Pular para o conteúdo principal

Drive Thru

Certamente você já utilizou um “Drive Thru”. O serviço, uma invenção norte americana, é oferecido a mais de 80 anos e foi especialmente empregado em redes de lanchonetes  que oferecem alimentos fast food: MCDonald’s, Habib’s, Burger King e tantos outros.
A intenção é bem clara, atendimento rápido para clientes que desejam comprar o produto sem sair do carro. Em outras palavras, é um atendimento para pessoas acomodadas.
De fato é bem cômodo ser atendido dentro do carro.
Ontem à noite, por exemplo, já estávamos à vontade dentro de casa esperando para ir para cama, estava cedo para dormir. Ainda não tínhamos jantado e eu, meu pai e minha mãe, queríamos um lanche.
Havia algumas opções, mas eu especificamente queria hambúrguer. 
Eu e minha mãe não estávamos tão animadas a trocar de roupa, arrumar o cabelo, calçar algo melhor que chinelo enfim, estávamos acomodadas dentro de casa. 
Como a fome, quando se fala de comida, fica mais acentuada, me lembrei do MC Drive – o serviço de Drive Thru do MC Donald’s. Sugeri que fossemos do jeito que estávamos mesmo, já que não precisaríamos sair do carro. A sugestão foi aceita e então resolvemos o problema.
Fizemos um passeio rápido, lanchamos e voltamos felizes para casa e tudo sem sair do carro, nada mais cômodo para a ocasião!
Claro que minha história não se repete com frequência, foi algo casual. Passear por um shopping, ver as vitrinas e fazer compras não se faz dentro de um carro. É preciso disposição. 
O alimento fast food pode ser muito saboroso, provei isto ontem à noite novamente. Quem resiste a batatas fritas, hambúrguer e suco de uva geladinho? É muito gostoso! Mas, todos sabemos que no que se refere a nutrição... Um alimento mais saudável requer disposição para prepara-lo, desde a compra dos ingredientes até o consumo. Não dá para se fazer isso acomodado.
Interessante! Vejo semelhança desta história com os relacionamentos contemporâneos. As redes sociais possibilitam relacionamentos ao estilo fast food. São rápidos e cômodos. Um fica de um lado da rede, o outro do outro lado. Não se tem muitos contatos “físicos” e sim muitos contatos “virtuais”. Desta maneira, podem-se filtrar os defeitos e explorar as qualidades (se é que é possível perceber qualidades reais).
Porém, relacionamentos reais, requer disposição. É preciso estar disposto nos tempos bons e tempos ruins, suportar os defeitos e saber aproveitar as qualidades. É preciso doação, emoção, verdade, sinceridade... Tudo isto se constrói, se conquista. Não é fast (rápido), leva tempo.
A comodidade dos alimentos fast food agravou um problema social, a obesidade. Semelhantemente, os relacionamentos “virtuais” tem resultado em problemas sociais, a fragilidade dos relacionamentos reais. 
Não posso generalizar, eu sei. Assim como existem pessoas, que embora consumam fast food, se exercitam e cuidam de sua saúde, existe pessoas conectadas às redes sociais que também cuidam de seus relacionamentos reais. 
O serviço Drive Thru é muito cômodo, mas não é saudável e recomendado consumir fast food com frequência... É bom fazer novas amizades, conhecer novas pessoas, mas amizade real e verdadeira não se faz apenas com um clique... 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O que aprendo com a gazela?

Convidada para pregar no culto de encerramento das atividades (2013) do grupo Dorcas (grupo de mulheres da AIDB-Uberlândia), me senti motivada a estudar a história desta personagem bíblica que inspirou o nome do grupo. Quem foi Dorcas? O que seu nome significa? Quais seus valores? Porque sua história motiva outras mulheres que trabalham na obra do Senhor?
O nome apresentado na história bíblica é Tabita e sua história é apresentada no contexto de sua morte. Estranho, não?
A narrativa se encontra no livro de Atos, cap.9 à partir do verso 36. E assim começa a descrição dos fatos: “E havia em Jope uma discípula chamada Tabita, que traduzido se diz Dorcas. Esta estava cheia de boas obras e esmolas que fazia. E aconteceu naqueles dias que, enfermando ela, morreu; e, tendo-a lavado, a depositaram num quarto alto”.
Para um “leitor dinâmico” estes dois versos resume toda a história. A mulher existiu, era uma mulher de boas obras, ficou doente e morreu (ponto!). Porém estes dois versos mostram ape…

Encontre a resposta!

Palavras e imagens sempre foram objetos da minha curiosidade. Talvez esta seja a razão porque gosto de fazer palavras cruzadas, montar quebra-cabeça e resolver exercícios de lógica.  Recentemente me vi num entrave com um exercício de lógica. Quatro imagens propunham uma palavra com seis letras. A primeira imagem era de um ovo, a segunda de um bolo de aniversário, a terceira de um cachorro e a última de uma prateleira de sapatos. Fiquei por muito tempo tentando achar a lógica daquele exercício. O que tem em comum um ovo, um bolo, um cachorro e sapatos?  Tentei várias palavras e nada. Deixei o exercício de lado por algumas vezes na esperança de voltar com uma solução. ‘Quebrei a cabeça’ com aquele enigma. Estava procurando uma ligação das imagens até perceber que a lógica estava na cor e não nas imagens em si. Mudei o foco para a cor e facilmente preenchi os espaços com as letras. Interessante como fixamos os olhos no problema e deixamos de perceber a solução bem diante dos nossos olhos. Nã…

Falando sobre "Lagar"

O que Gideão fazia no lagar? Se sua resposta foi diferente de "malhando trigo" acho que não está familiarizado com a história deste homem, pois, era exatamente isso que ele estava fazendo. Mas... para que serve um lagar? Afinal de contas... onde é que se malha o trigo? Bem, não me incomodo se essas perguntas nunca lhe passaram pela cabeça. Porém, desde minha última postagem no blog tenho meditado sobre essa passagem bíblica. O lugar correto para se malhar trigo chama-se Eira que segundo o dicionário quer dizer: extensão de terreno limpo e batido, ou lajeado, onde se secam, malham, trilham e limpam cereais e legumes; Sabe porque Gideão preferiu malhar o trigo num lagar? Ele não estava disposto a perder o seu sustento para os Midianitas. Por algum tempo os midianitas consumiam todo o alimento produzido pelos israelitas. Não somente as suas plantações eram destruídas mas também o seu rebanho. Muito bem, vamos voltar ao lagar... Segundo o dicionário lagar é: tanque onde se espremem ou p…