Pular para o conteúdo principal

Reparadores de brechas - Anônimos

Li uma notícia que me deixou um pouco ‘chateada’. Ela dizia que a escultura de Michelangelo, Davi, apresenta pequenas rachaduras na parte inferior de suas pernas e por esta razão pode colocar em risco a integridade da peça. Ou seja, uma obra emblemática do Renascimento italiano pode tornar-se ruina por causa de pequenas rachaduras. O problema foi detectado através de estudos realizados pelo Conselho Nacional de Pesquisa da Itália em parceria com a Universidade de Florença.
Eu espero que este risco não se mostre eminente, pois desejo contemplar esta escultura in loco, intacta, com toda sua beleza. Michelangelo foi um artista completo, em minha opinião, e suas obras são ricas em detalhes e maestria. Seria muito ruim que uma obra tão bonita e mundialmente apreciada se tornasse ruina. 
Esta notícia pode ser interpretada metaforicamente...
Existem muitas obras belíssimas que levaram tempo para serem construídas como a família, a igreja, integridade, a amizade. Quantas mais poderíamos enumerar? Obras que demandaram tempo, dedicação, carinho e trabalho...
O surgimento de brechas ou rachaduras, porém, podem leva-las à ruinas. 
Para garantir a integridade destas obras e impedir que elas venham ruir-se é necessário a intervenção de ‘reparadores de brechas’. Interventores que trabalharão para tapar as aberturas de risco.
É interessante observar na história bíblica a ocorrência de interventores. Eles foram essenciais para que brechas não arruinassem obras tão importantes como a família, cidade ou um exército. 
Exemplo disto encontramos nas passagens: I Sm 25 (v.14) – o moço de Nabal, II Sm 20 (v.16-22) – uma mulher sábia da cidade Abel-Bete-Maaca e II Rs 5 (v.13) – os servos de Naamã.
Estas pessoas foram os reparadores de brechas. Eles impediram a ruina de uma família (a família de Nabal, seus servos e rebanhos), uma cidade inteira e Naamã e o enfraquecimento do exército da Síria. 
Apesar de exercerem um papel muito importante na história, perceba que seus nomes não foram citados. Eles foram os anônimos da história. Diferente da nossa realidade hoje, não? Muitos querem um espaço nas mídias, há um mercado de fofocas muito crescente que diariamente revelam subcelebridades e tudo mais...
No entanto, estes reparadores de brechas, anônimos, impediram a ruina de obras maravilhosas de seu tempo. Eles foram fundamentais para que hoje conhecêssemos o resultado de um belíssimo trabalho.
Será que hoje poderíamos ser reparadores de brechas e impedir a ruina de obras tão importantes como a família, a igreja, a sociedade ou a integridade da nossa nação? Quão importante estas obras são para nós? O que elas representam? Qual o valor que lhe associamos? 
Estaríamos dispostos a fazer o bem sem esperar que nossos nomes sejam lançados na mídia e nos proporcione uma fama repentina, um reconhecimento?

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O que aprendo com a gazela?

Convidada para pregar no culto de encerramento das atividades (2013) do grupo Dorcas (grupo de mulheres da AIDB-Uberlândia), me senti motivada a estudar a história desta personagem bíblica que inspirou o nome do grupo. Quem foi Dorcas? O que seu nome significa? Quais seus valores? Porque sua história motiva outras mulheres que trabalham na obra do Senhor?
O nome apresentado na história bíblica é Tabita e sua história é apresentada no contexto de sua morte. Estranho, não?
A narrativa se encontra no livro de Atos, cap.9 à partir do verso 36. E assim começa a descrição dos fatos: “E havia em Jope uma discípula chamada Tabita, que traduzido se diz Dorcas. Esta estava cheia de boas obras e esmolas que fazia. E aconteceu naqueles dias que, enfermando ela, morreu; e, tendo-a lavado, a depositaram num quarto alto”.
Para um “leitor dinâmico” estes dois versos resume toda a história. A mulher existiu, era uma mulher de boas obras, ficou doente e morreu (ponto!). Porém estes dois versos mostram ape…

Encontre a resposta!

Palavras e imagens sempre foram objetos da minha curiosidade. Talvez esta seja a razão porque gosto de fazer palavras cruzadas, montar quebra-cabeça e resolver exercícios de lógica.  Recentemente me vi num entrave com um exercício de lógica. Quatro imagens propunham uma palavra com seis letras. A primeira imagem era de um ovo, a segunda de um bolo de aniversário, a terceira de um cachorro e a última de uma prateleira de sapatos. Fiquei por muito tempo tentando achar a lógica daquele exercício. O que tem em comum um ovo, um bolo, um cachorro e sapatos?  Tentei várias palavras e nada. Deixei o exercício de lado por algumas vezes na esperança de voltar com uma solução. ‘Quebrei a cabeça’ com aquele enigma. Estava procurando uma ligação das imagens até perceber que a lógica estava na cor e não nas imagens em si. Mudei o foco para a cor e facilmente preenchi os espaços com as letras. Interessante como fixamos os olhos no problema e deixamos de perceber a solução bem diante dos nossos olhos. Nã…

Falando sobre "Lagar"

O que Gideão fazia no lagar? Se sua resposta foi diferente de "malhando trigo" acho que não está familiarizado com a história deste homem, pois, era exatamente isso que ele estava fazendo. Mas... para que serve um lagar? Afinal de contas... onde é que se malha o trigo? Bem, não me incomodo se essas perguntas nunca lhe passaram pela cabeça. Porém, desde minha última postagem no blog tenho meditado sobre essa passagem bíblica. O lugar correto para se malhar trigo chama-se Eira que segundo o dicionário quer dizer: extensão de terreno limpo e batido, ou lajeado, onde se secam, malham, trilham e limpam cereais e legumes; Sabe porque Gideão preferiu malhar o trigo num lagar? Ele não estava disposto a perder o seu sustento para os Midianitas. Por algum tempo os midianitas consumiam todo o alimento produzido pelos israelitas. Não somente as suas plantações eram destruídas mas também o seu rebanho. Muito bem, vamos voltar ao lagar... Segundo o dicionário lagar é: tanque onde se espremem ou p…