Pular para o conteúdo principal

Testemunho

Tenho refletido muito sobre a importância do “testemunho”.  Obviamente me refiro ao verdadeiro testemunho, narração real e circunstanciada que se faz em juízo.
Um testemunho verdadeiro recontado por quem o ouviu é interessante, mas ouvi-lo de quem o viveu é ainda melhor.  Ele tem a capacidade de gerar fé, ânimo e encorajamento.
Tenho ouvido muitos testemunhos de fé ultimamente e posso garantir que por meio deles tive minha fé exercitada e o resultado não é outro senão experiências  com Deus, bênçãos alcançadas e testemunhos para compartilhar (o que também tenho feito).
Como disse em postagem anterior, a fé tem que ser experimentada. Tentar apenas dar uma definição do que ela é sem coloca-la em ação pode ser bem frustrante. 
O testemunho é uma experiência vivida e o mais interessante é que a experiência é produtiva, ela produz esperança (na pessoa que a vive e em quem a ouve). 
Há uma passagem no livro de Romanos que diz:
“Tendo sido, pois, justificados pela, temos paz com Deus, por nosso Senhor Jesus Cristo; Pelo qual também temos entrada pela fé a esta graça, na qual estamos firmes, e nos gloriamos na esperança da glória de Deus. E não somente isto, mas também nos gloriamos nas tribulações; sabendo que a tribulação produz a paciência, E a paciência a experiência, e a experiência a esperança. E a esperança não traz confusão, porquanto o amor de Deus está derramado em nossos corações pelo Espírito Santo que nos foi dado”. Romanos 5:1-5 
Observe que antes do testemunho (ou da experiência) vem a tribulação. Quem gosta de passar por tribulação ou situações adversas? Ninguém. E quem está livre de vivencia-las? Também ninguém. Portanto todos nós vivemos estes momentos adversos, tribulações. No entanto, a adversidade produz paciência. É preciso ter paciência para esperar este tempo passar. Tem coisas que só o tempo pode resolver. É certo que todas as coisas passam. (Já postei sobre isto aqui). Então, quando a tribulação passa, o que fica é a experiência (o testemunho). E em razão do testemunho (ou da experiência) temos a esperança. Vou além dizendo que a esperança é o que nos capacita a continuar a jornada.
Gosto muito da passagem de Lamentações 3:21 quando Jeremias menciona que num momento de fraqueza e angustia ele se recorda daquilo que lhe pode trazer esperança. E o que podia renovar a esperança de Jeremias? Suas experiências. Seus testemunhos.
Ora, experimente recordar testemunhos vividos por você. Compartilhe seus testemunhos. Alimente a fé, a sua e a dos outros. Seja condutor de esperança!
E você verá que um testemunho produzirá outros testemunhos. 
Eu lhe encorajo a fazer o teste.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O que aprendo com a gazela?

Convidada para pregar no culto de encerramento das atividades (2013) do grupo Dorcas (grupo de mulheres da AIDB-Uberlândia), me senti motivada a estudar a história desta personagem bíblica que inspirou o nome do grupo. Quem foi Dorcas? O que seu nome significa? Quais seus valores? Porque sua história motiva outras mulheres que trabalham na obra do Senhor?
O nome apresentado na história bíblica é Tabita e sua história é apresentada no contexto de sua morte. Estranho, não?
A narrativa se encontra no livro de Atos, cap.9 à partir do verso 36. E assim começa a descrição dos fatos: “E havia em Jope uma discípula chamada Tabita, que traduzido se diz Dorcas. Esta estava cheia de boas obras e esmolas que fazia. E aconteceu naqueles dias que, enfermando ela, morreu; e, tendo-a lavado, a depositaram num quarto alto”.
Para um “leitor dinâmico” estes dois versos resume toda a história. A mulher existiu, era uma mulher de boas obras, ficou doente e morreu (ponto!). Porém estes dois versos mostram ape…

Encontre a resposta!

Palavras e imagens sempre foram objetos da minha curiosidade. Talvez esta seja a razão porque gosto de fazer palavras cruzadas, montar quebra-cabeça e resolver exercícios de lógica.  Recentemente me vi num entrave com um exercício de lógica. Quatro imagens propunham uma palavra com seis letras. A primeira imagem era de um ovo, a segunda de um bolo de aniversário, a terceira de um cachorro e a última de uma prateleira de sapatos. Fiquei por muito tempo tentando achar a lógica daquele exercício. O que tem em comum um ovo, um bolo, um cachorro e sapatos?  Tentei várias palavras e nada. Deixei o exercício de lado por algumas vezes na esperança de voltar com uma solução. ‘Quebrei a cabeça’ com aquele enigma. Estava procurando uma ligação das imagens até perceber que a lógica estava na cor e não nas imagens em si. Mudei o foco para a cor e facilmente preenchi os espaços com as letras. Interessante como fixamos os olhos no problema e deixamos de perceber a solução bem diante dos nossos olhos. Nã…

Falando sobre "Lagar"

O que Gideão fazia no lagar? Se sua resposta foi diferente de "malhando trigo" acho que não está familiarizado com a história deste homem, pois, era exatamente isso que ele estava fazendo. Mas... para que serve um lagar? Afinal de contas... onde é que se malha o trigo? Bem, não me incomodo se essas perguntas nunca lhe passaram pela cabeça. Porém, desde minha última postagem no blog tenho meditado sobre essa passagem bíblica. O lugar correto para se malhar trigo chama-se Eira que segundo o dicionário quer dizer: extensão de terreno limpo e batido, ou lajeado, onde se secam, malham, trilham e limpam cereais e legumes; Sabe porque Gideão preferiu malhar o trigo num lagar? Ele não estava disposto a perder o seu sustento para os Midianitas. Por algum tempo os midianitas consumiam todo o alimento produzido pelos israelitas. Não somente as suas plantações eram destruídas mas também o seu rebanho. Muito bem, vamos voltar ao lagar... Segundo o dicionário lagar é: tanque onde se espremem ou p…