Pular para o conteúdo principal

A importância de ser "o patinho feio"

Aprecio a habilidade de quem consegue fazer observações análogas em circunstancias improváveis...
Em minha ultima viagem à Barueri ouvi pela primeira vez o pr. Luciano da IAB – Mauá. Ele teve uma oportunidade para uma saudação e durante os poucos minutos seguidos, discorreu sobre “A importância de ser o patinho feio”.
Acredito que foi a primeira vez em 30 anos que ouvi um pastor utilizando esta história infantil para fazer uma analogia e, tão apropriada.
Interessante como muitas vezes somos vistos como o patinho feio. Nosso “grasnar” não é como o dos outros, nosso andar não é o mesmo, nossa aparência é toda diferente. Basta olhar para nós para perceber.
Porém, num dado momento da história, o patinho feio encontra outros “patinhos” como ele, diferentes que não o desprezam. Ele é bem recebido no meio dos outros, com uma beleza singular descobre-se um belo cisne.
O pr. fez ainda referencia a Moises, um hebreu no meio de egípcios. Um “patinho feio” no Egito. O encontro com sua identidade se deu quando ele viu um hebreu sendo ferido por um egípcio, viu as cargas a que foram submetidos seus irmãos e as filhas de Midiã sendo afrontadas próximas aos bebedouros. Ele reconheceu aqueles hebreus como sendo seus irmãos. Viu neles a aparência que tinham, o “grasnar” diferente, o andar, a identidade...
Que diferença fez um Moisés naquele tempo!
No momento certo ele assumiu sua identidade revelada. Juntou-se a seus irmãos. Lutou por eles e venceu como um líder eficaz. Seu “grasnar” era como de um gago, mas sua mensagem foi ouvida. Foi determinado. Calmo (como ele conseguiu?). Paciente e zeloso. Capacitado por Deus. Foi de patinho feio a um belo cisne.
Cada um de nos temos personalidades diferentes que nos distingue de outros; hábitos, interesses, complexos, sentimentos e aspirações que são exclusivos. Muitas vezes nossa personalidade pode nos deixar próximos de sermos os “patinhos feios” do nosso meio. Porém, com o tempo descobrimos nossa beleza... Deixamos de sermos “feios” quando vivemos de maneira verdadeira, quando assumimos nossa identidade e não precisamos forçar uma aparência que não nos é própria e quando temos conhecimento de quem somos e o que queremos.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O que aprendo com a gazela?

Convidada para pregar no culto de encerramento das atividades (2013) do grupo Dorcas (grupo de mulheres da AIDB-Uberlândia), me senti motivada a estudar a história desta personagem bíblica que inspirou o nome do grupo. Quem foi Dorcas? O que seu nome significa? Quais seus valores? Porque sua história motiva outras mulheres que trabalham na obra do Senhor?
O nome apresentado na história bíblica é Tabita e sua história é apresentada no contexto de sua morte. Estranho, não?
A narrativa se encontra no livro de Atos, cap.9 à partir do verso 36. E assim começa a descrição dos fatos: “E havia em Jope uma discípula chamada Tabita, que traduzido se diz Dorcas. Esta estava cheia de boas obras e esmolas que fazia. E aconteceu naqueles dias que, enfermando ela, morreu; e, tendo-a lavado, a depositaram num quarto alto”.
Para um “leitor dinâmico” estes dois versos resume toda a história. A mulher existiu, era uma mulher de boas obras, ficou doente e morreu (ponto!). Porém estes dois versos mostram ape…

Encontre a resposta!

Palavras e imagens sempre foram objetos da minha curiosidade. Talvez esta seja a razão porque gosto de fazer palavras cruzadas, montar quebra-cabeça e resolver exercícios de lógica.  Recentemente me vi num entrave com um exercício de lógica. Quatro imagens propunham uma palavra com seis letras. A primeira imagem era de um ovo, a segunda de um bolo de aniversário, a terceira de um cachorro e a última de uma prateleira de sapatos. Fiquei por muito tempo tentando achar a lógica daquele exercício. O que tem em comum um ovo, um bolo, um cachorro e sapatos?  Tentei várias palavras e nada. Deixei o exercício de lado por algumas vezes na esperança de voltar com uma solução. ‘Quebrei a cabeça’ com aquele enigma. Estava procurando uma ligação das imagens até perceber que a lógica estava na cor e não nas imagens em si. Mudei o foco para a cor e facilmente preenchi os espaços com as letras. Interessante como fixamos os olhos no problema e deixamos de perceber a solução bem diante dos nossos olhos. Nã…

Falando sobre "Lagar"

O que Gideão fazia no lagar? Se sua resposta foi diferente de "malhando trigo" acho que não está familiarizado com a história deste homem, pois, era exatamente isso que ele estava fazendo. Mas... para que serve um lagar? Afinal de contas... onde é que se malha o trigo? Bem, não me incomodo se essas perguntas nunca lhe passaram pela cabeça. Porém, desde minha última postagem no blog tenho meditado sobre essa passagem bíblica. O lugar correto para se malhar trigo chama-se Eira que segundo o dicionário quer dizer: extensão de terreno limpo e batido, ou lajeado, onde se secam, malham, trilham e limpam cereais e legumes; Sabe porque Gideão preferiu malhar o trigo num lagar? Ele não estava disposto a perder o seu sustento para os Midianitas. Por algum tempo os midianitas consumiam todo o alimento produzido pelos israelitas. Não somente as suas plantações eram destruídas mas também o seu rebanho. Muito bem, vamos voltar ao lagar... Segundo o dicionário lagar é: tanque onde se espremem ou p…