segunda-feira, 12 de dezembro de 2011

Restituição

Uma grande rede de supermercados assusta os clientes quando num dia e horário que normalmente estaria aberto exibe uma faixa dizendo estar fechado para balanço.
Na verdade o cliente pode até se surpreender, mas acaba entendendo a situação afinal, esse procedimento é esperado.
Dezembro é um mês propício para balanços e não é situação restrita às organizações comerciais. Eu e você consciente ou não fazemos um “balanço” de nossas vidas.
Analisamos o ano corrente para pensar a respeito do ano seguinte. Não é assim? Ganhos e perdas passam por nossas mentes e são razões para fazermos planos futuros de curto e longo prazo.
Celebramos os ganhos e nos frustramos com as perdas e por impulso inerente ao ser humano desejamos recuperar o que perdemos.
Gosto de uma passagem descrita no livro de II Reis 8 que fala de restituição.
A mulher sunamita é a personagem da história e foi orientada a sair do país com sua família para outro lugar onde pudesse encontrar abrigo e sustento, uma vez que Deus enviaria fome. Com sua saída, perdeu casa e propriedades, e passado o tempo de peregrinação a mulher retornou a Israel e procurou o rei para ser restituída.
Geazi (o servo de Eliseu) estava conversando com o rei sobre os feitos do profeta e no momento que ele contava a respeito de como Eliseu ressuscitara o filho da sunamita ela chegou acompanhada de seu filho para apresentar sua petição. 
Veja que situação! O que ela precisou fazer para conseguir os ouvidos do rei? Apenas confirmar as palavras de Geazi.
O rei pediu que ela contasse o ocorrido e designou um funcionário para cuidar do caso dela. Ele ordenou que tudo que lhe pertencia fosse restituído, até mesmo a renda da colheita que ela deixara de ganhar durante o tempo de sua ausência.
A mulher não precisou fazer muito esforço para ter de volta o que lhe pertencia e isso impressiona. É bom conseguir favor diante do rei, não é mesmo?
Mas, essa mulher havia construído uma história de fé e aprendido a ouvir a voz de Deus e estava orientada por Ele. Ela havia abrigado o profeta. Em confiança à palavra deixou o país e também em confiança retornou. Deus estava naquele negócio.
Por que Geazi estava conversando com o rei naquele momento? Acaso? Suponho que não. 
Por que o assunto girava em torno dela e de seu filho no momento de sua chegada? Mais um acaso? Duvido.
Ali estava um cenário preparado por Deus para restituição.
Eu creio que podemos viver essa experiência também - sermos ressarcidos.
Pode ser que Deus tenha escolhido dia, lugar, horário e cenário diferentes. Pode não ser da maneira como imaginamos. Deixe-O cuidar disso e esteja pronto para confirmar a história...
Ainda não terminou o ano. Não se canse de esperar. Renove suas forças e alegre-se na esperança. Continue crendo em Deus e depositando nele total confiança. Restituição é também coisa que ele pode fazer!

Um comentário:

Anônimo disse...

A Paz do Senhor Daphnne!

Gostei muito dessa postagem falando de retrospectiva, sobre o que perdemos, ganhamos, o que fizemos, deixamos de fazer durante o ano, achei interessante a passagem da sunamita falando sobre restituição,e estive pensando quantas coisas boas perdemos durante o ano de 2011, mas temos que crer que a restituiçao está as portas,Deus vai restituir tudo, mas precisamos assim como a sunamita estar na visao e orientação de Deus e tambem estar no lugar e na hora certa para que Deus assim como o rei naquele dado momento restituiu tudo a ela, ele tambem nos restitua.

Muito bom este poste e continue assim, nos ajudando a refletir nas coisas de Deus.

Abç...e fica na Paz!

Feliz 2012!......