Pular para o conteúdo principal

Qual é a sua lista?

Um dos maiores desafios que vejo, numa busca por um novo emprego, é preencher o requisito de “experiência”. Este item se torna ainda mais desafiador quando se quer dar um salto profissional. Por quê? Simplesmente pelo fato de que experiência você só adquire na prática e se não tem oportunidade para a prática como isto pode acontecer? 
Diante desta questão, fui impulsionada a escrever num papel quais as minhas “experiências”, não apenas profissional, mas também de vida. Quais cursos eu fiz, quais habilidades eu adquiri, quais atividades eu já desenvolvi. Eu queria ter algo para “ver”. Algo para pensar... Na verdade eu queria mesmo era comprovar minhas experiências.
Então comecei minha lista ressaltando um dos primeiros cursos que fiz, aos nove anos de idade. Pintura em tecido. Não foi muito difícil aprender. Naquela época os bebes usavam fraldas de tecido. Foi daí que ganhei meu primeiro ‘salário’. Comprei brinquedos e outras coisas com o dinheiro. Foi minha primeira experiência de ‘trabalho’ e recompensa.
Depois daquele curso viriam muitos mais voltados para artesanato. Fiz curso de caixas decoradas com tecido e caixas de papelão micro ondulado.
Aprendi a fazer flores de nylon. Aprendi a fazer bordados em tapetes, crochê e macramê. Com isto descobri que meus nervos são desafiados na medida em que os fios dão nó, apesar da habilidade para este trabalho. 
Também fiz cursos voltados para a música. Por alguns anos estudei teclado. Além do teclado, estudei também bateria. Infelizmente ou felizmente, não sei bem ao certo, fiquei apenas na partitura. Aprecio muito música e dou valor para quem tem disciplina para estudá-la. 
Fiz cursos variados com pequena duração como curso de trabalhos com E.V.A., curso de texturização, liderança infantil e o que eu mais amei - curso de design de luminária. Outros cursos que fiz foram mais prolongados como o curso de vendas, estilismo e culinária e gastronomia para executivos. Pode parecer muito estranho, mas eu fiz sim um curso de vendas. Logo eu! E mais incrível ainda, na teoria me saí muito bem...
Já fui atendente de lanchonete, já fui balconista numa loja de confecções, já fui digitalizadora e atendente de telemarketing. Eu amei ter trabalhado como locutora numa rádio local. Rádio é uma coisa muito bacana de se fazer. 
Já fiz arte em biscuit, já decorei festas, já confeitei bolos, já fiz várias pinturas em tela, já fiz esculturas, já organizei uma exposição fotográfica e já fiz faixas para cabelo. Já fui cerimonialista de eventos, já fui professora de crianças da escola dominical, já fui líder de jovens, já palestrei para públicos variados. 
Já fiz curso de inglês, já estive numa entrevista num consulado. Adquiri minha CNH. 
Me formei por uma universidade federal, já fiz minha pós graduação. Já trabalhei como cadista, projetista e designer. Já trabalhei com móveis de escritório e divisórias. Gostei desta área do design, mas minha pós me mostrou muitas outras possibilidades... Aprendi trabalhar minhas habilidades de desenho, aprendi fazer maquetes e fotografar.
Fiz um blog, onde publico minhas ‘crônicas reflexivas’ e por causa dele publiquei um livro. Já fiz algumas viagens interessantes neste nosso país, já viajei de carro, ônibus e avião...

No fim das contas percebi que minhas experiências pode não significar muito numa entrevista de emprego, mas vive-las me enchem de vida! Que venham muitas mais...

E você, consegue listar suas experiencias?

Comentários

Paz amiga Daphnne,

Olha que legal. Quando vi sua proposta na postagem achei super interessante, mas acabei não te escrevendo.

Esta semana participei de uma entrevista de emprego e a psicóloga pediu que escrevesse um texto descrevendo as habilidades que gostaria que ela soubesse e que não estão em um currículo normal... rsrs

Escrevi uma lista bem diferente e lembrei de você.

Com amor,
Fernanda Lourenço

Postagens mais visitadas deste blog

O que aprendo com a gazela?

Convidada para pregar no culto de encerramento das atividades (2013) do grupo Dorcas (grupo de mulheres da AIDB-Uberlândia), me senti motivada a estudar a história desta personagem bíblica que inspirou o nome do grupo. Quem foi Dorcas? O que seu nome significa? Quais seus valores? Porque sua história motiva outras mulheres que trabalham na obra do Senhor?
O nome apresentado na história bíblica é Tabita e sua história é apresentada no contexto de sua morte. Estranho, não?
A narrativa se encontra no livro de Atos, cap.9 à partir do verso 36. E assim começa a descrição dos fatos: “E havia em Jope uma discípula chamada Tabita, que traduzido se diz Dorcas. Esta estava cheia de boas obras e esmolas que fazia. E aconteceu naqueles dias que, enfermando ela, morreu; e, tendo-a lavado, a depositaram num quarto alto”.
Para um “leitor dinâmico” estes dois versos resume toda a história. A mulher existiu, era uma mulher de boas obras, ficou doente e morreu (ponto!). Porém estes dois versos mostram ape…

Encontre a resposta!

Palavras e imagens sempre foram objetos da minha curiosidade. Talvez esta seja a razão porque gosto de fazer palavras cruzadas, montar quebra-cabeça e resolver exercícios de lógica.  Recentemente me vi num entrave com um exercício de lógica. Quatro imagens propunham uma palavra com seis letras. A primeira imagem era de um ovo, a segunda de um bolo de aniversário, a terceira de um cachorro e a última de uma prateleira de sapatos. Fiquei por muito tempo tentando achar a lógica daquele exercício. O que tem em comum um ovo, um bolo, um cachorro e sapatos?  Tentei várias palavras e nada. Deixei o exercício de lado por algumas vezes na esperança de voltar com uma solução. ‘Quebrei a cabeça’ com aquele enigma. Estava procurando uma ligação das imagens até perceber que a lógica estava na cor e não nas imagens em si. Mudei o foco para a cor e facilmente preenchi os espaços com as letras. Interessante como fixamos os olhos no problema e deixamos de perceber a solução bem diante dos nossos olhos. Nã…

Falando sobre "Lagar"

O que Gideão fazia no lagar? Se sua resposta foi diferente de "malhando trigo" acho que não está familiarizado com a história deste homem, pois, era exatamente isso que ele estava fazendo. Mas... para que serve um lagar? Afinal de contas... onde é que se malha o trigo? Bem, não me incomodo se essas perguntas nunca lhe passaram pela cabeça. Porém, desde minha última postagem no blog tenho meditado sobre essa passagem bíblica. O lugar correto para se malhar trigo chama-se Eira que segundo o dicionário quer dizer: extensão de terreno limpo e batido, ou lajeado, onde se secam, malham, trilham e limpam cereais e legumes; Sabe porque Gideão preferiu malhar o trigo num lagar? Ele não estava disposto a perder o seu sustento para os Midianitas. Por algum tempo os midianitas consumiam todo o alimento produzido pelos israelitas. Não somente as suas plantações eram destruídas mas também o seu rebanho. Muito bem, vamos voltar ao lagar... Segundo o dicionário lagar é: tanque onde se espremem ou p…