quinta-feira, 9 de fevereiro de 2012

Perseverança

Em uma convenção de vendas, o gerente de vendas levantou-se diante dos dois mil vendedores de sua firma e perguntou:
- Os irmãos Wright alguma vez desistiram?
- Não! - gritou o pessoal de vendas.
- Charles Lindbergh alguma vez desistiu? - perguntou ele.
- Não! - gritaram novamente os vendedores.
- Lance Armstrong alguma vez desistiu?
- Não!
Ele gritou pela quarta vez:
- Thorndike McKester alguma vez desistiu?
Houve um confuso silêncio por um longo instante.
Então um vendedor se levantou e perguntou:
- Quem é Thorndike McKester? Ninguém nunca ouviu falar dele.
O gerente de vendas respondeu bruscamente:
- É claro que você nunca ouviu falar dele. Ele desistiu!
(Adaptado de ISAACSON, Max. How to Conquer the Fear of Public Speaking and Other Coronary Threats. Rockville Centre, NY: Farnsworth Publishing, 1984, 77) - Talento Não é Tudo - John C. Maxwell

Esse conto poderia ser adaptado de muitas maneiras para nós no Brasil e em cada estado desse país cheio de talentos, não é mesmo?
Com isso gostaria de incentivar a todos que estão participando do Jejum Coletivo do Povo de Deus. Permaneçam no propósito a qual intentaram entrar! Breve o desafio vai passar e o benefício ficará!

Um comentário:

Débora Polycarpo disse...

Estava na reta final da pós-graduação e ficava imaginando como seria, se por algum motivo alguém desistisse naquele instante. E por mais incrível que isto possa parecer uma colega o fez. Faltavam alguns dias apenas e a apresentação do TCC. Estava tão perto da conclusão. Foi um choque para toda a turma. Algumas de nós choramos, com grande dor, diante do ocorrido. Não adianta correr se você não ultrapassar a linha de chegada. Não tem como dizer eu fiz isto ou aquilo, sou formada, sem ter concluído o que havia começado. Não dá pra lembrar-se dos que desistiram como exemplos para nossa caminhada. Lembramos sim, mas com pena, com sentimento de tristeza. Os obstáculos parecem ser maiores do que realmente são. Ás vezes a dor é maior do que tudo. Parecemos estar lutando sozinhos. Mas, como a história descrita pelo Rev. Jhonathan precisamos prosseguir, mesmo que pareça uma loucura, fanatismo, alucinação. A maioria das pessoas deseja o troféu que está na mão do vencedor, mas não são capazes de suportar o que ele sofreu para chegar ao pódio. Abraços, Daphnninha