Pular para o conteúdo principal

Enxugue As Lágrimas

“Ao que disse ela: Ache a tua serva graça aos teus olhos. Assim a mulher se foi o seu caminho, e comeu, e já não era triste o seu semblante”. I Sm 1:18

Tenho lido por diversas vezes essa passagem em que Ana, uma das esposas de Elcana, clamou a Deus por um filho. A bíblia menciona que de tempo em tempo o fato de não poder gerar vinha à tona causando-lhe humilhação e angustia.
Não bastasse a sua própria frustração, Penina a outra esposa de Elcana, fazia questão de lembrá-la sua esterilidade.
Imagino o semblante de Ana quando mais uma vez se apresentou junto ao templo com seu esposo Elcana e sua rival Penina. Aquele momento trazia-lhe total desconforto. Possivelmente Ana tenha feito aquele caminho se lembrando de todos os momentos de desgosto e afrontas. Que caminhada difícil!
Mais uma vez Ana estava no palco para escárnio. Mais uma vez!
Ana se rompeu em lágrimas e prostrada chorou toda a sua angustia. Palavras? Não havia. Só era possível chorar e gemer. Sua alma clamava por socorro. Passar mais uma vez pelo caminho de volta pra casa sendo alvo de zombarias seria doloroso demais. Talvez não agüentasse. Só havia choro.
Porém Ana estava derramando sua alma no lugar certo. Na presença do Senhor. Chorou para Deus que teve misericórdia e não para sua rival que queria sua destruição.
Imagino Ana levantando-se do chão, depois de ouvir as palavras do sacerdote Eli, sacudindo o pó, arrumando o cabelo, ajeitando sua roupa e esboçando um sorriso nos lábios. Com os olhos vermelhos e ainda marejados de lágrimas Ana podia se achegar aos demais e fazer sua caminhada de volta.
Alimentou-se com o cuidado de uma mãe. Alegrou-se com sua criança (em esperança). Possivelmente tenha caminhado com sapatos confortáveis agindo como uma gestante. Feliz como uma pessoa que alcançou seu sonho. Já estaria gestante no momento do seu clamor? Eu não sei. Mas posso seguramente crer que sua atitude a partir daquele momento em que recebeu a promessa foi de total confiança que seria mãe. O escárnio no caminho de volta não encontrou lugar em seu coração.
Que mudança de comportamento! “...foi o seu caminho e comeu, e já não era triste o seu semblante”.
Será que a história de Ana parou aí? Será que Ana nunca mais enfrentou uma angustia na alma? Todo o seu clamor se resumiu a esse momento da vida em que desejou ter um filho?
Certamente que não!
Porém Ana tinha essa lembrança viva. Imagino que em tempos difíceis em que sua alma só tenha dado seus gemidos; exercitava a sua memória. Que doce lembrança! Que refrigério!
Você e eu também temos nossas lembranças.
Para que servem?
Certamente elas são necessárias para nos fazer perceber que nosso Deus não mudou. Ele tem os seus caminhos nas tormentas e seus planos não podem ser frustrados.
Pode ser que enquanto choramos e clamamos nossas vitórias já tenham sido liberadas.
Devemos nos levantar e deixar nosso semblante triste de lado.
É tempo de enxugar as lágrimas e preparar o nosso canto de alegria. Louvemos ao Senhor!

Comentários

Anônimo disse…
Linda a historia de Ana!!! Deus estava com ela e ouviu quando pediu a ele um filho, e é assim nos dias de hoje os ouvidos de deus ainda estão abertos para ouvir nosso clamor e jamais os planos que ele tem para nossas vidas ....jamais serão frustrados...Abraço
Lorraine Cristina
irmã meu coração se alegrou com esta mensagem, as lutas não tem sido poucas e as vezes os que zombam de mim, são os que estão tão proximo, peço tambem a JESUS por todos que as vezes se sentem só pelo caminho, pois sei que nossa vitoria é certa e é no reino dele. a paz do senhor Jesus, tenha uma semana de vitorias

Postagens mais visitadas deste blog

O que aprendo com a gazela?

Convidada para pregar no culto de encerramento das atividades (2013) do grupo Dorcas (grupo de mulheres da AIDB-Uberlândia), me senti motivada a estudar a história desta personagem bíblica que inspirou o nome do grupo. Quem foi Dorcas? O que seu nome significa? Quais seus valores? Porque sua história motiva outras mulheres que trabalham na obra do Senhor?
O nome apresentado na história bíblica é Tabita e sua história é apresentada no contexto de sua morte. Estranho, não?
A narrativa se encontra no livro de Atos, cap.9 à partir do verso 36. E assim começa a descrição dos fatos: “E havia em Jope uma discípula chamada Tabita, que traduzido se diz Dorcas. Esta estava cheia de boas obras e esmolas que fazia. E aconteceu naqueles dias que, enfermando ela, morreu; e, tendo-a lavado, a depositaram num quarto alto”.
Para um “leitor dinâmico” estes dois versos resume toda a história. A mulher existiu, era uma mulher de boas obras, ficou doente e morreu (ponto!). Porém estes dois versos mostram ape…

Encontre a resposta!

Palavras e imagens sempre foram objetos da minha curiosidade. Talvez esta seja a razão porque gosto de fazer palavras cruzadas, montar quebra-cabeça e resolver exercícios de lógica.  Recentemente me vi num entrave com um exercício de lógica. Quatro imagens propunham uma palavra com seis letras. A primeira imagem era de um ovo, a segunda de um bolo de aniversário, a terceira de um cachorro e a última de uma prateleira de sapatos. Fiquei por muito tempo tentando achar a lógica daquele exercício. O que tem em comum um ovo, um bolo, um cachorro e sapatos?  Tentei várias palavras e nada. Deixei o exercício de lado por algumas vezes na esperança de voltar com uma solução. ‘Quebrei a cabeça’ com aquele enigma. Estava procurando uma ligação das imagens até perceber que a lógica estava na cor e não nas imagens em si. Mudei o foco para a cor e facilmente preenchi os espaços com as letras. Interessante como fixamos os olhos no problema e deixamos de perceber a solução bem diante dos nossos olhos. Nã…

Falando sobre "Lagar"

O que Gideão fazia no lagar? Se sua resposta foi diferente de "malhando trigo" acho que não está familiarizado com a história deste homem, pois, era exatamente isso que ele estava fazendo. Mas... para que serve um lagar? Afinal de contas... onde é que se malha o trigo? Bem, não me incomodo se essas perguntas nunca lhe passaram pela cabeça. Porém, desde minha última postagem no blog tenho meditado sobre essa passagem bíblica. O lugar correto para se malhar trigo chama-se Eira que segundo o dicionário quer dizer: extensão de terreno limpo e batido, ou lajeado, onde se secam, malham, trilham e limpam cereais e legumes; Sabe porque Gideão preferiu malhar o trigo num lagar? Ele não estava disposto a perder o seu sustento para os Midianitas. Por algum tempo os midianitas consumiam todo o alimento produzido pelos israelitas. Não somente as suas plantações eram destruídas mas também o seu rebanho. Muito bem, vamos voltar ao lagar... Segundo o dicionário lagar é: tanque onde se espremem ou p…