Pular para o conteúdo principal

Sonho compartilhado - Sonhadores agregados

Quando olhamos para Brasília seja por fotos ou “in loco” contemplamos a realização de um sonho. Aprecio principalmente o chamado Plano Piloto. O planejamento e mobiliários urbanos, edificações muito bem elaboradas e executadas, jardins e outras particularidades do Distrito Federal são impressionantes aos meus olhos. Verdadeira vitrine através da qual podemos ver o sonho que por tanto tempo habitou na mente e coração de um homem chamado Juscelino Kubitschek.
Tenho pensado e compartilhado muito sobre esse homem especificamente sobre o seu sonho que se tornou também de uma nação. Ele não foi o primeiro homem a contagiar outros com o desejo de seu coração. Poderia citar alguns exemplos aqui, porém vou ater-me a ele por ter sido um brasileiro (um mineiro – uau! Tenho que interromper aqui para dizer que Minas tem sido um celeiro de grandes personalidades e isso é uma honra para mim. Um exemplo tão claro que eu posso fazer diferença no âmbito social, político e econômico e se pode ser assim nesses termos, também pode ser no âmbito espiritual. Você também pode. Qualquer um de nós pode. Independente de naturalidade ou raça... )
Juscelino pôs em prática o que a constituição brasileira previa há tanto tempo. Algo que ninguém havia tomado a iniciativa de fazer e nem arriscado, ele apregoou que faria. Num discurso político foi desafiado a atender essa previsão da constituição e afirmou que A Capital da União seria transferida para o planalto central do país.
Foram agregados muitos profissionais nessa grande obra; dois  deles conseguimos citar de cor – Lúcio Costa e Oscar Niemeyer. Se eles não tivessem sonhado junto com JK talvez esse projeto de lei teria sido novamente adiado e possivelmente ainda esperaríamos por um Distrito Federal.
Os candangos (mais de 30 mil operários que trabalharam ativamente nesse projeto) foram os primeiros a serem contagiados por JK e seu sonho. Acreditaram que daquele grande projeto poderia vir outras realizações.
Brasília nasceu para abrigar sonhos de uma nação inteira. Sonho de casa própria, de melhoria na qualidade de vida, de desenvolvimento econômico e político. Gente de todos os estados apostou suas fichas porque um homem teve a atitude de colocar um sonho em ação.
“Todo ser humano é movido por sonho”, já dizia um escritor confirmando teorias da psicologia que estuda o comportamento da mente humana. Realização pessoal é uma necessidade básica do ser humano.
Portanto maior que Brasília, o Distrito Federal do Brasil, é o sonho de JK que foi compartilhado e que agregou sonhadores.
Não deixe adormecer os seus sonhos. Não mate os sonhos do seu próximo. Sejamos  semeadores de esperança, confiança e ousadia e realizemos grandes projetos que beneficiarão nossa nação.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O que aprendo com a gazela?

Convidada para pregar no culto de encerramento das atividades (2013) do grupo Dorcas (grupo de mulheres da AIDB-Uberlândia), me senti motivada a estudar a história desta personagem bíblica que inspirou o nome do grupo. Quem foi Dorcas? O que seu nome significa? Quais seus valores? Porque sua história motiva outras mulheres que trabalham na obra do Senhor?
O nome apresentado na história bíblica é Tabita e sua história é apresentada no contexto de sua morte. Estranho, não?
A narrativa se encontra no livro de Atos, cap.9 à partir do verso 36. E assim começa a descrição dos fatos: “E havia em Jope uma discípula chamada Tabita, que traduzido se diz Dorcas. Esta estava cheia de boas obras e esmolas que fazia. E aconteceu naqueles dias que, enfermando ela, morreu; e, tendo-a lavado, a depositaram num quarto alto”.
Para um “leitor dinâmico” estes dois versos resume toda a história. A mulher existiu, era uma mulher de boas obras, ficou doente e morreu (ponto!). Porém estes dois versos mostram ape…

Encontre a resposta!

Palavras e imagens sempre foram objetos da minha curiosidade. Talvez esta seja a razão porque gosto de fazer palavras cruzadas, montar quebra-cabeça e resolver exercícios de lógica.  Recentemente me vi num entrave com um exercício de lógica. Quatro imagens propunham uma palavra com seis letras. A primeira imagem era de um ovo, a segunda de um bolo de aniversário, a terceira de um cachorro e a última de uma prateleira de sapatos. Fiquei por muito tempo tentando achar a lógica daquele exercício. O que tem em comum um ovo, um bolo, um cachorro e sapatos?  Tentei várias palavras e nada. Deixei o exercício de lado por algumas vezes na esperança de voltar com uma solução. ‘Quebrei a cabeça’ com aquele enigma. Estava procurando uma ligação das imagens até perceber que a lógica estava na cor e não nas imagens em si. Mudei o foco para a cor e facilmente preenchi os espaços com as letras. Interessante como fixamos os olhos no problema e deixamos de perceber a solução bem diante dos nossos olhos. Nã…

Falando sobre "Lagar"

O que Gideão fazia no lagar? Se sua resposta foi diferente de "malhando trigo" acho que não está familiarizado com a história deste homem, pois, era exatamente isso que ele estava fazendo. Mas... para que serve um lagar? Afinal de contas... onde é que se malha o trigo? Bem, não me incomodo se essas perguntas nunca lhe passaram pela cabeça. Porém, desde minha última postagem no blog tenho meditado sobre essa passagem bíblica. O lugar correto para se malhar trigo chama-se Eira que segundo o dicionário quer dizer: extensão de terreno limpo e batido, ou lajeado, onde se secam, malham, trilham e limpam cereais e legumes; Sabe porque Gideão preferiu malhar o trigo num lagar? Ele não estava disposto a perder o seu sustento para os Midianitas. Por algum tempo os midianitas consumiam todo o alimento produzido pelos israelitas. Não somente as suas plantações eram destruídas mas também o seu rebanho. Muito bem, vamos voltar ao lagar... Segundo o dicionário lagar é: tanque onde se espremem ou p…