Pular para o conteúdo principal

Tal como Naamã

Tenho pensado muito na história de Naamã nos últimos dias. Alguns aspectos da sua história são muito interessantes. Porém, um em especial tem ocupado minha mente e me levado a refletir. No verso 10 do livro de 2 Reis cap. 5, o profeta Eliseu envia um mensageiro a Naamã e lhe dá instrução do que deveria fazer para ficar são.  
Só para recordar, o comandante do exercito do rei da Síria sofria de lepra. Ele fica sabendo através de uma menina israelita que havia em Samaria um profeta que poderia curá-lo. Imediatamente ele comunica esta possibilidade ao seu senhor. O rei da Síria o envia ao rei de Israel com carta de recomendação para que seu comandante fosse curado. O rei de Israel rasga suas vestes. Eliseu fica sabendo do ocorrido e solicita ao rei de Israel que envie a ele Naamã para que este soubesse da existência de um Deus em Israel.
Naamã então vai de encontro de Eliseu, mas este não o recebe antes, envia um mensageiro com o recado. Bastasse o comandante obedecer a instrução do profeta e a cura seria uma verdade em sua vida.
O que acontece a seguir é o que tem me chamado a atenção: “Mas Naamã ficou indignado e saiu dizendo: "Eu estava certo de que ele sairia para receber-me, invocaria de pé o nome do Senhor seu Deus, moveria a mão sobre o lugar afetado e me curaria da lepra. Não são os rios Abana e Farfar, em Damasco, melhores do que todas as águas de Israel? Será que não poderia lavar-me neles e ser purificado? "Então, foi embora dali furioso”. (2 Reis 5:11-12)
Ora, Naamã havia programado sua mente para receber a cura. Seria “assim e assado”. Ele havia imaginado um cenário e uma sucessão de fatos. Como um bom comandante havia estipulado uma ação estratégica. Acho que reconheço esta reação. Ela se apresenta diariamente no meio da igreja. Muitos chegam e seguem um ritual. Há um programa na cabeça. O culto começará com uma oração, depois o grupo de louvor cantará alguns hinos, o dirigente do culto distribuirá oportunidades para testemunhos e saudações, depois será o momento da oferta então o pastor pregará e por aí vai. 
Mas como Naamã, os que assim procedem, ignoram a multiforme sabedoria e graça de Deus. Como disse Salomão em provérbios: “Muitos são os planos no coração do homem, mas o que prevalece é o propósito do Senhor”. (Pv 19:21)
Não precisamos entender a maneira que Deus trabalha, ou o porquê de suas ações. O que precisamos é obedecê-lo e então poderemos provar sua maravilhosa graça e amor. 
No momento em que Naamã obedeceu e mergulhou sete vezes no Jordão conforme a palavra do profeta foi curado. A cura foi tão notável que no verso 14 diz que sua pele tornou-se como a de uma criança.
Ainda vale a obediência!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O que aprendo com a gazela?

Convidada para pregar no culto de encerramento das atividades (2013) do grupo Dorcas (grupo de mulheres da AIDB-Uberlândia), me senti motivada a estudar a história desta personagem bíblica que inspirou o nome do grupo. Quem foi Dorcas? O que seu nome significa? Quais seus valores? Porque sua história motiva outras mulheres que trabalham na obra do Senhor?
O nome apresentado na história bíblica é Tabita e sua história é apresentada no contexto de sua morte. Estranho, não?
A narrativa se encontra no livro de Atos, cap.9 à partir do verso 36. E assim começa a descrição dos fatos: “E havia em Jope uma discípula chamada Tabita, que traduzido se diz Dorcas. Esta estava cheia de boas obras e esmolas que fazia. E aconteceu naqueles dias que, enfermando ela, morreu; e, tendo-a lavado, a depositaram num quarto alto”.
Para um “leitor dinâmico” estes dois versos resume toda a história. A mulher existiu, era uma mulher de boas obras, ficou doente e morreu (ponto!). Porém estes dois versos mostram ape…

Encontre a resposta!

Palavras e imagens sempre foram objetos da minha curiosidade. Talvez esta seja a razão porque gosto de fazer palavras cruzadas, montar quebra-cabeça e resolver exercícios de lógica.  Recentemente me vi num entrave com um exercício de lógica. Quatro imagens propunham uma palavra com seis letras. A primeira imagem era de um ovo, a segunda de um bolo de aniversário, a terceira de um cachorro e a última de uma prateleira de sapatos. Fiquei por muito tempo tentando achar a lógica daquele exercício. O que tem em comum um ovo, um bolo, um cachorro e sapatos?  Tentei várias palavras e nada. Deixei o exercício de lado por algumas vezes na esperança de voltar com uma solução. ‘Quebrei a cabeça’ com aquele enigma. Estava procurando uma ligação das imagens até perceber que a lógica estava na cor e não nas imagens em si. Mudei o foco para a cor e facilmente preenchi os espaços com as letras. Interessante como fixamos os olhos no problema e deixamos de perceber a solução bem diante dos nossos olhos. Nã…

Falando sobre "Lagar"

O que Gideão fazia no lagar? Se sua resposta foi diferente de "malhando trigo" acho que não está familiarizado com a história deste homem, pois, era exatamente isso que ele estava fazendo. Mas... para que serve um lagar? Afinal de contas... onde é que se malha o trigo? Bem, não me incomodo se essas perguntas nunca lhe passaram pela cabeça. Porém, desde minha última postagem no blog tenho meditado sobre essa passagem bíblica. O lugar correto para se malhar trigo chama-se Eira que segundo o dicionário quer dizer: extensão de terreno limpo e batido, ou lajeado, onde se secam, malham, trilham e limpam cereais e legumes; Sabe porque Gideão preferiu malhar o trigo num lagar? Ele não estava disposto a perder o seu sustento para os Midianitas. Por algum tempo os midianitas consumiam todo o alimento produzido pelos israelitas. Não somente as suas plantações eram destruídas mas também o seu rebanho. Muito bem, vamos voltar ao lagar... Segundo o dicionário lagar é: tanque onde se espremem ou p…