quarta-feira, 1 de setembro de 2010

Por Causa do "Mailing"

[telefone toca]

- Alô!?

- Sra. (…)?

- Sou eu, pois não?

- Aqui quem fala é...

Ah, não! Tinha que ser uma ligação de Call Center?

Escuto com impaciência a pessoa do outro lado lendo apressadamente o script fornecido pela empresa.

- (Sra. ...)Devido ao seu bom relacionamento comercial a sra. ...

De onde surgiu essa idéia de “bom relacionamento comercial” e porque essa insistência de manter um script tão mecânico?

Imagino aqui com meus botões que um bom relacionamento comercial é aquele em que o cliente se torna “fiel” às empresas de seu interesse. Cria um vínculo comercial através de compras por crédito. Compra com muita freqüência e paga em dias suas faturas.

Dificilmente um cliente que não possui um crediário conseguirá estabelecer algum vínculo com empresas. Além do mais, compras à vista têm o respaldo de descontos, o que não agrada o empreendedor.

A leitura atropelada do script continua até que para meu alívio surge uma pausa.

Escuto a respiração ofegante da pessoa do outro lado da linha seguida de uma pergunta atrevida:

- (Sra. ...) O endereço de entrega do cartão é...

Epa! Espere aí! Agora vem o pior...

Tenho que vencer todos os argumentos descritos no script para me livrar de um produto que eu não quero e de uma ligação que eu não quis receber, tudo isso claro com muita educação afinal sou uma pessoa civilizada.

Pergunto pelo nome do funcionário (a essas alturas só conseguiria chamá-lo de senhor) e faço minha primeira tentativa de descartar a “extraordinária oferta”.

Dou minhas razões e novamente escuto argumentos lidos. Pareço ouvir um robô repetindo frases prontas.

Sei que do outro lado está um funcionário cumprindo com sua obrigação; tentando colocar o lema da empresa em atividade transformando suas ligações numa central de relacionamentos com clientes embora a única coisa que ele consegue fazer é me irritar.

Escuto. É a única coisa educada que posso fazer.

Ao final da leitura vem a pergunta:

- Alguma dúvida?

(- Sim! Quem foi que te passou meu telefone?)

Penso nessa opção de resposta, mas seria muita grosseria da minha parte.

Respiro fundo, respondo com educação e finalmente os argumentos acabam.

Despedimos-nos cordialmente na certeza de que em breve voltaremos a nos falar afinal meu nome e telefone consta no mailing da empresa.

2 comentários:

André Rodrigues disse...

Tem como ficar pior? Tem, quando te ligam pra dizer: "Sr(a), ainda não consta em nossos sistemas o pagamento de sua fatura do cartão de crédito referente à taxa de anuidade vencida há 30 dias." "Mas eu nem tenho cartão de crédito, ora!" rsrsrsrs. Meus 2 anos de telemarketing me renderam muitos clientes 'bravos', que não eram tããão civilizados assim kkkkkkkk.

Boa mensagem rsrs.

Josilene disse...

É...concordo com o André, tem como ficar pior sim!!!kkkk
E...para piorar ainda mais...imagine quando esse tipo de ligação não se limita a uma vez por dia??? Meu Deus...tem que ser muito civilizado!!!kkkk

Abraço