Pular para o conteúdo principal

Sala de Espera - Experiências Inesquecíveis

De repente me vejo numa sala de espera.
Esperar nunca foi o meu forte e nem me deixa em uma situação confortável. Ainda não soube de alguém que se sentisse confortável numa sala destas, você sabe de alguém?
O projeto do ambiente foge do habitual. A sala é ampla e por incrível que pareça está decorada com vários cálices por sinal bem cheios, o que será aquilo?
Várias pessoas estão acomodadas esperando por um chamado na portinha ali bem discreta. Ao que tudo indica só existe um profissional para atender todos os “pacientes”.
Ah, eu não disse, mas a sala de espera é de uma clínica que atende várias especialidades.
Começo a observar um rapaz assentado do outro lado da sala. Dá a sensação de que está pensativo; preocupado talvez. Apesar disso, seus olhos brilham, será esperança? O que será que ele veio fazer? Porque enfrenta esta espera nessa sala?
De outro lado está um senhor sorridente. Enquanto espera consegue animar outros ao seu redor. Parece assobiar uma canção. Está confiante, será que o médico é um parente? Talvez seja um amigo íntimo.
Enquanto estou viajando nas minhas analises a respeito de cada pessoa sou surpreendida por um choro de uma mulher. Parece bêbada. Cai em uma cadeira e ali mesmo fica a esperar. Nesse momento a sala se torna inquieta. Mais um cálice cheio é colocado no aparador. Pensava que o ambiente tivesse uma decoração já concluída, mas vejo que é bastante versátil.
Impossível não notar aquele homem inquieto assentado ali bem próximo à entrada do consultório. Esfrega as mãos. Transpira muito. Pelo jeito conhece o médico muito bem, mas parece estar armando alguma. Ele se levanta olha para a saída, olha para a portinha do consultório, senta e repete todas as gesticulações até decidir ir embora.
Nesse momento a porta se abre e finalmente ouço uma voz chamar pelo próximo. A voz é inspiradora e ao ouvi-la sinto-me confiante. Descubro que o próximo sou eu. Tenho certeza de que vale a pena esperar a minha vez. Faz tempo que estou aqui nessa sala. Lembro-me de que foi difícil entrar aqui. Relutei bastante e esperar como disse nunca foi o meu forte.
Ouço alguém comentando que o jovem conseguiu. Conseguiu o quê? Pergunto. Controlar a ansiedade e assumir o governo do Egito. Foram anos de tratamento me contam. Hum? Parecia-me um simples jovem, mas lembro-me de ver um brilho de esperança em seus olhos. Seu nome? José.
Procuro saber sobre o senhor sorridente. Calebe era o seu nome me contam. Estava ali para agradecer o médico que lhe tratou o coração. Ensinou a ser confiante e exercitar esperança. Fez com que seu vigor fosse permanente até mesmo na sua velhice.
Querem saber da mulher bêbada? Na verdade não estava embriaga somente sem forças de tanto chorar. Era estéril e estava aguardando o resultado do exame de sangue. A resposta foi positiva, tinha conseguido engravidar. Saiu do consultório pulando de alegria. O nome dela? Ana.
O clima de festa é interrompido quando anunciam o nome do homem que saiu da sala. Lembram-se dele? Judas era seu nome. Assim como muito de nós, estava inquieto demais para esperar. Ah, ele teria ouvido a voz chamando pelo próximo, mas saiu antes. Estava angustiado demais. Preferiu acabar com sua vida do lado de fora da sala.
Ah, me desculpe, tenho que ir. O médico está a me chamar. Antes de sair dessa sala quero te dizer uma coisa. Vale à pena esperar! Pode demorar um pouco, mas o próximo a ser atendido pode ser você. Não faça como Judas, não queira se acabar do lado de fora.
Antes de entrar vejo mais um cálice chegando e opa! Dos cálices sai fumaça como incenso. Ouço João revelando o mistério. São as orações dos santos e são levadas à presença do médico dos médicos Jesus.

Comentários

Michelle disse…
Puxa vida, que inspiração maravilhosa. Quando comecei a ler, jamais imaginava esse final. Mas quer saber? Eu também vou esperar a minha vez certa de que, em algum momento, ouvirei o meu nome a ser chamado pelo médico Jesus (médico, advogado, professor, enfim o que eu precisar). Deus a abençoe por tão bela reflexão.
Josilene disse…
Meu Deus!
Fiquei fascinada pela história e jamais imaginava que você falaraía destas pessoas...que inspiração, PARABÉNS!
Pode deixar, depois desta história, além de continuar esperando vou ficar calminha...calminha...rsrsrs!
Abraços
André Rodrigues disse…
Paz do Semhor!

