe porque Gideão preferiu malhar o trigo num lagar? Ele não estava disposto a perder o seu sustento para os Midianitas. Por algum tempo os midianitas consumiam todo o alimento produzido pelos israelitas. Não somente as suas plantações eram destruídas mas também o seu rebanho. Muito bem, vamos voltar ao lagar... Segundo o dicionário lagar é: tanque onde se espremem ou p…