Pular para o conteúdo principal

Memoriais

Num dia destes fiquei por um tempo olhando imagens do Memorial do 11 de Setembro erguido em Nova York onde ficavam as torres gêmeas do World Trade Center derrubadas após o choque com aviões pilotados por terroristas. O monumento que lembra as vítimas dos atentados é uma obra linda composta por dois espelhos d’água com fluxo contínuo, cercados por muitas árvores. Os nomes das quase 3.000 vítimas foram escritos em bronze nas bordas das piscinas. Ao olhar para as imagens do memorial percebi como a queda de água e os formatos das piscinas dão a sensação de queda constante, a tradução exata do que o memorial pretende; marcar a constante ausência no ambiente.
Como já escrevi em outra ocasião, não é necessário ser norte americano para lembrar-se do dia 11/09/2001 com peso no coração. A mídia mostrou para o mundo detalhes do atentado. A destruição, o assombro, a dor, o medo e as incertezas foram vistos por milhares.
Certamente se um dia eu for à Nova York vou desejar visitar o marco zero. Vou olhar e ler os nomes impressos no bronze. Vou sentir o peso e a sensação que a queda da água provoca ouvindo o barulho. Vou ver pessoas chorando. Vou ver a saudade e a dor estampada no olhar das pessoas. Vou “ouvir o silêncio”...
Porém, eu jamais sentirei o mesmo que um sobrevivente daquele atentado. Eu jamais sentirei a dor de alguém que perdeu um amigo, um familiar, um grande amor, um mestre...
O meu olhar nunca será igual ao de uma pessoa que tem uma história naquele lugar. Por mais que eu me emocione, por mais que eu perceba todo o significado daquele memorial.
Porque só alguém que tem uma história pode compreender suas memórias.
Por isso é que muitas vezes você pode se emocionar com as histórias dos outros, pode respeitar a fé dos outros e até mesmo dar o seu ombro amigo e dali a pouco dar as costas e voltar para sua realidade. Como faz um mero turista no marco zero em Nova York.
As memórias são para serem preservadas e tirar delas o aprendizado para seguir avante. Elas nos fazem lembrar que sempre haverá uma canção, um lugar, uma paixão, um erro e um aprendizado. Sempre!
Sempre haverá um sorriso, uma comida especial, uma carta, uma caneta e um papel em branco esperando por uma nova história. Como dizem por aí... Não importa como você começou, importa como você escreverá a história daqui para frente.
Use suas memórias para dar um salto na vida!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O que aprendo com a gazela?

Convidada para pregar no culto de encerramento das atividades (2013) do grupo Dorcas (grupo de mulheres da AIDB-Uberlândia), me senti motivada a estudar a história desta personagem bíblica que inspirou o nome do grupo. Quem foi Dorcas? O que seu nome significa? Quais seus valores? Porque sua história motiva outras mulheres que trabalham na obra do Senhor?
O nome apresentado na história bíblica é Tabita e sua história é apresentada no contexto de sua morte. Estranho, não?
A narrativa se encontra no livro de Atos, cap.9 à partir do verso 36. E assim começa a descrição dos fatos: “E havia em Jope uma discípula chamada Tabita, que traduzido se diz Dorcas. Esta estava cheia de boas obras e esmolas que fazia. E aconteceu naqueles dias que, enfermando ela, morreu; e, tendo-a lavado, a depositaram num quarto alto”.
Para um “leitor dinâmico” estes dois versos resume toda a história. A mulher existiu, era uma mulher de boas obras, ficou doente e morreu (ponto!). Porém estes dois versos mostram ape…

Encontre a resposta!

Palavras e imagens sempre foram objetos da minha curiosidade. Talvez esta seja a razão porque gosto de fazer palavras cruzadas, montar quebra-cabeça e resolver exercícios de lógica.  Recentemente me vi num entrave com um exercício de lógica. Quatro imagens propunham uma palavra com seis letras. A primeira imagem era de um ovo, a segunda de um bolo de aniversário, a terceira de um cachorro e a última de uma prateleira de sapatos. Fiquei por muito tempo tentando achar a lógica daquele exercício. O que tem em comum um ovo, um bolo, um cachorro e sapatos?  Tentei várias palavras e nada. Deixei o exercício de lado por algumas vezes na esperança de voltar com uma solução. ‘Quebrei a cabeça’ com aquele enigma. Estava procurando uma ligação das imagens até perceber que a lógica estava na cor e não nas imagens em si. Mudei o foco para a cor e facilmente preenchi os espaços com as letras. Interessante como fixamos os olhos no problema e deixamos de perceber a solução bem diante dos nossos olhos. Nã…

Falando sobre "Lagar"

O que Gideão fazia no lagar? Se sua resposta foi diferente de "malhando trigo" acho que não está familiarizado com a história deste homem, pois, era exatamente isso que ele estava fazendo. Mas... para que serve um lagar? Afinal de contas... onde é que se malha o trigo? Bem, não me incomodo se essas perguntas nunca lhe passaram pela cabeça. Porém, desde minha última postagem no blog tenho meditado sobre essa passagem bíblica. O lugar correto para se malhar trigo chama-se Eira que segundo o dicionário quer dizer: extensão de terreno limpo e batido, ou lajeado, onde se secam, malham, trilham e limpam cereais e legumes; Sabe porque Gideão preferiu malhar o trigo num lagar? Ele não estava disposto a perder o seu sustento para os Midianitas. Por algum tempo os midianitas consumiam todo o alimento produzido pelos israelitas. Não somente as suas plantações eram destruídas mas também o seu rebanho. Muito bem, vamos voltar ao lagar... Segundo o dicionário lagar é: tanque onde se espremem ou p…