Pular para o conteúdo principal

Em algum lugar na prateleira

Hoje estive num lugar fantástico, quer dizer, pelo menos deveria ser. Deveria ser um oásis para quem gosta de ler, mas não, não é.
Trata-se de uma livraria que trabalha com ponta de estoque. É um negócio super interessante porque não dispõe de livros usados. Como eles mesmos dizem, não é um sebo.
São muitos títulos de segmentos variados com baixo custo. Resumindo, eles têm um potencial enorme.
Sabe quando você procura um livro numa livraria e a resposta que obtém é que está indisponível? Significa que foi limpo das prateleiras porque não deu retorno financeiro.
Pois é. Esses mesmos livros são disponibilizados nessa livraria em questão.
O problema, no entanto é que os livros são apenas acomodados nas prateleiras sem nenhum critério de organização. Na verdade até que alguns (mais lógicos) são classificados em algum lugar. Não há uma lista por ordem alfabética, nem por nome de autor, nem um sistema de auto-atendimento para pesquisa. Nada facilita sua procura por um título.
Se quiser saber se eles têm o livro desejado precisa dispor de muito tempo e paciência com uma boa dose de sorte para encontrá-lo.
A vendedora daquele lugar é bem no estilo da livraria. Desinteressada e perdida no meio de uma “montanha de livros”.
Que pena! Aquele lugar tem um potencial tão grande...
Saí dali com um livro que achei por acaso. Por coincidência o título dele é Os 10 mandamentos da inovação estratégica. Bem... Quem o colocou ali na prateleira não deve ter se atentado para seu conteúdo. Afinal, ele era apenas mais um número de livros que acabara de chegar.
Fiquei muito impressionada com o que vi, pensando o quanto aquele negócio poderia ser rentável. Não tem como não repetir essa palavra: potencial.
Infelizmente o potencial daquela livraria está como seus livros, perdido em algum lugar na prateleira.
É uma perda muito significativa diante do que eles têm. 
Levaria tempo organizar os livros, muito tempo. E quem é que tem tempo para isso? Não é mesmo? É uma justificativa muito forte. Mas é o negócio. Se eles o mantém é porque dá lucro. Imagina se exploram um pouco mais seu potencial? O lucro seria maior. A propaganda boca a boca seria positiva e poderiam expandir os negócios.
Talvez haja alguma boa razão pela qual não fazem essas mudanças. Sei lá. Deve ter alguma explicação. O fato é que um potencial inexplorado é um desperdício.
E se tomarmos como exemplo essa livraria? Que trágico seria.
Na verdade é mais cômodo viver nas prateleiras, jogados de qualquer maneira. Menos tempo aplicado, menos trabalho, menos esforço intelectual e físico. Mas é um tremendo desperdício não explorar a vida que Deus nos deu.
Espero poder maximizar muito mais meu potencial e desejo o mesmo para você. Não o deixemos perdidos em algum lugar nas prateleiras da vida. 

Comentários

Miriam disse…
Meu Deus, quanta inspiração para um "passeio" não muito bem sucedido. Mas concordo 100%, excelente reflexão! Beijos,
Pequena Daphnne, bom dia outra vez...
A correria do dia a dia não me permite, muitas vezes, deter-me para degustar suas reflexões. Digo degustar porque realmente suas palavras são um prato apetitoso e bom aos olhos. Que posso dizer-lhe, além de que você cresceu muito literalmente falando. Se já era bom ler-te, está ainda melhor. Um excelente dia pra você.

Postagens mais visitadas deste blog

O que aprendo com a gazela?

Convidada para pregar no culto de encerramento das atividades (2013) do grupo Dorcas (grupo de mulheres da AIDB-Uberlândia), me senti motivada a estudar a história desta personagem bíblica que inspirou o nome do grupo. Quem foi Dorcas? O que seu nome significa? Quais seus valores? Porque sua história motiva outras mulheres que trabalham na obra do Senhor?
O nome apresentado na história bíblica é Tabita e sua história é apresentada no contexto de sua morte. Estranho, não?
A narrativa se encontra no livro de Atos, cap.9 à partir do verso 36. E assim começa a descrição dos fatos: “E havia em Jope uma discípula chamada Tabita, que traduzido se diz Dorcas. Esta estava cheia de boas obras e esmolas que fazia. E aconteceu naqueles dias que, enfermando ela, morreu; e, tendo-a lavado, a depositaram num quarto alto”.
Para um “leitor dinâmico” estes dois versos resume toda a história. A mulher existiu, era uma mulher de boas obras, ficou doente e morreu (ponto!). Porém estes dois versos mostram ape…

Encontre a resposta!

Palavras e imagens sempre foram objetos da minha curiosidade. Talvez esta seja a razão porque gosto de fazer palavras cruzadas, montar quebra-cabeça e resolver exercícios de lógica.  Recentemente me vi num entrave com um exercício de lógica. Quatro imagens propunham uma palavra com seis letras. A primeira imagem era de um ovo, a segunda de um bolo de aniversário, a terceira de um cachorro e a última de uma prateleira de sapatos. Fiquei por muito tempo tentando achar a lógica daquele exercício. O que tem em comum um ovo, um bolo, um cachorro e sapatos?  Tentei várias palavras e nada. Deixei o exercício de lado por algumas vezes na esperança de voltar com uma solução. ‘Quebrei a cabeça’ com aquele enigma. Estava procurando uma ligação das imagens até perceber que a lógica estava na cor e não nas imagens em si. Mudei o foco para a cor e facilmente preenchi os espaços com as letras. Interessante como fixamos os olhos no problema e deixamos de perceber a solução bem diante dos nossos olhos. Nã…

Falando sobre "Lagar"

O que Gideão fazia no lagar? Se sua resposta foi diferente de "malhando trigo" acho que não está familiarizado com a história deste homem, pois, era exatamente isso que ele estava fazendo. Mas... para que serve um lagar? Afinal de contas... onde é que se malha o trigo? Bem, não me incomodo se essas perguntas nunca lhe passaram pela cabeça. Porém, desde minha última postagem no blog tenho meditado sobre essa passagem bíblica. O lugar correto para se malhar trigo chama-se Eira que segundo o dicionário quer dizer: extensão de terreno limpo e batido, ou lajeado, onde se secam, malham, trilham e limpam cereais e legumes; Sabe porque Gideão preferiu malhar o trigo num lagar? Ele não estava disposto a perder o seu sustento para os Midianitas. Por algum tempo os midianitas consumiam todo o alimento produzido pelos israelitas. Não somente as suas plantações eram destruídas mas também o seu rebanho. Muito bem, vamos voltar ao lagar... Segundo o dicionário lagar é: tanque onde se espremem ou p…