domingo, 10 de outubro de 2010

"Músicas e Músicas"

Hoje pela manhã estive ouvindo rádio (contra a minha vontade) e inevitavelmente observei algo muito triste em relação às músicas denominadas “evangélicas”.

Aliás, esta minha observação não começou hoje, mas é de muito tempo atrás.

A música “evangélica” tem se tornado um recurso de auto-ajuda para o “povo cristão”.

Você escuta por aí pessoas cantando sobre tudo que Deus pode fazer por você.

As músicas falam sobre ser abençoado, curado, vitorioso. Falam de conquista e de auto-estima.

Não discordo que todas estas coisas devam fazer parte da vida daqueles que buscam a Deus em primeiro lugar, mas percebo que a música mudou o foco.

Eu aprendi que a música cristã é um instrumento de louvor a Deus.

A melodia, os acordes, as harmonias são para auxílios às letras que nasciam no coração de um adorador.

Não é difícil perceber a diferença.

Tem algumas músicas que te fazem sentir “o cara”. Você se acha um herói. É isso que a letra diz. Nesse caso não vejo nenhuma manifestação de Deus. Até parece que ele ficou de fora desse seu momento.

Porém outras músicas te fazem sentir um pecador, necessitado da graça de Deus. Você percebe o quanto é pequeno e dependente do amor de Cristo.

A diferença é que nesse momento você pode sentir Deus se aproximando, te pegando pela mão e te fazendo reconhecer que ele pode te ajudar. Ele se manifesta através do louvor!

E suas lágrimas causadas pela letra penetrante da música se transformam em alegria e o fardo pesado se dissipa.

E o segundo estado do seu espírito é melhor do que o primeiro.

Como está escrito em Jó 41:22: “... diante dele até a tristeza salta de prazer.”

Tem muita música bonita, é verdade.

Tem muita música que te inspira e faz a fé crescer dentro de você, não discordo.

Porém é algo a se pensar.

Que tipo de música tem-se cantado em nossas igrejas?

Elas são para Deus? São ofertas de louvor? Exaltam ao Senhor? Falam de sua santidade? Falam do abençoador ou apenas das bênçãos?

Vamos à igreja para obter auto-ajuda ou vamos adorar a Deus?

Lembre-se que é possível adorar a Deus mesmo na sua necessidade.

Veja estes exemplos: Mt. 15:25; Mt 8:2; Mt 9:18

Estas passagens mostram pessoas necessitadas que chegaram a Jesus e o adoraram:

(a mulher Cananéia, o leproso e Jairo)

Havia uma necessidade da parte deles que não tomou o lugar da adoração. Você pode entender essas palavras?

Na primeira passagem a mulher Cananéia tinha uma filha endemoninhada,na segunda era o leproso quem precisava de cura e na terceira Jairo havia acabado de perder a sua filha.

Gosto da maneira como está descrito estes fatos.

Os três se aproximaram de Jesus e o adoraram clamando por socorro.Não faltou a adoração mesmo nos seus clamores.

Podemos cantar uma diversidade de músicas na alegria, na necessidade, na gratidão ou na aflição e em todas elas expressarmos nossa adoração a quem é digno, Jesus, o nosso Senhor!

Tenha uma bom domingo!

Um comentário:

Estela Pinheiro disse...

Paz irmã Daphnne,
Seu texto expressou com as melhores palavras tudo o que eu sinto em relação ao louvor, as vezes nos pegamos cantados hinos de auto-ajuda na igreja, e não damos tanta importancia para os lovores de Adoração...pois este é o louvor Genuíno....Como estou em pré-produção do meu Album musical, gtenho focado exclusivamente nos louvores de Adoração, Santidade e unicidade de Deus....Que Deus possa nos dar sabedoria para louvar a ele. Estela Pinheiro Campinas-sp