Pular para o conteúdo principal

Identifique-se!

Atracado no porto de Jope estava um navio prestes a sair com destino à Társis. O “check in” para embarcar naquele navio não era lá tão rigoroso. Bastava pagar a passagem para poder usufruir da viagem. O tempo estava bom para navegação, os ventos eram favoráveis, e para iniciar a viagem só restava aguardar o embarque de todos passageiros, o que não demorou muito.
O que parecia uma tranquila viagem de rotina tornou-se em pouco tempo uma experiência fora de controle. De repente soprou sobre o mar um vento forte e uma violenta tempestade ameaçava arrebentar o barco.
Todos naquele navio se desesperaram e começaram a clamar cada um o seu deus. O desespero era tanto que os marinheiros começaram a atirar as cargas no mar com o objetivo de aliviar o barco a fim de se salvarem.
Esta é uma história muito conhecida, não é mesmo? Todos conhecem o principal personagem desta história e o que lhe aconteceu. Porém, a narrativa demonstra que a princípio todos eram iguais naquela embarcação: passageiros cujo destino era Társis.
No ápice da tormenta levantaram uma questão... Alguma coisa estava errada. Ali naquele navio havia um responsável por todo aquele acontecimento pavoroso. Lançaram sorte e a sorte caiu sobre Jonas que, alheio a situação, dormia tranquilamente no porão do navio, enquanto os demais se desesperavam tentando salvar suas vidas em alto mar.
Agora diante de Jonas, um passageiro suspeito, acontece um interrogatório com o objetivo de identifica-lo.
Eis as perguntas que fizeram a Jonas: “Quem é o responsável por esta calamidade? Qual é a sua profissão? De onde você vem? Qual é a sua terra? A que povo você pertence?” (Jonas 1:8).
Boa parte destas perguntas poderiam ter sido respondidas no “check in”. São perguntas sobre identificação, mas só apareceram na calamidade. Todos entraram no barco como simples passageiros, mas no momento de crise, surgiu a necessidade de saber quem eram os ocupantes daquela embarcação.
Veja bem como esta história nos dá lições importantes...
A princípio somos todos semelhantes. Somos seres viventes, racionais. Podemos ser parte de uma mesma nação, frequentar os mesmos lugares, podemos todos exercer a cidadania, frequentar a mesma igreja, hospital, escolas e faculdades. Podemos ter o mesmo gerente numa agencia bancária, ter o mesmo patrão, mas cada um de nós tem uma identidade própria.
Quando estamos num mesmo “barco” podemos ser todos passageiros, mas precisamos saber quem somos qual a nossa origem, o nosso propósito, quais as nossas habilidades e finalmente o nosso destino.
Jonas sabia que era hebreu, que adorava a Deus, que estava fugindo de uma responsabilidade e que aquele mal era por causa dele. Tudo aquilo poderia ter sido evitado se tão somente ele tivesse obedecido ao seu Deus.
Nós não podemos jogar a responsabilidade para terceiros. Questões que parecem ser tão simples como aquelas que fizeram a Jonas precisam ser bem respondidas por cada um de nós. Afinal, quem eu sou? De onde eu venho? O que estou fazendo aqui? Quais as minhas habilidades, talentos, dons? E finalmente, onde quero chegar?
São estas perguntas que me farão sobressair no meio da multidão, que me identificarão, farão o rastro da MINHA história, da SUA história. Antes de prosseguir na viagem da vida, certifique-se de que todas as perguntas tenham uma resposta clara e objetiva. Identifique-se!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O que aprendo com a gazela?

Convidada para pregar no culto de encerramento das atividades (2013) do grupo Dorcas (grupo de mulheres da AIDB-Uberlândia), me senti motivada a estudar a história desta personagem bíblica que inspirou o nome do grupo. Quem foi Dorcas? O que seu nome significa? Quais seus valores? Porque sua história motiva outras mulheres que trabalham na obra do Senhor?
O nome apresentado na história bíblica é Tabita e sua história é apresentada no contexto de sua morte. Estranho, não?
A narrativa se encontra no livro de Atos, cap.9 à partir do verso 36. E assim começa a descrição dos fatos: “E havia em Jope uma discípula chamada Tabita, que traduzido se diz Dorcas. Esta estava cheia de boas obras e esmolas que fazia. E aconteceu naqueles dias que, enfermando ela, morreu; e, tendo-a lavado, a depositaram num quarto alto”.
Para um “leitor dinâmico” estes dois versos resume toda a história. A mulher existiu, era uma mulher de boas obras, ficou doente e morreu (ponto!). Porém estes dois versos mostram ape…

Encontre a resposta!

Palavras e imagens sempre foram objetos da minha curiosidade. Talvez esta seja a razão porque gosto de fazer palavras cruzadas, montar quebra-cabeça e resolver exercícios de lógica.  Recentemente me vi num entrave com um exercício de lógica. Quatro imagens propunham uma palavra com seis letras. A primeira imagem era de um ovo, a segunda de um bolo de aniversário, a terceira de um cachorro e a última de uma prateleira de sapatos. Fiquei por muito tempo tentando achar a lógica daquele exercício. O que tem em comum um ovo, um bolo, um cachorro e sapatos?  Tentei várias palavras e nada. Deixei o exercício de lado por algumas vezes na esperança de voltar com uma solução. ‘Quebrei a cabeça’ com aquele enigma. Estava procurando uma ligação das imagens até perceber que a lógica estava na cor e não nas imagens em si. Mudei o foco para a cor e facilmente preenchi os espaços com as letras. Interessante como fixamos os olhos no problema e deixamos de perceber a solução bem diante dos nossos olhos. Nã…

Falando sobre "Lagar"

O que Gideão fazia no lagar? Se sua resposta foi diferente de "malhando trigo" acho que não está familiarizado com a história deste homem, pois, era exatamente isso que ele estava fazendo. Mas... para que serve um lagar? Afinal de contas... onde é que se malha o trigo? Bem, não me incomodo se essas perguntas nunca lhe passaram pela cabeça. Porém, desde minha última postagem no blog tenho meditado sobre essa passagem bíblica. O lugar correto para se malhar trigo chama-se Eira que segundo o dicionário quer dizer: extensão de terreno limpo e batido, ou lajeado, onde se secam, malham, trilham e limpam cereais e legumes; Sabe porque Gideão preferiu malhar o trigo num lagar? Ele não estava disposto a perder o seu sustento para os Midianitas. Por algum tempo os midianitas consumiam todo o alimento produzido pelos israelitas. Não somente as suas plantações eram destruídas mas também o seu rebanho. Muito bem, vamos voltar ao lagar... Segundo o dicionário lagar é: tanque onde se espremem ou p…