Imaginei mesmo que a coisa era séria, mas essa foi D +++ !kkkk
Mas, na verdade, eu sou um daqueles que, por mais incrível que pareça, prefiro ficar aguardando o médico do lado de fora... Lá dentro vou encontrar notícias que podem me desagradar... Mas em se tratando de um caso especial como este, a consulta vai trazer uma resposta que procuro, vai trazer a cura que espero, vai restaurar sonhos que dormiram... Não quero ser maluco de sair e deixar aquele médico à minha espera... !
Agora, se me permite, quero ter uma conversinha com cada um desses pacientes, ou vc acha que eu poderia perder uma oportunidade dessas??? kkkkkk


Fik com Deus na Paz do Senhor !
Miriam disse…
Que legal, assim como os outros que comentaram, sua inspiração dessa vez me pregou uma peça.Jamais poderia pensar que sala de espera era essa.Muito boa a meditação, não sei se quero ser já a proxima a ser chamada como comentou o André, espero estar pronta e preparada para receber o diagnóstico do Dr Jesus.Te amo Miriam

Postagens mais visitadas deste blog

O que aprendo com a gazela?

Convidada para pregar no culto de encerramento das atividades (2013) do grupo Dorcas (grupo de mulheres da AIDB-Uberlândia), me senti motivada a estudar a história desta personagem bíblica que inspirou o nome do grupo. Quem foi Dorcas? O que seu nome significa? Quais seus valores? Porque sua história motiva outras mulheres que trabalham na obra do Senhor?
O nome apresentado na história bíblica é Tabita e sua história é apresentada no contexto de sua morte. Estranho, não?
A narrativa se encontra no livro de Atos, cap.9 à partir do verso 36. E assim começa a descrição dos fatos: “E havia em Jope uma discípula chamada Tabita, que traduzido se diz Dorcas. Esta estava cheia de boas obras e esmolas que fazia. E aconteceu naqueles dias que, enfermando ela, morreu; e, tendo-a lavado, a depositaram num quarto alto”.
Para um “leitor dinâmico” estes dois versos resume toda a história. A mulher existiu, era uma mulher de boas obras, ficou doente e morreu (ponto!). Porém estes dois versos mostram ape…

Encontre a resposta!

Palavras e imagens sempre foram objetos da minha curiosidade. Talvez esta seja a razão porque gosto de fazer palavras cruzadas, montar quebra-cabeça e resolver exercícios de lógica.  Recentemente me vi num entrave com um exercício de lógica. Quatro imagens propunham uma palavra com seis letras. A primeira imagem era de um ovo, a segunda de um bolo de aniversário, a terceira de um cachorro e a última de uma prateleira de sapatos. Fiquei por muito tempo tentando achar a lógica daquele exercício. O que tem em comum um ovo, um bolo, um cachorro e sapatos?  Tentei várias palavras e nada. Deixei o exercício de lado por algumas vezes na esperança de voltar com uma solução. ‘Quebrei a cabeça’ com aquele enigma. Estava procurando uma ligação das imagens até perceber que a lógica estava na cor e não nas imagens em si. Mudei o foco para a cor e facilmente preenchi os espaços com as letras. Interessante como fixamos os olhos no problema e deixamos de perceber a solução bem diante dos nossos olhos. Nã…

Falando sobre "Lagar"

O que Gideão fazia no lagar? Se sua resposta foi diferente de "malhando trigo" acho que não está familiarizado com a história deste homem, pois, era exatamente isso que ele estava fazendo. Mas... para que serve um lagar? Afinal de contas... onde é que se malha o trigo? Bem, não me incomodo se essas perguntas nunca lhe passaram pela cabeça. Porém, desde minha última postagem no blog tenho meditado sobre essa passagem bíblica. O lugar correto para se malhar trigo chama-se Eira que segundo o dicionário quer dizer: extensão de terreno limpo e batido, ou lajeado, onde se secam, malham, trilham e limpam cereais e legumes; Sabe porque Gideão preferiu malhar o trigo num lagar? Ele não estava disposto a perder o seu sustento para os Midianitas. Por algum tempo os midianitas consumiam todo o alimento produzido pelos israelitas. Não somente as suas plantações eram destruídas mas também o seu rebanho. Muito bem, vamos voltar ao lagar... Segundo o dicionário lagar é: tanque onde se espremem ou p…