Pular para o conteúdo principal

Qual é seu preço?

Imagine se sua vida fosse uma embarcação. Você seria proprietário (a) de um grande investimento e precisaria ser um bom administrador para não colocar sua economia a perder. Receberia diversas pessoas com as quais teria o prazer de desfrutar viagens de curtas e longas distâncias. Poderia definir programações de seu interesse para serem executadas; itinerários diversificados e o valor das passagens cobradas para sua embarcação.  
Pensando nisso venha comigo para a história de Jonas, o profeta fujão.
Ele deveria ir para Nínive e pregar naquela cidade e anunciar sua destruição. Sua tarefa era muito difícil de realizar e por isso ele preferiu fugir da responsabilidade e mudar seu itinerário.
Descendo a Jope encontrou um navio que ia para Társis. Pagou sua passagem e desceu para o porão, deitou-se e dormiu um sono profundo.
Você conhece a história, não é? Veio uma grande tempestade, o navio começou a sofrer avarias e os marinheiros ficaram muito preocupados. Lançaram sorte para ver quem tinha causado aquele mal e a sorte caiu sobre Jonas (que azar!).
Voltemos para a história da embarcação. Quero fazer algumas perguntas. Se essa história de Jonas acontecesse na sua embarcação, qual seria sua culpa pela desgraça que aconteceu? Não seja rápido em dizer nenhuma.
Lembre-se que você teria a possibilidade de colocar o preço nas passagens...
Jonas naquele momento era um viajante fugitivo. O que significa que ele não escolheu o navio por ser o melhor, ou pela programação que oferecia, ou apenas pelo itinerário. Somente uma pessoa prudente e responsável pensaria nessas questões. Jonas precisava de qualquer embarcação que não estivesse seguindo em direção a Nínive de onde ele estava fugindo. Preferencialmente uma embarcação cuja passagem fosse barata. Quem foge não guarda economia para um bom meio de transporte. Ele não estava em busca de primeira classe, tanto é que fez sua viagem no porão do navio.
Note que nenhuma inspeção foi feita para selecionar os viajantes, porque certamente Jonas dançaria nela. Ele comprou passagens na última hora de qualquer jeito. Não havia apresentado sua identificação, nem sua naturalidade, nem sua ocupação, nem o motivo da viagem.
Então, depois dessa exposição, qual a culpa do proprietário do navio nessa história toda? Ele colocou em risco a vida dos demais viajantes, perdeu carga possivelmente importante, perdeu tempo e investimento. A culpa dele foi não selecionar quem poderia entrar na sua embarcação. Jonas estava errado é verdade. Mas, não era o único.
Assim também nós somos os responsáveis pelas pessoas que deixamos ter acesso à nossa vida. Existem muitos fugitivos de responsabilidades propostas, sem disposição para pagar um alto preço para compartilhar uma viagem longa e segura. Eles oferecem apenas um trocado para ocupar um mísero porão. Porém a presença deles pode por em risco sua vida por inteiro.
Qual o preço para entrar em sua embarcação?

Comentários

Anônimo disse…
É, Daphnne. Intrigante tudo isso. Pare pra pensar...

Michelle Alvear

Postagens mais visitadas deste blog

O que aprendo com a gazela?

Convidada para pregar no culto de encerramento das atividades (2013) do grupo Dorcas (grupo de mulheres da AIDB-Uberlândia), me senti motivada a estudar a história desta personagem bíblica que inspirou o nome do grupo. Quem foi Dorcas? O que seu nome significa? Quais seus valores? Porque sua história motiva outras mulheres que trabalham na obra do Senhor?
O nome apresentado na história bíblica é Tabita e sua história é apresentada no contexto de sua morte. Estranho, não?
A narrativa se encontra no livro de Atos, cap.9 à partir do verso 36. E assim começa a descrição dos fatos: “E havia em Jope uma discípula chamada Tabita, que traduzido se diz Dorcas. Esta estava cheia de boas obras e esmolas que fazia. E aconteceu naqueles dias que, enfermando ela, morreu; e, tendo-a lavado, a depositaram num quarto alto”.
Para um “leitor dinâmico” estes dois versos resume toda a história. A mulher existiu, era uma mulher de boas obras, ficou doente e morreu (ponto!). Porém estes dois versos mostram ape…

Encontre a resposta!

Palavras e imagens sempre foram objetos da minha curiosidade. Talvez esta seja a razão porque gosto de fazer palavras cruzadas, montar quebra-cabeça e resolver exercícios de lógica.  Recentemente me vi num entrave com um exercício de lógica. Quatro imagens propunham uma palavra com seis letras. A primeira imagem era de um ovo, a segunda de um bolo de aniversário, a terceira de um cachorro e a última de uma prateleira de sapatos. Fiquei por muito tempo tentando achar a lógica daquele exercício. O que tem em comum um ovo, um bolo, um cachorro e sapatos?  Tentei várias palavras e nada. Deixei o exercício de lado por algumas vezes na esperança de voltar com uma solução. ‘Quebrei a cabeça’ com aquele enigma. Estava procurando uma ligação das imagens até perceber que a lógica estava na cor e não nas imagens em si. Mudei o foco para a cor e facilmente preenchi os espaços com as letras. Interessante como fixamos os olhos no problema e deixamos de perceber a solução bem diante dos nossos olhos. Nã…

Falando sobre "Lagar"

O que Gideão fazia no lagar? Se sua resposta foi diferente de "malhando trigo" acho que não está familiarizado com a história deste homem, pois, era exatamente isso que ele estava fazendo. Mas... para que serve um lagar? Afinal de contas... onde é que se malha o trigo? Bem, não me incomodo se essas perguntas nunca lhe passaram pela cabeça. Porém, desde minha última postagem no blog tenho meditado sobre essa passagem bíblica. O lugar correto para se malhar trigo chama-se Eira que segundo o dicionário quer dizer: extensão de terreno limpo e batido, ou lajeado, onde se secam, malham, trilham e limpam cereais e legumes; Sabe porque Gideão preferiu malhar o trigo num lagar? Ele não estava disposto a perder o seu sustento para os Midianitas. Por algum tempo os midianitas consumiam todo o alimento produzido pelos israelitas. Não somente as suas plantações eram destruídas mas também o seu rebanho. Muito bem, vamos voltar ao lagar... Segundo o dicionário lagar é: tanque onde se espremem ou p…