Pular para o conteúdo principal

Os mercadores de Jerusalém

Tive a oportunidade de ler um livro há muito tempo que me inspirou de maneira muito significativa. Trata-se de um comentário minucioso do livro bíblico Neemias. Apaixonei-me por esse personagem e por sua ousadia, liderança eficaz e eficiência. Não sei dizer quantas vezes já mencionei as palavras contidas naquele livro, mas posso assegurar-te que ele mudou minha percepção de liderança e continua a me inspirar.
Ele faz uma observação interessante (dentre tantas) e nos chama a atenção para um grupo de judeus no cap. 4 que não estavam envolvidos na construção dos muros. Eram mercadores que saiam da cidade para compra de produtos longe dos portões e voltavam para a cidade depois de comprar e negociar com outros “povos”.
Estes outros judeus por conta do trânsito que faziam levavam para dentro dos portões notícias dos inimigos. Eles foram responsáveis em dado momento por espalhar a descrença entre aqueles que já estavam cansados fisicamente de trabalhar na construção dos muros. Aqueles que dedicavam suas forças e sentimentos no trabalho de edificação foram atacados na emoção por aquelas noticias que os outros traziam.
Essa observação é tão importante porque mostra outro lado de um trabalho. Existe um grupo que se dedica, se esforça sua, chora... Sente o ardor da labuta. Está atento para os sons, alerta com os movimentos. Vê os muros subirem tijolo por tijolo. Empunha as ferramentas de construção e se necessário armas para a peleja. É o grupo ativo. E de outro lado existe outro grupo que está preocupado com outras questões. Transita entre a cidade, sai pelas portas e anda entre o inimigo. Sabe do movimento que está dentro da cidade e sabe do movimento fora dos portões. Tem amizade cá e negócios lá. Relações aqui e ali. Não tem posicionamento. Não é a favor nem contra. Não é posição nem oposição. Estes não têm parte na obra. São ou estão inativos.
Suas palavras podem servir como alerta, porém ao mesmo tempo podem disseminar a dissolução entre os trabalhadores. Estes dois grupos de pessoas existem em qualquer contexto. É atual.
Neemias edificou os muros em 52 dias e os que estavam com ele tiveram motivos para comemorar. Suas famílias estavam seguras. Homens mulheres e crianças puderam se alegrar com a vitória conquistada com muito esforço, suor e trabalho.
Os outros... Não são mencionados. Por quê? Não tinham parte no resultado conquistado.
Precisamos abrir os olhos para enxergar a realidade e nos posicionar em algum grupo. Ou seremos ativos e teremos parte na obra ou nossa inatividade causará dano à obra. Transitar entre um e outro grupo não traz nenhum beneficio individual, familiar ou social.    

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O que aprendo com a gazela?

Convidada para pregar no culto de encerramento das atividades (2013) do grupo Dorcas (grupo de mulheres da AIDB-Uberlândia), me senti motivada a estudar a história desta personagem bíblica que inspirou o nome do grupo. Quem foi Dorcas? O que seu nome significa? Quais seus valores? Porque sua história motiva outras mulheres que trabalham na obra do Senhor?
O nome apresentado na história bíblica é Tabita e sua história é apresentada no contexto de sua morte. Estranho, não?
A narrativa se encontra no livro de Atos, cap.9 à partir do verso 36. E assim começa a descrição dos fatos: “E havia em Jope uma discípula chamada Tabita, que traduzido se diz Dorcas. Esta estava cheia de boas obras e esmolas que fazia. E aconteceu naqueles dias que, enfermando ela, morreu; e, tendo-a lavado, a depositaram num quarto alto”.
Para um “leitor dinâmico” estes dois versos resume toda a história. A mulher existiu, era uma mulher de boas obras, ficou doente e morreu (ponto!). Porém estes dois versos mostram ape…

Encontre a resposta!

Palavras e imagens sempre foram objetos da minha curiosidade. Talvez esta seja a razão porque gosto de fazer palavras cruzadas, montar quebra-cabeça e resolver exercícios de lógica.  Recentemente me vi num entrave com um exercício de lógica. Quatro imagens propunham uma palavra com seis letras. A primeira imagem era de um ovo, a segunda de um bolo de aniversário, a terceira de um cachorro e a última de uma prateleira de sapatos. Fiquei por muito tempo tentando achar a lógica daquele exercício. O que tem em comum um ovo, um bolo, um cachorro e sapatos?  Tentei várias palavras e nada. Deixei o exercício de lado por algumas vezes na esperança de voltar com uma solução. ‘Quebrei a cabeça’ com aquele enigma. Estava procurando uma ligação das imagens até perceber que a lógica estava na cor e não nas imagens em si. Mudei o foco para a cor e facilmente preenchi os espaços com as letras. Interessante como fixamos os olhos no problema e deixamos de perceber a solução bem diante dos nossos olhos. Nã…

Falando sobre "Lagar"

O que Gideão fazia no lagar? Se sua resposta foi diferente de "malhando trigo" acho que não está familiarizado com a história deste homem, pois, era exatamente isso que ele estava fazendo. Mas... para que serve um lagar? Afinal de contas... onde é que se malha o trigo? Bem, não me incomodo se essas perguntas nunca lhe passaram pela cabeça. Porém, desde minha última postagem no blog tenho meditado sobre essa passagem bíblica. O lugar correto para se malhar trigo chama-se Eira que segundo o dicionário quer dizer: extensão de terreno limpo e batido, ou lajeado, onde se secam, malham, trilham e limpam cereais e legumes; Sabe porque Gideão preferiu malhar o trigo num lagar? Ele não estava disposto a perder o seu sustento para os Midianitas. Por algum tempo os midianitas consumiam todo o alimento produzido pelos israelitas. Não somente as suas plantações eram destruídas mas também o seu rebanho. Muito bem, vamos voltar ao lagar... Segundo o dicionário lagar é: tanque onde se espremem ou p…